• BVSP 120.700,67 pts +0,3%
  • USD R$ 5,6162 -0,0004
  • EUR R$ 6,7150 -0,0076
  • ABEV3 R$ 15,78 -0,19%
  • BBAS3 R$ 29,6 +0,00%
  • BBDC4 R$ 25,86 +0,23%
  • BRFS3 R$ 24,25 -0,08%
  • BRKM3 R$ 48,4 +3,29%
  • BRML3 R$ 9,78 +0,72%
  • BTOW3 R$ 67,9 +1,24%
  • CSAN3 R$ 90,9 +0,82%
  • ELET3 R$ 34,19 -0,55%
  • EMBR3 R$ 15,85 -1,80%
  • Petróleo US$ 66,92 +0,16%
  • Ouro US$ 1.764,40 -0,14%
  • Prata US$ 25,90 -0,12%
  • Platina US$ 1.200,60 +0,28%

Bolsa opera em queda com bancos contrabalançando o cenário exterior

Às 14:32, o Ibovespa caía -0,35%,  a 116.026,09 pontos.

São Paulo — A bolsa paulista não mostrava uma direção firme nesta quinta-feira, com o declínio dos bancos contrabalançando o efeito positivo do exterior por conta da dissipação de preocupações sobre uma eventual escalada da tensão entre Estados Unidos e Irã e expectativa para a assinatura de acordo comercial entre Washington e Pequim.

Às 14:32, o Ibovespa caía -0,35%,  a 116.026,09 pontos. O volume financeiro somava 5,7 bilhões de reais.

De acordo com agentes de mercado, sinalizações de autoridades dos EUA e do Irã no sentido de abrandar as relações entre os dois países, pelo menos do ponto de vista militar, traziam alívios aos negócios, principalmente o discurso do presidente Donald Trump, na véspera.

"Tanto o ataque com mísseis do Irã quanto as declarações subsequentes do governo dos EUA apoiam o pensamento de que os oponentes têm pouco interesse em uma escalada militar completa", destacou Norbert Rücker, chefe de economia e pesquisa de próxima geração do banco Julius Baer, em nota.

A equipe da Ágora Investimentos também afirmou que a expectativa pelo encontro entre norte-americanos e chineses para a assinatura do acordo comercial preliminar, no próximo dia 15, favorecia os ativos.

O Ministério do Comércio chinês comunicou nesta quinta-feira que vice-primeiro-ministro da China, Liu He, chefe da equipe de negociação do país na disputa comercial com os EUA, assinará a fase 1 do acordo em Washington na próxima semana. Liu visitará Washington entre 13 e 15 de janeiro.

Agentes de mercado, contudo, têm atribuído a falta de fôlego das ações brasileiras a um processo de acomodação e realização de lucros após a forte valorização no mês de dezembro, em meio à ausência de catalisadores domésticos e também preparação para ofertas de ações no curto prazo, entre elas a da Petrobras.

Após a forte alta de 2 de janeiro, quando renovou recorde de fechamento, a 118.573,10 pontos, o Ibovespa fechou no vermelho em todos os pregões até a véspera.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.