• BVSP 117.669,90 -0,5%
  • USD 5,6827 +0,0019
  • EUR 6,7545 -0,0071
  • ABEV3 15,43 -0,13%
  • BBAS3 29,27 +0,55%
  • BBDC4 25,25 +0,04%
  • BRFS3 23,91 -1,97%
  • BRKM3 43,57 -0,98%
  • BRML3 9,95 +1,95%
  • BTOW3 62,7 -0,85%
  • CSAN3 89,25 -0,45%
  • ELET3 35,45 -1,50%
  • EMBR3 16,02 -0,37%
  • Petróleo 62,66 -0,46%
  • Ouro 1.742,00 -0,16%
  • Prata 25,24 -0,36%
  • Platina 1.200,00 -0,77%

As 10 empresas da Bolsa que têm mais mulheres na liderança

Magalu, Santander e TIM estão entre as companhias com maior número de mulheres no conselho de administração

A ampliação da presença feminina em conselhos de administração garantiu destaque a dez empresas de capital aberto na B3, segundo levantamento exclusivo da Teva Indices, divulgado em parceria com a Easynvest. De acordo com o estudo, cinco delas possuem três mulheres no board: Magalu, Santander, TIM, Natura e Telefônica.

As outras cinco empresas têm duas mulheres na mesma posição, e incluem Vale, Suzano, Lojas Renner, Engie Brasil e a própria B3.

O ranking adotou como critério uma capitalização mínima de R$ 300 milhões, com base em dados divulgados pelas companhias até 31 de agosto. A pesquisa exclui empresas em recuperação judicial ou extrajudicial, que não tenham ao menos 1% de suas ações em circulação free float.

Em termos proporcionais, as empresas com maior protagonismo feminino nos conselhos são

  • Magalu (43%)
  • Santander (33%)
  • TIM (30%)
  • Telefônica (25%)
  • Natura (25%)
  • Renner (25%)
  • Engie (22%)
  • Suzano (20%)
  • B3 (18%)
  • Vale (15%).

Apesar de o Banco BMG ter 50% de mulheres no conselho, que é composto por 8 assentos, foram disponibilizadas as 10 maiores empresas ordenadas por capitalização de mercado. Por esse critério de ordenação, o Banco BMG aparece na posição 38. Na ordenação por “percentual do conselho ocupado por mulheres” o Banco BMG aparece em primeiro lugar, mas essa lista não foi disponibilizada.

Os resultados evidenciam companhias que têm dado espaço à equidade de gênero no mercado de trabalho, mas indica um longo caminho a ser percorrido, avalia Iris Sayuri, gerente de produto da Easynvest. "Os números reforçam empresas com bons exemplos, mas o cenário ainda é muito desigual para elas. Se pensarmos em CEOs, menos de 4% são mulheres ao olhar para as companhias de capital aberto", justifica.

Para o CEO da Teva Indices, Gabriel Verea, o levantamento indica a importância de medir quantitativamente determinados objetivos. "Observamos que a disparidade da representatividade feminina nos conselhos de administração ainda é grande. Chamar a atenção para esses números deixa claro a urgência em promover essa mudança", diz.

Os dados produzidos pela empresa utilizam as mesmas ferramentas e rigor para elaborar índices financeiros sobre ESG (abreviação, em inglês, de Environmental, Social and Governance, ou, em português, Ambiental, Social e Governança Corporativa), e que incluem, portanto, assuntos relacionados a gênero. A Teva Indices é a única a medir quantitativamente a presença de todas as mulheres em conselhos de administração de empresas brasileiras.

 

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.