• AALR3 R$ 20,15 -0.74
  • AAPL34 R$ 67,35 -0.01
  • ABCB4 R$ 16,54 -0.66
  • ABEV3 R$ 14,00 -0.92
  • AERI3 R$ 3,57 -1.11
  • AESB3 R$ 10,86 2.26
  • AGRO3 R$ 30,93 -0.58
  • ALPA4 R$ 21,43 2.88
  • ALSO3 R$ 19,02 0.05
  • ALUP11 R$ 27,10 -0.77
  • AMAR3 R$ 2,52 5.00
  • AMBP3 R$ 31,00 2.31
  • AMER3 R$ 21,89 -4.33
  • AMZO34 R$ 65,21 2.26
  • ANIM3 R$ 5,47 2.05
  • ARZZ3 R$ 79,20 -0.75
  • ASAI3 R$ 15,65 -1.57
  • AZUL4 R$ 20,07 -3.00
  • B3SA3 R$ 11,89 -1.08
  • BBAS3 R$ 37,43 -0.98
  • AALR3 R$ 20,15 -0.74
  • AAPL34 R$ 67,35 -0.01
  • ABCB4 R$ 16,54 -0.66
  • ABEV3 R$ 14,00 -0.92
  • AERI3 R$ 3,57 -1.11
  • AESB3 R$ 10,86 2.26
  • AGRO3 R$ 30,93 -0.58
  • ALPA4 R$ 21,43 2.88
  • ALSO3 R$ 19,02 0.05
  • ALUP11 R$ 27,10 -0.77
  • AMAR3 R$ 2,52 5.00
  • AMBP3 R$ 31,00 2.31
  • AMER3 R$ 21,89 -4.33
  • AMZO34 R$ 65,21 2.26
  • ANIM3 R$ 5,47 2.05
  • ARZZ3 R$ 79,20 -0.75
  • ASAI3 R$ 15,65 -1.57
  • AZUL4 R$ 20,07 -3.00
  • B3SA3 R$ 11,89 -1.08
  • BBAS3 R$ 37,43 -0.98
Abra sua conta no BTG

Crédito habitacional será recorde mesmo com juro alto, prevê Abecip

Entidade que reúne bancos e instituições do segmento prevê que o financiamento imobiliário alcançará o volume de R$ 260 bilhões neste ano
José Ramos Rocha Neto, novo presidente da Abecip (Divulgação/Abecip)
José Ramos Rocha Neto, novo presidente da Abecip (Divulgação/Abecip)
Por Karla MamonaPublicado em 19/02/2022 10:15 | Última atualização em 18/02/2022 21:21Tempo de Leitura: 4 min de leitura

A volta da taxa Selic ao patamar de dois dígitos não deve impedir a continuidade da expansão do crédito imobiliário no país. O diagnóstico é da Associação Brasileira das Entidades de Crédito Imobiliário e Poupança (Abecip), que prevê que o financiamento imobiliário alcance um volume recorde de 260 bilhões de reais até o fim de 2022.

No ano passado, o financiamento imobiliário chegou a 255 bilhões de reais. Frente a 2020, houve um crescimento de 46%. A perspectiva para 2022, portanto, é a de nova expansão, ainda que menos intensa.

“Teremos o segundo melhor ano da história. Em 2020 e 2021, tivemos um crescimento muito forte. Podemos dizer em que 2022 andaremos de lado, mas, mesmo assim, esperamos recordes em volume”, disse José Ramos Rocha Neto, novo presidente da Abecip, em entrevista à EXAME Invest.

O executivo foi eleito no fim do ano passado e permanecerá no cargo no próximo biênio 2022/2023.

Gostaria de aprender a investir em fundos imobiliários? Acesse aqui o curso gratuito da EXAME Academy em parceria com a B3

A perspectiva otimista da associação é baseada em uma série de fatores. Um deles é que as incorporadoras ainda estão no ciclo de crescimento e é esperado um número alto de entregas de imóveis até 2023.

De acordo com Rocha Neto, o número de ofertas será absorvido porque o estoque de imóveis no Brasil ainda está baixo. “Isso manterá a sustentação do crédito.” Somado a isso, ele aponta um problema que está longe de ser resolvido no país, que é o chamado déficit habitacional, estimado em cerca de 7 milhões de habitações.

Outro motivo que pode contribuir para manter o crédito em alta é o histórico de baixa inadimplência nas carteiras voltadas para o financiamento imobiliário, o que faz com os bancos mantenham a oferta. Segundo o executivo, isso se deve a segurança jurídica do produto com o instrumento da alienação fiduciária.

“Com o cenário de hipoteca, os bancos demoraram anos para retomar o imóvel. Hoje, com a alienação fiduciária, são cerca de sete meses [em caso de atraso nas prestações]. Isso traz uma segurança jurídica muito boa e dá espaço para taxas baixas e aumento da concorrência entre as instituições”, afirmou Rocha Neto.

Desafios

Apesar do cenário ainda favorável para o crédito habitacional, o executivo destacou alguns pontos que podem impactar o segmento de forma negativa. O primeiro é a desaceleração do PIB brasileiro: segundo a projeção da associação, haverá um crescimento de apenas 0,5%, bem abaixo da estimativa para 2021, que foi de alta de 4,5%.

Além disso, o aumento da taxa de desemprego e a inflação em alta podem impactar a contratação do crédito. “Quando os níveis de confiança dos consumidores estão baixos, é comum que haja a postergação da compra de imóveis.”

Segundo Rocha Neto, a inflação, por sua vez, terá um impacto limitado. Mesmo com uma taxa de juro do financiamento mais elevada em razão da alta da Selic, o consumidor acaba fazendo as contas sobre se vale a pena comprar um imóvel ou continuar no aluguel. “Muitas vezes, o valor do aluguel fica muito próximo ao do financiamento.”

Mecanismos de funding

Por fim, Rocha Neto destacou a importância da expansão dos mecanismos de funding para o setor de crédito imobiliário no país nos próximos anos. Para 2022, a Abecip acredita os empréstimos com recursos do Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimo (SBPE) devem cair 5%, para 195 bilhões de reais.

De acordo com executivo, apesar da queda, a poupança terá ainda nos próximos anos um papel relevante na oferta de crédito, mas é previsível o aumento dos financiamentos provenientes de outras formas de captação, como as Letras Imobiliárias Garantidas (LIGs), um novo ativo de renda fixa que ganhou espaço no ano passado.

“O próprio Banco Central tem estimulado que os setores busquem fontes alternativas de funding. A intenção é que reduza diminua o contingenciamento. Isso é bom para o setor e para os investidores”, finalizou.

Veja Também

Leilão da Caixa oferece imóveis com até 85% de desconto
Mercado imobiliário
Há 16 horas • 2 min de leitura

Leilão da Caixa oferece imóveis com até 85% de desconto

Este CDB paga 18% acima da Selic e mais de 100% além da poupança
Onde Investir
Há um dia • 3 min de leitura

Este CDB paga 18% acima da Selic e mais de 100% além da poupança

Qual é a diferença entre crédito pessoal e crédito consignado?
BTG Insights
Há um dia • 4 min de leitura

Qual é a diferença entre crédito pessoal e crédito consignado?

Com crédito imobiliário mais caro, construtoras miram aluguel
Mercado imobiliário
Há um dia • 6 min de leitura

Com crédito imobiliário mais caro, construtoras miram aluguel

Fintech oferece crédito imobiliário com juros de 7% a jovens e informais
Mercado imobiliário
Há um dia • 3 min de leitura

Fintech oferece crédito imobiliário com juros de 7% a jovens e informais

Leilão de imóveis tem descontos de até 65% em residências
Mercado imobiliário
Há 2 dias • 2 min de leitura

Leilão de imóveis tem descontos de até 65% em residências