Ação da Stone sobe 12% na Nasdaq após lucro disparar

Papel chegou a ser negociado acima de 38 dólares após empresa anunciar um crescimento de mais de 100% no lucro

Pouco mais de um ano após seu IPO em Nova York, a processadora de pagamentos Stone deu mais um passo à frente na chamada guerra das maquininhas, ao mesmo tempo em que uma de suas maiores concorrentes, a Pagseguro, não vem agradando os investidores.

As ações da companhia (STNE) listadas na Nasdaq chegaram a subir 12% na manhã desta sexta-feira (22), negociadas acima de 38 dólares – após ter anunciado um lucro líquido de 191,3 milhões de reais no terceiro trimestre, resultado 111% maior que em igual intervalo do ano passado.

Dois dias atrás, a Pagseguro chegou a recuar 13,5% em Nova York, negociada a 31,80 dólares, após divulgar resultados nada animadores do terceiro trimestre. A empresa apresentou um lucro abaixo das expectativas do mercado, de 390 milhões de reais, pressionado por despesas maiores com marketing e pessoal.

Em um segmento fortemente disputado – com rivais como Cielo, Rede, PagSeguro e Mercado Pago – a Stone apresentou uma expansão na receita de 62,1% sobre o mesmo período do ano passado, totalizando 671,1 milhões de reais. No mesmo período, a base de clientes ativos da empresa cresceu 82,8%, para 428,9 mil. A Stone apurou margem líquida de 28,5%, um aumento de 6,7 pontos percentuais.

O BTG Pactual destacou que o resultado do terceiro trimestre veio como um “belo presente de aniversário”, referindo-se ao primeiro ano da abertura de capital. “No geral, foi um ótimo conjunto de números no terceiro trimestre, o que nos deixa mais confiantes no investimento”, escreveram os analistas Eduardo Rosman, Thomas Peredo e Thiago Kapulskis em relatório.

Mesmo reiterando que o papel permanece entre as recomendações do banco no segmento de meios de pagamento, a equipe do BTG pondera que a ação da Stone não está barata após ter tido uma valorização de 86% desde o início do ano.

Apoie a Exame, por favor desabilite seu Adblock.