Dólar amplia alta e chega a R$3,58 com tensão entre EUA e Irã

A tensão nos mercados externos é reflexo da possibilidade de aumento dos riscos geopolíticos, que podem influenciar o fluxo de capital no mundo

São Paulo - O dólar operava em alta e já no patamar de 3,58 reais nesta terça-feira diante da maior tensão nos mercados externos com a possibilidade de os Estados Unidos deixarem o acordo nuclear com o Irã, aumentando os riscos geopolíticos e que podem influenciar o fluxo de capital no mundo.

Às 11:57, o dólar avançava 0,90 por cento, a 3,5849 reais na venda, depois de tocar a máxima de 3,5881 reais na máxima da sessão. O dólar futuro tinha alta de cerca de 1 por cento.

"Há uma grande probabilidade de Washington deixar o acordo, assumindo riscos geopolíticos de forte impacto nos mercados, que podem ampliar a pressão já existente no petróleo, com reflexo na inflação e nos juros norte-americanos", escreveu a corretora Correparti em relatório.

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, anunciará nesta terça-feira se vai retirar seu país do acordo nuclear firmado com o Irã ou se o manterá filiado e trabalhará com aliados europeus que vêm se empenhando em convencê-lo de que o pacto conseguiu frear as ambições nucleares de Teerã.

O dólar subia para a máxima de 2018 contra uma cesta de moedas e também avançava sobre moedas de países emergentes, como o peso mexicano e a lira turca. Por outro lado, o iene subia ante a moeda norte-americana, com a cautela dos investidores sobre o anúncio de Trump sobre o Irã.

A retirada dos EUA elevaria as sanções econômicas ao Irã, reduzindo a produção do país, o que poderia afetar a produção e exportação de petróleo do país.

Preços mais caros de petróleo impactam a inflação e podem levar o Federal Reserve, banco central dos Estados Unidos, a ser mais austero e elevar mais do que o esperado os juros, o que poderia atrair para a maior economia do mundo recursos aplicados em mercados considerados de maior risco, como o brasileiro.

O BC vendeu pelo quarto dia a oferta integral de até 8.900 mil contratos em swaps cambiais tradicionais, equivalentes à venda futura de dólares, rolando 1,780 bilhão de dólares do total de 5,650 bilhões de dólares que vence em junho.

Se mantiver e vender esse volume diário até o final do mês, o BC terá rolado integralmente os contratos que vencem no mês que vem e terá colocado o equivalente a 2,8 bilhões de dólares adicionais.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 1,90

Nos três primeiros meses,
após este período: R$ 15,90

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Atenção! A sua revista EXAME deixa de ser quinzenal a partir da próxima edição. Produziremos uma tiragem mensal. Clique aqui para saber mais detalhes.
Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.