• BVSP 120.061,99 pts -0,7%
  • USD R$ 5,5692 +0,0000
  • EUR R$ 6,6872 -0,0145
  • ABEV3 R$ 15,7 -0,19%
  • BBAS3 R$ 30,12 +1,69%
  • BBDC4 R$ 23,26 -1,52%
  • BRFS3 R$ 23,9 +0,13%
  • BRKM3 R$ 51,9 -1,69%
  • BRML3 R$ 9,82 +0,00%
  • BTOW3 R$ 65,89 -2,53%
  • CSAN3 R$ 92,46 +2,80%
  • ELET3 R$ 35,4 +1,03%
  • EMBR3 R$ 15,08 -2,27%
  • Petróleo US$ 66,40 +0,14%
  • Ouro US$ 1.782,40 +0,18%
  • Prata US$ 26,05 +0,68%
  • Platina US$ 1.198,00 +0,71%

Bolsa encerra série de quedas e tem primeira alta em sete pregões

Em movimento de recuperação, Ibovespa sobe 1,58% e volta aos 117 mil pontos

São Paulo - Em um sinal de alívio, a bolsa brasileira voltou a registrar alta, após seis pregões consecutivos de queda. Nesta segunda-feira (13), o Ibovespa subiu 1,58% e encerrou em 117.325,28 pontos. A recuperação, no entanto, chegou com certo atraso. Na última semana, a distensão da relação Estados Unidos-Irã já havia puxado para cima índices internacionais - o americano S&P 500, inclusive, chegou a bater recorde -, mas, aqui, a bolsa caiu 1,87%.

Nesta semana, os negócios na Bolsa tendem a ir melhor tendo no radar a assinatura da primeira fase do acordo comercial entre China e Estados Unidos, marcada para quarta-feira (15). “Essa questão da guerra comercial não tem como ficar totalmente precificada. Dessa vez, parece que vai [assinar], mas tem sempre o risco”, disse Henrique Esteter, analista da Guide Investimentos. Segundo ele, o otimismo sobre o IBC-Br de novembro também pode ajudar o mercado. Conhecido como prévia do PIB (Produto Interno Bruto), o dado econômico será divulgado na quinta-feira (16).

Com as expectativas de que os dados voltem a mostrar a economia interna sendo puxada pelo consumo, Esteter disse que alguns investidores se anteciparam comprando ações de varejistas. No pregão desta segunda-feira, o setor apresentou fortes valorizações, com os papéis da Magazine Luiza, B2W, Renner e Arezzo subindo 4,69%, 3,58%, 2,17% e 3,19%, respectivamente. Já as ações da Via Varejo subiram 8,55% e lideraram as altas do Ibovespa.

Entre as empresas com maior peso no índice, o destaque foi a Vale que registrou valorização de 3,64% na Bolsa e teve grande contribuição para pôr fim à sequência de baixas. “O minério de ferro subiu 2,14% e ajudou a valorizar os papéis da mineradora”, disse Pedro Galdi, analista da Mirae Asset. Atualmente, o papel da Vale (VALE3) é o que possui maior participação no Ibovespa, ocupando 8,261% da carteira. 

Apesar da maior representatividade da Vale, o setor como um todo teve bom desempenho, com as principais empresas se apreciando mais de 4% na Bolsa. Nesta segunda, as ações da CSN subiram 6,05%, enquanto a Gerdau e a Usiminas tiveram respectivas altas de 4,73% e 4,38%. 

Além da valorização da commodity, Luis Sales, analista da Guide Investimentos, atribui à balança comercial a forte valorização das siderúrgicas. Nesta segunda, a Secretaria de Comércio Exterior, ligada ao Ministério da Economia, mostrou que nas duas primeiras semanas de janeiro, o Brasil exportou 519 mil toneladas de aço - quantia classificada como “robusta” pelo analista. "Na média dos últimos meses completos a exportação de aço é na casa das 700 mil toneladas. Então a gente já vê um volume de 80% do que foi exportado nos últimos meses - isso demonstra que está um cenário aparentemente positivo", disse.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.