• BVSP 118.412,32 +0,6%
  • USD 5,7261 +0,0453
  • EUR 6,8179 +0,0563
  • ABEV3 15,51 +0,98%
  • BBAS3 29,28 +0,31%
  • BBDC4 25,4 +0,79%
  • BRFS3 24,43 +1,79%
  • BRKM3 46,5 +7,22%
  • BRML3 9,84 -1,01%
  • BTOW3 62,96 +0,51%
  • CSAN3 89,8 +0,68%
  • ELET3 34,78 -1,89%
  • EMBR3 15,95 -0,06%
  • Petróleo 63,16 +0,33%
  • Ouro 1.729,00 -0,91%
  • Prata 24,77 -2,19%
  • Platina 1.173,50 -2,96%

Rio Bravo esclarece multa no fundo Shopping Higienópolis

Em comunicado ao mercado, administradora do fundo que detém 25% do shopping explica como a multa afetaria os cotistas

São Paulo – A Rio Bravo, administradora do Fundo Imobiliário Shopping Pátio Higienópolis, detentor de 25% do shopping paulistano, publicou um comunicado ao mercado nesta quinta-feira, pronunciando-se sobre a multa de 1,5 milhão de reais aplicada pela Prefeitura de São Paulo na semana passada, bem como o impacto desse custo para seus cotistas. O motivo da punição da prefeitura foi a não comprovação de 470 vagas de estacionamento extras pelo centro de compras. Entenda o caso.

Segundo o comunicado, a Rio Bravo só tomou conhecimento dos fatos por meio de reportagens veiculadas na imprensa no final da última semana e está “envidando os melhores esforços, por meio das apurações e diligências que entende como necessárias, no sentido de buscar os devidos esclarecimentos”. Porém, no atual momento, a administradora diz não ser possível “determinar a procedência das alegações veiculadas na mídia”.

Quanto à multa, a Rio Bravo esclarece, no comunicado, que mesmo que ela tenha realmente de ser paga, o impacto estimado com base nos rendimentos mensais distribuídos pelo fundo, nos últimos doze meses, representará 1,9%. “Todavia, devido à existência de reserva de caixa no Fundo, o fluxo de distribuição de rendimentos aos cotistas do Fundo não sofrerá impacto imediato”, diz o texto.

O comunicado informa ainda que, nesta quarta-feira (20), a Rio Bravo recebeu um ofício da Comissão de Valores Mobiliários (CVM) solicitando novos e adicionais esclarecimentos. O comunicado, divulgado no site da BM&FBovespa, pode ser acessado na íntegra aqui.

Foi aberto um processo para esclarecer se o contrato para as vagas de estacionamento extras é verdadeiro, em função de uma denúncia de que o shopping teria pago propina para que a prefeitura aceitasse o documento em 2009. Além da multa de 1,5 milhão de reais aplicada ao shopping por este caso, o local poderá ter seu alvará cassado em menos de duas semanas caso não esclareça outra irregularidade envolvendo a empresa que administra o estacionamento. A empresa em questão já foi multada em 300.000 reais.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.