• BVSP 103.913,20 pts +3,1%
  • USD R$ 5,6381 -0,0575
  • EUR R$ 6,3698 -0,0778
  • ABEV3 R$ 15,87 +0,06%
  • BBAS3 R$ 32,16 +2,75%
  • BBDC4 R$ 20,71 +4,52%
  • BRFS3 R$ 19,66 +2,18%
  • BRKM3 R$ 56,09 +6,27%
  • BRML3 R$ 7,9 +2,73%
  • CSAN3 R$ 21,98 +3,58%
  • ELET3 R$ 34,67 +5,86%
  • EMBR3 R$ 19,44 +6,23%
  • Petróleo US$ 70,16 +1,87%
  • Ouro US$ 1.764,50 -1,11%
  • Prata US$ 22,34 +0,00%
  • Platina US$ 930,70 -0,48%

Fundo Shopping Higienópolis ainda não se pronunciou sobre multas

Cotistas do fundo imobiliário negociado em Bolsa ainda não receberam posicionamento oficial sobre irregularidades e possível cassação de alvará

São Paulo – A Rio Bravo, administradora do Fundo de Investimento Imobiliário Shopping Pátio Higienópolis, diz estar apurando a veracidade dos fatos relatados em duas reportagens do jornal Folha de São Paulo, uma publicada na última quinta-feira e outra nesta terça-feira. Em função disso, a gestora ainda não vai se pronunciar a respeito. As reportagens falam de duas multas aplicadas em função de irregularidades envolvendo as vagas de estacionamento do shopping center paulistano. Os cotistas do fundo, que detém 25% do empreendimento e tem cotas negociadas em Bolsa, ainda não receberam nenhum comunicado oficial ao mercado.

A empresa que administra o estacionamento do shopping – a Ebel – acaba de ser multada em 300.000 reais, uma vez que o estacionamento não tem alvará para funcionar. O shopping já sabia da irregularidade desde janeiro de 2010, conforme mostram documentos internos. Caso não explique as irregularidades, o local pode ser interditado e ter seu alvará de funcionamento cassado em 15 dias, diz a reportagem da Folha desta terça-feira.

Na sexta-feira, outro processo já havia sido aberto para apurar se o contrato para vagas extras de garagem em locais próximos apresentado pelo shopping é verdadeiro. O centro de compras foi multado em 1,5 milhão de reais por não ter comprovado possuir 470 vagas extras. Uma ex-executiva da Brookfield Gestão de Empreendimentos (BGE), administradora do shopping destituída em janeiro, havia denunciado, na semana passada, que o empreendimento pagou 133.000 reais de propina para que a Prefeitura de São Paulo aceitasse contrato falso referente a essas vagas em 2009.

Embora ainda detenha 30% do shopping, a Brookfield foi destituída da administração no dia 23 de janeiro deste ano, “com o objetivo de buscar uma administração mais eficiente e menos onerosa”, diz o Fato Relevante publicado na ocasião. A empresa entrou com processo para invalidar a decisão, da qual não participou (por haver conflito de interesse, diz o Fato Relevante), mas teve indeferido em primeira e segunda instâncias o pedido liminar para permanecer como administradora até a prolação da sentença. A administração do shopping foi exercida interinamente pela síndica até a contratação da Companhia Administradora de Empreendimentos e Serviços, da JHSF, em 25 de maio deste ano. 

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.