Mercado imobiliário
Acompanhe:

Loft entra no mercado de compra e venda de casas

A operação teve início neste mês em Porto Alegre, São Paulo, ABC Paulista e Rio de Janeiro, como um projeto piloto

Loft: as casas respondem por cerca de 30% do portfólio das imobiliárias que operam nas cidades onde a startup atua (Loft/Divulgação)

Loft: as casas respondem por cerca de 30% do portfólio das imobiliárias que operam nas cidades onde a startup atua (Loft/Divulgação)

Karla Mamona
Karla Mamona

22 de setembro de 2022, 19h13

A startup Loft anunciou nesta quinta-feira, 22, que começou a atuar no mercado de compra e venda de casas. Até então, a empresa ofertava apenas apartamentos. A operação teve início neste mês em Porto Alegre, São Paulo, ABC Paulista e Rio de Janeiro, como um projeto piloto, e será expandida gradualmente para as demais cidades onde a empresa opera no próximo trimestre.

Nas localidades escolhidas para a estreia no novo mercado, a Loft mantém parcerias com imobiliárias, como Mirantte, Zimmermann e Neon, em São Paulo, Foxter e Auxiliadora Predial, no Rio Grande do Sul, e Real Up Imóveis, no Rio de Janeiro. A previsão é que outras imobiliárias parceiras da startup também começarão a anunciar seu portfólio de casas na plataforma da proptech.

Marcel Regis, Chief Operating Officer do Grupo Loft, explica que a compra e venda de casas tem suas particularidades, como a gestão das chaves. “Não é possível deixar as chaves na portaria do prédio, por exemplo.” Dessa maneira, a operação foi estruturada com parceiros autorizados pelos proprietários a abrir as casas e realizar visitas. “O que torna esse processo mais simples e rápido de escalar”, complementa.

Segundo a Loft, as casas respondem por cerca de 30% do portfólio das imobiliárias que operam nas cidades onde a startup atua, o que ajudará a ampliar a oferta de imóveis na plataforma da empresa e as chances de “casamento” entre um vendedor e um comprador.

Com a venda de casas, a projeção é que o número de propriedades listadas na plataforma da Loft passe dos atuais 80 mil para mais de 110 mil até o fim deste ano.

“É um movimento que atende dois públicos: clientes finais e parceiros. As pessoas interessadas em adquirir um imóvel encontram o melhor portfólio em um único site. Já as imobiliárias parceiras ganham um canal de vendas que atende por completo suas necessidades no mercado residencial”, acrescenta Regis.

Últimas Notícias

ver mais
Fundos imobiliários: quais bairros de São Paulo são os mais procurados
seloMercado imobiliário

Fundos imobiliários: quais bairros de São Paulo são os mais procurados

Há menos de um minuto • 1 min de leitura
Novo plano Diretor mira frear 'boom' de apartamentos compactos
seloMercado imobiliário

Novo plano Diretor mira frear 'boom' de apartamentos compactos

Há menos de um minuto • 1 min de leitura
Preço do aluguel em São Paulo sobe 15,5% em 2022, diz levantamento do QuintoAndar
seloMercado imobiliário

Preço do aluguel em São Paulo sobe 15,5% em 2022, diz levantamento do QuintoAndar

Há menos de um minuto • 1 min de leitura
Não é Rio, nem SP: qual capital tem o preço de imóvel mais alto do país?
seloMercado imobiliário

Não é Rio, nem SP: qual capital tem o preço de imóvel mais alto do país?

Há menos de um minuto • 1 min de leitura
icon

Brands

ver mais

Uma palavra dos nossos parceiros

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

leia mais