A página inicial está de cara nova Experimentar close button

A estratégia simples da Nike que ajudou Steve Jobs a salvar a Apple

Em 1997, quando Steve Jobs voltou ao comando da Apple, a situação por ali estava longe de ser promissora, mas um insight vindo da Nike mudou completamente as perspectivas

Em 1997, quando Steve Jobs voltou ao comando da Apple, companhia fundada por ele havia duas décadas, a situação por ali estava longe de ser promissora.

A empresa havia perdido para a Microsoft a corrida pelos microcomputadores pessoais. Com dívidas elevadas e o risco de fechar as portas, boa parte do mercado de tecnologia via a Apple como negócio ultrapassado.

Um ponto de virada importante na história da empresa, hoje uma gigante avaliada pelo mercado em 2,3 trilhões de dólares, foi uma comparação feita por Jobs durante um encontro com funcionários da companhia em 1997.

Relembrado pelo colunista Jason Aten, da revista americana de empreendedorismo Inc.com, o discurso de Jobs serve de lição a todo empreendedor às voltas com dúvidas sobre como posicionar um produto ou serviço diante do mercado.

Na reunião com funcionários, Jobs reforçou a necessidade de transformar de novo a Apple numa marca valiosa. O tema era uma verdadeira obsessão para ele, que costumava acompanhar propagandas de empresas desejadas pelo mercado naquele momento. Uma delas era a fabricante de artigos esportivos Nike.

No relato de Aten, Jobs falou o seguinte aos funcionários da Apple:

A Nike vende uma commodity; eles vendem tênis. Ainda assim, quando você pensa na Nike, você sente algo diferente do que sente ao pensar numa companhia de sapatos. Nas publicidades deles, você vocês sabem, eles nunca falam sobre os solados especiais, e como os solados deles são melhores que os da Reebok. O que a Nike faz nas propagandas deles? Eles prestigiam grandes atletas e prestigiam um estilo de vida ligado aos esportes. É isso o que eles de fato fazem.

Steve Jobs

Jobs usou várias palavras para descrever o que Aten resume em duas — "Sem produtos" — como sendo a estratégia de marketing da Apple dali para frente.

Ou seja, em vez de ficar falando das qualidades técnicas dos produtos da Apple, a lição aprendida por Jobs com os comerciais da Nike é a de apostar num marketing calcado em ideias de um futuro melhor e mais desejável para os potenciais consumidores.

Para Aten, as palavras de Jobs foram aspiracionais. A partir dali, a companhia investiu no slogan Think Different (Pense Diferente) e em campanhas publicitárias associando a marca a figuras visionárias em suas áreas de atuação, como Mahatma Gandhi, Muhammad Ali, Martin Luther King Jr, Einstein e Richard Branson.

Segundo o colunista da Inc.com, a campanha publicitária transformou a Apple de uma fabricante de computadores beges sem-graça numa companhia capaz de lançar o iMac, modelo icônico na virada dos anos 2000 pelo design inovador, com CPU e teclados embutidos numa peça só fabricada em cores berrantes como laranja e violeta.

Anos mais tarde, a empresa viria mudar radicalmente a maneira de consumir música, com os iPods, e de fazer a interação digital, com os iPhones. Tudo isso a partir de uma estratégia de posicionamento de marca básica, porém poderosa, inspirada na Nike.

Quais são as tendências entre as maiores empresas do Brasil e do mundo? Assine a EXAME e saiba mais.

 

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também