• BVSP 119.297,13 pts +0,4%
  • USD R$ 5,7174 -0,0010
  • EUR R$ 6,8373 +0,0015
  • ABEV3 R$ 15,65 +0,90%
  • BBAS3 R$ 29,54 -0,03%
  • BBDC4 R$ 25,55 -0,66%
  • BRFS3 R$ 24,5 +0,08%
  • BRKM3 R$ 47,05 +0,62%
  • BRML3 R$ 9,86 +0,51%
  • BTOW3 R$ 69 +9,00%
  • CSAN3 R$ 89,94 -0,07%
  • ELET3 R$ 34,78 +0,12%
  • EMBR3 R$ 15,77 -1,74%
  • Petróleo US$ 64,10 +0,20%
  • Ouro US$ 1.744,10 -0,12%
  • Prata US$ 25,44 +0,14%
  • Platina US$ 1.168,30 +0,79%

Ações da Vale têm máximas desde Brumadinho

O conselho de administração da empresa aprovou na véspera juros sobre capital próprio no valor de R$ 7,25 bilhões

As ações da mineradora Vale atingiram nesta sexta-feira uma máxima desde o rompimento de uma de suas barragens em Brumadinho, em 25 de janeiro, após o conselho de administração da empresa ter aprovado na véspera juros sobre capital próprio (JCP) no valor de 7,25 bilhões de reais, ou 1,414 real por ação.

Às 16:22, as ações da companhia operavam em alta de 1,3%, a 54,70 reais. Mais cedo na sessão, os papeis atingiram 54,99 reais por ação, máxima desde o desastre de Brumadinho, em Minas Gerais, que deixou mais de 255 mortos.

A empresa ressaltou, no entanto, que a aprovação dos juros sobre capital próprio, um tipo de distribuição de recursos aos acionistas, "não modifica a decisão do Conselho de Administração de suspender a política de remuneração ao acionista", de acordo com a ata, divulgada na quinta-feira.

A mineradora decidiu suspender pagamentos de dividendos e remuneração aos acionistas em 28 de janeiro, após o colapso da barragem. Bônus para executivos também foram suspensos.

Questionada pela Reuters nesta sexta-feira sobre o motivo da aprovação, apesar da suspensão de pagamentos, a empresa afirmou que "a declaração foi feita com base no dever fiduciário de aproveitamento fiscal, dado que o fato gerador deveria ocorrer ainda em 2019".

"O pagamento só poderá ocorrer após o restabelecimento da Política de Remuneração aos Acionistas", disse a empresa.

Apenas no caso de obter um resultado positivo no balanço financeiro de 2019, a companhia deverá pagar 25% do lucro líquido como dividendo obrigatório, conforme prevê seu estatuto, explicou a Vale, acrescentando que o resultado financeiro só será apurado em fevereiro.

A Vale pontuou também que ainda não há uma previsão para retornar a ter uma política de remuneração aos acionistas acima do mínimo obrigatório.

"Estamos focados na reparação das consequências do rompimento da barragem em Brumadinho", frisou a companhia.

As ações da Vale estão agora a pouco mais de 1 real da cotação de fechamento na véspera do desastre de Brumadinho, quando alcançaram 56,15 reais.

Os papéis da mineradora brasileira acumulam alta de cerca de 16% nos últimos 24 dias. No ano, as ações têm ganho acumulado de 7,5%.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.