Aluguel em São Paulo tem maior valorização no trimestre desde 2020

Em 12 meses, o valor médio do metro quadrado subiu 16,9%. Somente neste ano, o preço médio dos novos aluguéis subiu 12,2%
Imóveis em São Paulo: diferença entre o preço do anúncio e do contrato cresceu pelo quarto mês consecutivo, atingindo 10,1% (Reprodução/Getty Images)
Imóveis em São Paulo: diferença entre o preço do anúncio e do contrato cresceu pelo quarto mês consecutivo, atingindo 10,1% (Reprodução/Getty Images)
Marília Almeida
Marília Almeida

Publicado em 13/10/2022 às 13:25.

Última atualização em 13/10/2022 às 13:37.

O mercado imobiliário de locação em São Paulo registrou, pela primeira vez desde 2020, uma alta no terceiro trimestre, o que reforça a retomada definitiva do mercado após as oscilações do período da pandemia. Em comparação com o segundo trimestre do ano, o preço dos aluguéis subiu 2% entre os meses de julho e setembro — alta de 16% em relação ao mesmo período em 2021. Os dados são do Índice QuintoAndar de Aluguel, e foram divulgados nesta quinta-feira, 13.

Até então, segundo o indicador, o desempenho no terceiro trimestre era marcado por quedas no preço dos imóveis. Em 2020, ano em que a pandemia de covid-19 impactou mais a economia, a queda registrada foi de 5,2% em comparação ao segundo trimestre daquele ano. Em 2021, quando o mercado já começava a esboçar recuperação, houve uma certa estabilização dos preços, com ligeira queda de 1,1% em comparação com abril, maio e junho daquele ano.

Assine a EXAME e fique por dentro das principais notícias que afetam o seu bolso. Tudo por menos de R$ 0,37/dia

Os números reforçam, ainda, o cenário de aquecimento do mercado imobiliário na capital. Em 12 meses, o valor médio do metro quadrado subiu 16,9%. Somente neste ano, o preço médio dos novos aluguéis subiu 12,2%.

Em setembro, o preço médio do aluguel na capital paulista atingiu R$ 41,01, no 13º mês consecutivo de alta. É o maior valor do metro quadrado da série histórica do indicador, iniciada em 2019. Também é o período mais longo de altas consecutivas.

Segundo Thiago Reis, gerente de dados do QuintoAndar, o aumento dos preços em geral tem se refletido no mercado imobiliário, num momento de aquecimento da demanda. Imóveis localizados em regiões com acesso fácil ao transporte público e próximas de onde há mais ofertas de emprego têm feito com que o indicador cresça nos últimos meses.

Em setembro, em comparação com agosto, houve valorização dos apartamentos de um quarto (1,5%), dois quartos (1,%) e três quartos (1%).

Preço subiu, mas dá para negociar

Apesar do aumento dos preços no momento de assinar o contrato, os consumidores ainda têm encontrado espaço para negociação. Dados do QuintoAndar mostram que a diferença entre o preço do anúncio e do contrato cresceu pelo quarto mês consecutivo, atingindo 10,1%.

Como economizar no aluguel?

O estudo inédito “O mercado residencial na América Latina”, feito pelo QuintoAndar, aponta que os moradores da capital paulista gastam 31% da renda familiar com o aluguel. O valor está bem próximo dos 30%, considerado limite recomendado por especialistas.

Segundo Reis, uma forma de economizar é começar o processo de busca de imóveis com antecedência. Um estudo recente feito com dados de negociações concretizadas na plataforma revela que o desconto médio em imóveis alugados após quatro semanas é 30%, maior que aquele concedido para imóveis similares alugados nas primeiras duas semanas, e 75% maior que o desconto das unidades com contrato fechado em menos de sete dias.

 

Veja Também

Aluguel na Faria Lima, em SP, bate recorde
seloMercado imobiliário
Há 2 semanas • 6 min de leitura

Aluguel na Faria Lima, em SP, bate recorde

Crédito imobiliário cai 14,2% em outubro para R$ 14,7 bi, mostra Abecip
seloMercado imobiliário
Há 2 semanas • 3 min de leitura

Crédito imobiliário cai 14,2% em outubro para R$ 14,7 bi, mostra Abecip

Black Friday de imóveis: Leilão tem lance inicial a partir de R$ 25 mil
seloMercado imobiliário
Há 2 semanas • 2 min de leitura

Black Friday de imóveis: Leilão tem lance inicial a partir de R$ 25 mil

Edifício residencial mais alto da América Latina fica em Balneário Camboriú
seloMercado imobiliário
Há 3 semanas • 1 min de leitura

Edifício residencial mais alto da América Latina fica em Balneário Camboriú