• BVSP 124.981,75 pts -0,9%
  • USD R$ 5,1851 -0,0161
  • EUR R$ 6,1037 -0,0208
  • ABEV3 R$ 16,78 -1,47%
  • BBAS3 R$ 31,86 -0,28%
  • BBDC4 R$ 23,96 -0,99%
  • BRFS3 R$ 25,71 -1,98%
  • BRKM3 R$ 59,31 -4,95%
  • BRML3 R$ 10,39 -1,52%
  • CSAN3 R$ 26,75 -1,65%
  • ELET3 R$ 42,24 -2,36%
  • EMBR3 R$ 18,62 -0,43%
  • Petróleo US$ 73,97 +0,24%
  • Ouro US$ 1.801,40 -0,22%
  • Prata US$ 25,24 -0,56%
  • Platina US$ 1.059,40 -2,86%

Uber faz campanha antirracista com exemplos de situações reais

Para o desenvolvimento da campanha e elaboração de conteúdos educativos, a Uber promoveu grupos de discussão com usuários, motoristas parceiros e ativistas

A Uber lança nesta segunda-feira, 10, uma campanha que convida usuários e motoristas parceiros no combate ao racismo. Dividida em duas fases, a iniciativa tem o objetivo de promover um conteúdo educativo dentro do próprio aplicativo ao usar exemplos de situações reais já vivenciadas em viagens.

As empresas do futuro estão aqui. Conheça os melhores investimentos em ESG na EXAME Invest Pro

Na primeira etapa, peças informativas em pontos de ônibus, relógios de rua e posts em redes sociais mostram frases racistas relatadas por motoristas parceiros e usuários do aplicativo. Além de reforçar que tais comportamentos não são aceitos pela plataforma e podem levar ao banimento, os exemplos chamam a atenção para afirmações racistas que são reproduzidas, muitas vezes, de forma velada e sistêmica.

Na segunda fase, uma série de vídeos mostrará como esses exemplos são parte do racismo estrutural e porque ter consciência disso é importante para ajudar a mudar essa realidade. Os vídeos serão distribuídos daqui duas semanas dentro do aplicativo da Uber para 22 milhões de usuários e 1 milhão de parceiros.

Desenvolvimento

O desenvolvimento do conteúdo educativo foi coordenado pela Promundo, uma ONG focada na igualdade de gêneros e que já trabalhou com instituições como a ONU, o Banco Mundial e a OMS. O trabalho para a criação do conteúdo começou ainda em 2020. A pedido da Uber, a Promundo realizou grupos de discussão com dezenas de usuários, motoristas parceiros e ativistas de diferentes cidades do País e, com isso, conseguiu informações que auxiliaram na elaboração de conteúdos.

"Trabalhamos com a Uber desde 2018. Ao longo desses anos, fomos acumulando aprendizados e incorporando temas importantes para a construção de uma comunidade mais segura. Usamos um podcast para falar sobre machismo, LGBTQIA+fobia e racismo junto aos motoristas parceiros. Agora, ampliamos o formato para também incluir usuários e usuárias", afirma Sandra Vale, coordenadora de projeto da Potência.Diversa.

Especificamente desta campanha, o desenvolvimento se deu a partir de dezembro do ano passado, e levou em consideração para além dos casos reais, a visão dos funcionários da Uber que participam de grupos de diversidade, como o de equidade racial, de forma que as ações provoquem uma mudança positiva sem constranger qualquer pessoa.

O alcance, para a empresa, é uma oportunidade para disseminação de conteúdos relevantes para a sociedade. "Embora a Uber seja um aplicativo que está no celular de milhões de brasileiros, nossa operação acontece na rua. Com isso, as pautas complexas da sociedade também estão presentes em nossas operações. Por outro lado, a presença no dia a dia das pessoas nos traz um grande potencial e nos dá a oportunidade de ampliar mensagens de respeito", diz Bárbara Galvão, diretora de diversidade e inclusão da Uber no Brasil.

Além da Promundo, Celso Athayde, fundador da CUFA, e especialistas da Frente Nacional Antirracista também auxiliaram a empresa para chegar ao formato e abordagem final da campanha. O ID_BR, Instituto Identidades do Brasil, também tornou-se parceiro da Uber este ano e atuará nas demais iniciativas de combate ao racismo.

Compromisso

A campanha educativa é parte de um compromisso global assumido pela Uber em 2020, com o objetivo de combater o racismo e criar produtos igualitários por meio da tecnologia. As iniciativas incluem metas internas, como aumentar o número de funcionários negros, inclusive em cargos de liderança, e também externas, como a revisão dos processos de respostas às denúncias de racismo e a disseminação de conteúdo educativo para usuários e motoristas parceiros.

A Uber trabalhou no ano passado em parceria com advogadas e membras da organização deFEMde para revisar o processo de atendimento a denúncias de racismo e LGBTQIA+fobia da plataforma no Brasil. O objetivo é ter uma clara identificação dos casos e um melhor acolhimento do relato da vítima. O mesmo processo já havia sido feito em 2019 com foco em denúncias de assédio ou violência contra a mulher.

Durante o carnaval de 2020, a Uber lançou ampla campanha com o objetivo de sensibilizar sobre o Código de Conduta da empresa, atualizado para deixar ainda mais claro os comportamentos que não são aceitos dentro da plataforma e incentivar o respeito mútuo. Outras ações também foram realizadas nos últimso anos.

Como reportar

Depois de cada viagem, usuários e motoristas são convidados a avaliar a experiência. Caso o usuário ou motorista precise reportar algum incidente, a Uber conta com uma equipe de suporte disponível 24/7, que analisa individualmente caso a caso. A denúncia pode ser feita pelo menu de ajuda do próprio app ou pelo site uber.com/ajuda.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 3,90/mês
  • R$ 9,90 após o terceiro mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 99,00/ano
  • R$ 99,00 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 8,25 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.