• BVSP 119.297,13 pts +0,4%
  • USD R$ 5,7174 -0,0163
  • EUR R$ 6,8327 +0,0023
  • ABEV3 R$ 15,65 +0,90%
  • BBAS3 R$ 29,54 -0,03%
  • BBDC4 R$ 25,55 -0,66%
  • BRFS3 R$ 24,5 +0,08%
  • BRKM3 R$ 47,05 +0,62%
  • BRML3 R$ 9,86 +0,51%
  • BTOW3 R$ 69 +9,00%
  • CSAN3 R$ 89,94 -0,07%
  • ELET3 R$ 34,78 +0,12%
  • EMBR3 R$ 15,77 -1,74%
  • Petróleo US$ 64,01 +0,06%
  • Ouro US$ 1.747,20 +0,06%
  • Prata US$ 25,42 +0,06%
  • Platina US$ 1.163,20 +0,35%

Aluguéis podem ser reajustados em 20,9%. Veja como negociar

Índice corresponde à variação acumulada nos últimos 12 meses e vale para contratos de locação residencial corrigidos pelo IGP-M com aniversário em novembro

Inquilinos cujo contrato de locação vence em novembro podem se surpreender com o novo valor, que poderá ser reajustado em 20,93% de acordo com a correção do Índice Geral de Preços-Mercado (IGP-M), um dos principais indicadores para reajustes contratuais. Medido pela Fundação Getulio Vargas, ele leva em conta a alta de 3,23% no mês de outubro, e que fecha o comportamento dos preços no período de 12 meses, entre novembro de 2019 e outubro de 2020.

Apesar da alta, Adriano Sartori, vice-presidente de gestão patrimonial e locação do Secovi-SP, esclarece que a lei não obriga o reajuste. “É obrigatória a inserção de um índice de reajuste no contrato de locação. Entretanto, a aplicação não é uma prerrogativa do proprietário. Caso contrário, o não pagamento por parte do inquilino será configurado como infração contratual”.

A recomendação do Secovi-SP é negociar. “Locador e locatário podem chegar a um acordo que seja vantajoso para ambas as partes. Se o imóvel é ocupado por um bom inquilino, que sempre cumpriu em dia suas obrigações contratuais, o proprietário vai preferir negociar a ter de arcar com custos como condomínio e IPTU. E, ainda, ter de buscar um novo inquilino”, afirma Sartori.

QuintoAndar lançou "negociômetro"

O maior volume de negociação, segundo o Secovi-SP, ocorreu entre abril e agosto deste ano. Sondagem realizada pela entidade com as imobiliárias da Rede Secovi de Imóveis mostrou que, em média, 50% dos inquilinos solicitaram a renegociação do aluguel entre os meses de abril e agosto de 2020.

“Os acordos continuam ocorrendo, apesar de ser em menor volume, tendo em vista que o comércio voltou a funcionar e alguns setores passaram a recontratar. Mas o descolamento do IGP-M pode ocasionar negociações mais restritas, relativas ao aumento provocado pelo reajuste”, diz Sartori.

Aprenda a investir melhor para comprar seu novo imóvel. Conheça a Estratégia IronCaps

Para facilitar as negociações durante a pandemia, a plataforma de venda e locação de imóveis QuintoAndar criou um canal direto entre inquilinos e proprietários. Os descontos vão de 5% a 90% e têm uma duração média de três meses.

No total, as negociações e os parcelamentos tiveram impacto positivo de 26,8 milhões de reais para os inquilinos desde o início da pandemia. “Essa é uma forma de chegar a uma solução mais rápida, equilibrada e justa para os dois lados. Se de um lado temos os inquilinos com a renda afetada, de outro temos muitos proprietários para os quais o valor do aluguel representa uma parcela significativa de sua renda”, diz Arthur Malcon, gerente executivo de estratégia do QuintoAndar.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.