• BVSP 118.811,74 pts +1,0%
  • USD R$ 5,7336 -0,0001
  • EUR R$ 6,8238 -0,0066
  • ABEV3 R$ 15,57 +1,37%
  • BBAS3 R$ 29,49 +1,03%
  • BBDC4 R$ 25,63 +1,71%
  • BRFS3 R$ 24,48 +2,00%
  • BRKM3 R$ 46,83 +7,98%
  • BRML3 R$ 9,82 -1,21%
  • BTOW3 R$ 63,1 +0,73%
  • CSAN3 R$ 89,85 +0,74%
  • ELET3 R$ 34,76 -1,95%
  • EMBR3 R$ 16 +0,25%
  • Petróleo US$ 63,34 +0,24%
  • Ouro US$ 1.729,50 -0,18%
  • Prata US$ 24,75 -0,34%
  • Platina US$ 1.168,10 -0,58%

Aéreas e Via Varejo caem mais de 5%; só 10 das 77 ações do Ibovespa sobem

Taesa lidera ganhos do índice, com alta de mais de 3%, após anúncio de dividendos e balanço

Com o fim do efeito vacina no mercado, nesta quinta-feira, 12, investidores voltam a repercutir o aumento dos casos de coronavírus na Europa e nos Estados Unidos, onde o número de novas infecções está em patamares recordes. Além disso, comentários do presidente do Federal Reserve, Jerome Powell, com alerta sobre o impacto de uma segunda onda de Covid-19, ajudam a dar o tom de cautela no dia. O Ibovespa fechou em queda de 2,2%, cotado em 102.507 pontos, depois de ter caído mais de 2,6% na mínima do dia. Em meio à aversão ao risco, apenas 10 das 77 ações do índice subiram, com Taesa (TAEE11) puxando os ganhos após anúncio de dividendos e balanço. Do outro lado, as aéreas Azul (AZUL4) e Gol (GOLL4), impactadas por temores de nova onda de Covid-19, e Via Varejo (VVAR3) lideraram as perdas.

Quer saber qual o setor mais quente da bolsa no meio deste vaivém? Assine a EXAME Research

Taesa

Liderando os ganhos do Ibovespa, as units da Taesa (TAEE11) avançaram 3,10%, sendo cotadas a 31,57 reais, indo para seu maior patamar histórico na Bolsa, em meio ao anúncio de dividendos de 1,36 real por unit no fim do mês e balanço do terceiro trimestre. A empresa viu seu lucro líquido avançar em 77% para 631,9 milhões de reais, enquanto a receita líquida operacional atingiu 941,2 milhões de reais, crescimento de 57%.

Segundo Bruno Lima, analista da Exame Research, o resultado veio relativamente bom, mas a grande questão mesmo foi o anúncio dos proventos, com índices bastante elevados. O valor representa um retorno por ação, ou dividend yield (que é dado pela divisão dos dividendos pelo preço atual da ação) de 4,5% no trimestre.

A unit da Taesa faz parte da carteira Exame Dividendos de novembro, assinada por Lima. Após os números, o analista reafirmou a posição no portfólio.

Aéreas

Do outro lado, com o retorno do temor de uma nova onda de coronavírus e receio de mais restrições que desacelerem a economia, as ações das aéreas, que emplacaram forte rali nos últimos dias, afundaram, liderando as perdas do Ibovespa. Azul (AZUL4) e Gol (GOLL4) caíram 6,38% e 5,92%, respectivamente, seguindo o movimento de baixa de outras companhias aéreas no exterior.

Apesar do mau humor, a Azul teve nesta tarde seu rating elevado pela Fitch, de CCC para CCC+. Segundo a agência de classificação de risco, a revisão ocorre por conta de melhora na posição financeira após a bem-sucedida emissão de debêntures conversíveis no valor de 1,7 bilhão de reais. A mudança incorpora também tráfego aéreo melhor do que o esperado no mercado doméstico e menor queima de caixa durante a pandemia, diz a Fitch, em relatório.

Via Varejo

Na sequência, os papéis da Via Varejo (VVAR3) recuaram 5,73%, figurando como a terceira maior baixa do Ibovespa, mesmo após o lucro de 590 milhões de reais registrado no terceiro trimestre ter superado as estimativas do mercado, que espera algo por volta  de 70 milhões de reais. No trimestre, a receita bruta com as vendas online cresceu 278% na comparação anual.

Segundo analistas do Credit Suisse, o resultado veio forte, mas já eram amplamente antecipados pelo mercado. Ainda assim, destacaram que a companhia parece preparada para a alta demanda do quarto trimestre, tendo aumentado seu estoque em 7,0 bilhões de reais, sendo um ponto positivo já que era algo que preocupava os investidores (falta de estoque), comentam. Eles ressaltaram também que, mesmo tendo começado mais tarde na corrida versus os players de e-commerce, a companhia conseguiu apresentar seu quarto trimestre de resultados sólidos, "conquista do foco da gestão em vendas e rentabilidade". Segundo eles, a combinação desse esforço na execução e o nível de valuation, com grande desconto frente aos pares, fizeram eles manter a recomendação do papel em outperform, equivalente a compra.

3R Petroleum

Depois de superarem 5% de alta nos primeiros minutos de pregão, as ações da da 3R Petroleum (RRRP3) fecharam em leve alta de 0,4% em seu primeiro dia de negociação na B3. Na oferta inicial de ações (IPO, na sigla em inglês), o papel saiu por 21 reais, abaixo da faixa indicativa entre 24,50 reais e 31,50 reais.

Petrobras

Depois de suas ações se valorizarem mais de 15% na esteira da vacina, os investidores voltaram a realizar lucros, puxadas pela queda dos preços do petróleo no exterior. As ações ordinárias da Petrobras (PETR3) recuaram 4,11% e as preferenciais (PETR4), 4,24%. Devido à sua participação no índice, a companhia foi a que exerceu a maior pressão negativa sobre o Ibovespa.

JBS

As ações da JBS (JBSS3) caíram 0,47%, após a empresa apresentar lucro de 3,13 bilhão de reais no terceiro trimestre, enquanto o mercado esperava lucro de 2,58 bilhão de reais. Em relação ao ano passado, o resultado foi cerca de nove vezes superior. A receita líquida da companhia cresceu 34% para 70,08 bilhões de reais. A empresa também informou em videoconferência que vem trabalhando para uma listagem no mercado americano.

B2W

Após cair mais de 8% no início da semana, as ações da B2W (BTOW3), braço digital das Lojas Americanas, seguiram em movimento de recuperação, subindo 1,51%. Os papéis das Lojas Americanas (LAME4), por sua vez, recuaram 2,01%.

Rumo

As ações da Rumo (RAIL3) afundaram 5,19% após seu resultado ter frustrado as expectativas de investidores. Cerca de 100 milhões de reais abaixo do esperado, o lucro da companhia ficou em 171 milhões de reais no terceiro trimestre.

Para analistas do Credit Suisse, no entanto, o resultado veio bom, melhor do que esperavam, mas não superaram o consenso do mercado, "que parecia excessivamente otimista".

De maneira geral, eles comentaram que a companhia continua a ser desafiada por pressões competitivas, mas os resultados tem melhorado sequencialmente. "A duvida é se isso é o início de uma tendência de recuperação ou apenas o efeito da migraçao da safra de soja para milho". Segundo eles, ficou claro a partir do segundo trimestre deste ano que a empresa não vai conseguir atingir a banda mais baixa do guidance de EBITDA para 2020, assim como o guidance de 2023, que parece desafidor. No entanto, por outro lado, eles acreditam que a pressão competitiva de curto prazo deve diminuir uma vez que os preços do diesel se recuperam e os custos de frete na BR-163 aumentarem com o pedágio.

Eletrobras

Também com resultados piores do que o esperado, as ações da Eletrobras (ELET3 e ELET6) caíram 5,18% e 4,10%, respectivamente.  Com queda de 88% em relação ao mesmo período do ano passado, o lucro da companhia ficou em 88 milhões de reais. A expectativa era de que a empresa desse 1,06 bilhão de reais de lucro.

CCR 

A CCR (CCRO3) caiu 5,72%, figurando como a quarta maior queda do Ibovespa, após receita e lucro frustrarem expectativas do mercado. A companhia viu seu lucro líquido cair 65% no terceiro trimestre, na comparação anual, para 118,3 milhões de reais. O número ficou abaixo do consenso da Bloomberg de 238,5 milhões de reais. A receita líquida recuou 7,5%, para 2,23 bilhões de reais, também abaixo do consenso de 2,38 milhões de reais.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.