Marketing

“Somos uma organização de impacto”: Cris Camargo analisa os 25 anos do IAB Brasil

Instituição presente em 45 países tem o objetivo de incentivar a criação de boas práticas para a publicidade digital

Cris Camargo: participação ativa na discussão de 30 projetos de lei que modernizam o mercado (Divulgação / IAB Brasil)

Cris Camargo: participação ativa na discussão de 30 projetos de lei que modernizam o mercado (Divulgação / IAB Brasil)

Lucas Amorim
Lucas Amorim

Diretor de redação da Exame

Publicado em 24 de outubro de 2023 às 12h38.

Última atualização em 24 de outubro de 2023 às 15h19.

Num ano marcado pela consolidação das ferramentas de inteligência artificial, o IAB Brasil completa 25 anos de olho em como ampliar ainda mais o impacto de sua atuação. O Interactive Advertising Bureau está presente em 45 países, com o objetivo de incentivar a criação de boas práticas para a publicidade digital. É uma missão que nunca foi tão relevante quanto agora, conforme analisa Cris Camargo, CEO do IAB Brasil, em conversa com a EXAME.

Cris participou ativamente das mudanças do mercado nos mais de 10 anos em que está à frente da instituição. "Quando cheguei, a cena era dos portais, depois o domínio foi dos buscadores, das redes sociais, e agora da IA", afirma. "Do lado pessoal, descobri que o terceiro setor não é nem pacato nem pouco profissional".

O IAB Brasil foi criado por iniciativa de Toninho Rosa num momento em que a internet ainda se estabelecia, e era preciso até entender quais seriam as métricas na mídia digital. As agências de performance, dominantes nos últimos anos, sequer existiam. A instituição foi determinante para parametrizar os formatos, de tantos por tantos pixels, e permitiu um padrão global que leva a transações de anúncios entre países e continentes.

"No começo o digital ainda era visto como uma oposição ao offline. Comprávamos mídia offline e ganhávamos o digital. Digital era a bala do caixa. Entender a relevância do digital, dessa cadeia, a diferença das dinâmicas, foi essencial", diz Cris. "Mostramos que todos estão no mesmo caminho, o de engajar audiência. O papel do digital é melhorar a distribuição. No IAB reunimos os nativos digitais, mas também os nativos offline, que passaram pela jornada da digitalização".

Missão do IAB

Olhando para o atual momento, de pós-pandemia e adoção crescente da IA, Cris afirma que as novas ferramentas são incrementais. "Podemos comparar com a chegada do carro elétrico, que incrementa o carro. Temos novos usos de tecnologia para acessar o conteúdo. Com mídia offline, o conhecimento que você tinha do target era muito mais generalista que no digital. Agora a cadeia de mensagens tem que mudar para chegar a diferentes públicos", analisa.

A missão do IAB, de desenvolver a publicidade de forma sustentável, vai se modernizando neste cenário. "A publicidade é um canal de comunicação de novos produtos e serviços para a população. Uma publicidade ativa é bom para os negócios e bom para a sociedade", diz.

A instituição tem participado de discussões relevantes de projetos de lei que modernizam o mercado. Cris afirma que há mais de 30 projetos que passam direta ou indiretamente pelo mercado publicitário, como o PL das Fake News, ou o PL dos Direitos Autorais. O papel da instituição é trazer elementos para o debate e mostrar o impacto amplo de cada decisão. "Somos uma organização de impacto, e precisamos impactar a sociedade", diz.

Acompanhe tudo sobre:Inteligência artificialPublicidadeRedes sociais

Mais de Marketing

Os times de futebol mais valiosos do Brasil e do mundo em 2024

As 10 marcas mais inclusivas do mundo, segundo pesquisa; Google lidera ranking

Igor Puga é o novo CMO da Zamp, dona do Burger King e Popeyes

Disputa pelas listras: Adidas luta com grife Thom Browne pelo monopólio da marca

Mais na Exame