• BVSP 117.669,90 -0,5%
  • USD 5,6926 +0,0118
  • EUR 6,7616 +0,0000
  • ABEV3 15,43 -0,13%
  • BBAS3 29,27 +0,55%
  • BBDC4 25,25 +0,04%
  • BRFS3 23,91 -1,97%
  • BRKM3 43,57 -0,98%
  • BRML3 9,95 +1,95%
  • BTOW3 62,7 -0,85%
  • CSAN3 89,25 -0,45%
  • ELET3 35,45 -1,50%
  • EMBR3 16,02 -0,37%
  • Petróleo 59,31 +0,00%
  • Ouro 1.744,80 +0,00%
  • Prata 25,55 +0,00%
  • Platina 1.209,30 +0,00%

Dólar opera em queda nesta quarta

Às 10:27, o dólar recuava 0,31%, a 4,1929 reais na venda

São Paulo — Depois de tocar uma máxima em quase três semanas na véspera, o dólar era negociado em queda contra o real no início desta quarta-feira, em meio à redução da aversão a risco nos mercados globais após temores sobre um surto de coronavírus na China.

Às 10:27, o dólar recuava 0,31%, a 4,1929 reais na venda. O principal contrato de dólar futuro recuava 0,47% neste pregão, a 4,195 reais.

Na terça-feira, a moeda norte-americana terminou a sessão com ganho de 0,40%, a 4,2060 reais na venda, maior patamar para um encerramento desde 2 de dezembro do ano passado.

"Há duas coisas que se deve levar em consideração sobre os movimentos de ontem e hoje. Segunda-feira foi feriado nos EUA, e a abertura de ontem refletiu a estabilidade vista na segunda, juntamente com a aversão a risco por conta do coronavírus da China", explicou Alexandre Almeida, analista de economia da CM Capital Markets.

"Na abertura de hoje já começa a ocorrer o movimento contrário: a aversão a risco passa a se dispersar".

Autoridades da China e de outros países intensificaram, nesta quarta-feira, os esforços para controlar um surto de um novo coronavírus, tomando medidas para evitar o contágio em espaços públicos e hospitais.

"Houve uma grande mudança no número de casos, o que está relacionado ao nosso maior entendimento da doença, melhorando os métodos de diagnóstico e otimizando a distribuição de kits de diagnóstico", disse o vice-ministro da Comissão Nacional de Saúde chinês, Li Bin.

Também no radar dos investidores, Almeida citou o secretário do Tesouro norte-americano, Steven Mnuchin, que disse nesta quarta-feira, no Fórum Econômico de Davos, que os EUA não têm prazo definido para concluir a próxima fase de negociações comerciais com a China.

No exterior, os mercados de câmbio refletiam a melhora do sentimento, com o dólar recuando em relação a boa parte das divisas mais arriscadas, como a lira turca, o peso mexicano, o rand sul-africano e o dólar australiano.

O índice que mede a divisa norte-americana contra uma cesta de rivais operava próximo da estabilidade.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.