• BVSP 120.700,67 pts +0,3%
  • USD R$ 5,6165 -0,0001
  • EUR R$ 6,7147 -0,0079
  • ABEV3 R$ 15,78 -0,19%
  • BBAS3 R$ 29,6 +0,00%
  • BBDC4 R$ 25,86 +0,23%
  • BRFS3 R$ 24,25 -0,08%
  • BRKM3 R$ 48,4 +3,29%
  • BRML3 R$ 9,78 +0,72%
  • BTOW3 R$ 67,9 +1,24%
  • CSAN3 R$ 90,9 +0,82%
  • ELET3 R$ 34,19 -0,55%
  • EMBR3 R$ 15,85 -1,80%
  • Petróleo US$ 67,01 +0,30%
  • Ouro US$ 1.762,80 -0,23%
  • Prata US$ 25,88 -0,19%
  • Platina US$ 1.200,20 +0,25%

Bolsa fecha em alta e renova máxima em semana marcada por Vale e Fed

No acumulado da semana, Ibovespa registrou queda de 0,19%, mas nesta seta-feira (1), bolsa paulista subiu 0,48%

O Ibovespa fechou em alta nesta sexta-feira, batendo nova máxima de fechamento em sessão sem tendência firme, encerrando uma semana marcada pelo tombo histórico das ações da Vale e perspectivas de pausa no processo de alta de juros nos EUA.

Referência do mercado acionário brasileiro, o Ibovespa subiu 0,48 por cento, a 97.861,27 pontos, após oscilar da mínima de 96.990,33 pontos à máxima de 98.043,90 pontos. O giro financeiro da sessão somou 14 bilhões de reais.

Na semana, o Ibovespa contabilizou acréscimo de 0,19 por cento, no sexto desempenho semanal positivo.

Dados de emprego dos Estados Unidos estiveram no radar na primeira etapa dos negócios, mas não mudaram o prognóstico sobre o juro norte-americano, após sinalização 'dovish' mais contundente do Federal Reserve mais cedo na semana.

O pregão também foi marcado pela expectativa para a eleição para as presidências da Câmara dos Deputados e do Senado, e o potencial efeito no andamento da agenda econômica do governo.

A primeira sessão de fevereiro ainda refletiu ajustes em portfólios recomendados para o mês, com estrategistas ainda enxergando espaço para novas altas, mas sem descartar um eventual 'respiro', após o desempenho acumulado no ano.

"O mercado já antecipou parte da melhora do cenário no Brasil, e fevereiro pode trazer volatilidade", afirmou a equipe da XP Investimentos.

Destaque

- VALE subiu 1,65 por cento, na rotina volátil após rompimento de barragem da companhia deixar mais de 100 mortos até o momento e centenas de desaparecidos. Na semana, contudo, acumulou declínio de 17,6 por cento, após despencar 24,5 por cento na segunda-feira.

- PETROBRAS PN fechou em alta de 0,86 por cento, conforme os preços do petróleo se firmaram em alta no exterior.

- ITAÚ UNBANCO PN subiu 0,13 por cento antes do balanço previsto para a segunda-feira, enquanto BRADESCO PN perdeu 1,24 por cento, após forte ganho na véspera. BANCO DO BRASIL avançou 0,48 por cento e SANTANDER BRASIL subiu 1,4 por cento.

- MARFRIG avançou 5,26 por cento, tendo de pano de fundo a melhora na recomendação para 'market perform' pelo Itaú BBA, mas o preço-alvo foi mantido em 7 reais por ação.

- AMBEV fechou com elevação de 3,43 por cento, também entre as maiores altas, recuperando-se da queda de 2,56 por cento na véspera.

- B2W recuou 3,84 por cento, após fechar janeiro com ganho acumulado de 3,9 por cento. LOJAS AMERICANAS caiu 2,37 por cento.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.