• BVSP 121.113,93 pts +0,3%
  • USD R$ 5,5873 -0,0014
  • EUR R$ 6,6964 +0,0000
  • ABEV3 R$ 15,85 -0,13%
  • BBAS3 R$ 29,75 +0,37%
  • BBDC4 R$ 26,17 +1,43%
  • BRFS3 R$ 23,62 -2,80%
  • BRKM3 R$ 50,09 +3,24%
  • BRML3 R$ 9,8 +0,20%
  • BTOW3 R$ 68,22 +0,04%
  • CSAN3 R$ 90,81 -0,27%
  • ELET3 R$ 35,46 +3,68%
  • EMBR3 R$ 15,81 -0,94%
  • Petróleo US$ 65,81 +0,00%
  • Ouro US$ 1.912,70 +0,00%
  • Prata US$ 26,32 +0,00%
  • Platina US$ 1.211,70 +0,00%

Bolsas de NY recuam, com temor de impactos da Itália para cenário global

O índice Dow Jones fechou em queda de 1,58% nesta terça (29), já o Nasdaq caiu 0,50% e o S&P 500 teve baixa de 1,16%

São Paulo - As bolsas de Nova York fecharam em queda nesta terça-feira, 29, com o quadro político na Itália preocupando investidores, diante da avaliação de que a crise no país europeu possa se disseminar e prejudicar o crescimento global, o que levou a uma onda de vendas de ativos de risco pelo mundo. Além disso, as tensões comerciais entre Estados Unidos e China estiveram no radar.

O índice Dow Jones fechou em queda de 1,58%, em 24.361,45 pontos, o Nasdaq caiu 0,50%, a 7.396,59 pontos, e o S&P 500 teve baixa de 1,16%, a 2.689,86 pontos.

Na Itália, continua a haver dificuldade para se chegar a um governo, o que pode levar a eleições antecipadas. O temor dos mercados é que partidos populistas se fortaleçam, ameaçando a disciplina fiscal e mesmo a presença do país na zona do euro. Além disso, existe o medo de que, caso a crise italiana se agrave, ela possa se disseminar.

Foram também acompanhadas as divergências entre China e EUA. Mais cedo, a Casa Branca informou que a lista de importações chinesas que sofrerão tarifas será anunciada até 15 de junho. O Ministério de Comércio chinês, por sua vez, disse que a posição americana contraria um acordo alcançado entre os dois países e um porta-voz afirmou que Pequim pretende defender seus principais interesses. Há o risco de que tarifas e retaliações prejudiquem o comércio pelo mundo, tirando fôlego do Produto Interno Bruto (PIB) global.

Em Wall Street, papéis do setor financeiro foram os mais penalizados pela cautela, com o setor em queda de mais de 3%. Entre algumas companhias importantes dessa área, Citigroup teve baixa de 3,99%, Morgan Stanley cedeu 5,75% e Goldman Sachs, 3,40%. American Express teve queda de 3,34%.

Papéis do setor de energia também caíram, embora com menos força, em jornada sem sinal único para o petróleo em Londres e Nova York. ExxonMobil teve baixa de 0,37%, enquanto Chevron perdeu 0,65%.

No setor de tecnologia, Apple recuou 0,36% e Microsoft caiu também 0,36%, mas Twitter avançou 1,22%.

Entre outras ações em foco, HP fechou em queda de 0,90%, acompanhando o mau humor geral, mesmo após elevar sua projeção para todo o ano, após um resultado trimestral forte. Fonte: Dow Jones Newswires.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.