Bitcoin acumula queda de 36% na semana com coronavírus

Em meio a esse cenário de vendas generalizadas, a corretora Binance impediu que os clientes sacassem etherium (ETH) da plataforma

São Paulo – Apesar de o bitcoin ter chegado a subir 20% nesta sexta-feira (13), a criptomoeda inverteu o movimento e, por volta de 16h30, caía 16,07% para 5.107,82 dólares. Com essa queda, acumula até o momento perda de 36% na semana, de acordo com dados da Coindesk.

Esse percentual elevado reflete principalmente a queda de ontem, quando o bitcoin sofreu a pior perda diária em quase sete anos pelo pânico em torno da disseminação da pandemia de coronavírus. “Muitas pessoas resgataram para fazer caixa”, afirma Safiri Félix, diretor-executivo da Associação Brasileira de Criptoeconomia.

Mas não apenas. O executivo explica que, no momento que o bitcoin encostou em 6.000 dólares, o gatilho de venda de inúmeros investidores foi acionado. O problema é que muitos deles operam alavancados, em até 100 vezes. Isso somado à pouca demanda naquele momento por bitcoin fez com que o preço da criptomoeda desabasse em alguns minutos para 4.000 dólares. Ao que tudo indica, foi o que aconteceu com clientes alavancados ontem da corretora brasileira Atlas Quantum. Procurada, a empresa ainda não se pronunciou.

“Mas com a mesma rapidez que o bitcoin cai ele pode voltar a subir”, conta Félix. “O ponto é que todos os ativos de risco estão sofrendo nesse momento com o avanço do coronavírus. Não dá para dizer que o bitcoin é um porto seguro.”

Fabrício Tota, diretor de mercados do Mercado Bitcoin, lembra que a criptomoeda foi criada para ser uma solução de pagamento, depois foi vista como reserva de valor e mais recentemente como um ativo não-correlacionado. “Nenhuma dessas teses foi totalmente invalidada, e hoje funciona como um ponto de diversificação de portfólio de investimentos”, diz.

De fato, ao analisar o comportamento do bitcoin em reais, o que se vê é uma queda no ano de 9,86% ante um recuo de 27% do principal índice da bolsa, Ibovespa. “É claro que muito disso é por causa do dólar”, lembra Tota.

Para Tota, o momento é de rever carteira de investimentos. “No momento de euforia com a Bolsa, víamos pessoas falando que a era da renda fixa tinha chegado ao fim. Isso mostra que é importante ter uma carteira diversa.”

Félix concorda. “É hora de aprofundar os conhecimentos sobre as criptomoedas e analisar como elas se comportam em diferentes cenários. O bitcoin, por exemplo, tende a se beneficiar quando há choque no câmbio.”

Caso Binance

Em meio a esse cenário de vendas generalizadas, a Binance, uma das maiores corretoras (exchange) do mundo, chegou a impedir que os clientes sacassem a criptomoeda ether (ETH) da plataforma.

Antes de liberar a operação, anunciou que ia dobrar a taxa de saque, provocando revolta nos investidores. “Para facilitar os saques de ETH nesse período de congestionamento de rede, estamos fazendo esse ajuste temporariamente”, anunciou a corretora.

Procurada, a empresa não retornou ainda o contato da EXAME.

 

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 15,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 44,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa quinzenal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Atenção! A sua revista EXAME deixa de ser quinzenal a partir da próxima edição. Produziremos uma tiragem mensal. Clique aqui para saber mais detalhes.