Marketing

Embelleze não se diz antirrascista porque afeta o bolso, diz Monique Elias

Esposa do dono afirmou em live que seu marido "não entra em bola dividida". Embelleze respondeu a Exame por meio de nota

Embelleze: marca de produtos para cabelos crespos e cacheados não se posiciona antirrascimo (//Getty Images)

Embelleze: marca de produtos para cabelos crespos e cacheados não se posiciona antirrascimo (//Getty Images)

Marina Filippe

Marina Filippe

Publicado em 30 de junho de 2020 às 18h58.

Última atualização em 30 de junho de 2020 às 19h07.

Em uma live com o blogueiro Cristiano, da página Beyoncé Destruída, a também blogueira Monique Elias, disse que seu marido Itamar Serpa Fernandes, o dono da marca de cosméticos, não se posiciona contra o racismo porque ele "não entra em bola dividida". 

No vídeo ela afirmou ainda que só vê o posicionamento em quem consome, e que parou de seguir o marido nas redes sociais até que ele fosse "mente aberta".  No vídeo, Elias diz: "As pessoas não se posicionam porque toca na ferida e a ferida é o bolso, infelizmente".

Procurada por Exame, a Embelleze se comunicou por meio de nota:

"A Embelleze sempre abraça a beleza das diferenças. Isso está em nosso DNA desde os primeiros produtos. São mais de 50 anos tendo como missão transformar vidas por meio da beleza. Sempre estivemos atentos à voz de nossas consumidoras e de nosso público.

Com isso, anunciamos a criação de um comitê de diversidade dentro da companhia, para ampliar ainda mais o conhecimento por parte da empresa e conseguirmos estar mais ainda ao lado do público e das causas que precisam do nosso posicionamento. Em 2015 fomos a primeira empresa nacional a dar opção para a mulher cacheada se empoderar. (...)

Em nossas campanhas sempre representamos a pluralidade da mulher nacional: temos plus size, portadoras de necessidades especiais, negras, ruivas, loiras. Acreditamos que um mundo melhor e mais justo se constrói desta forma: abraçando e respeitando as diferenças.

E reforçamos que a opinião de Monique Elias Serpa, falada em uma live recente, não reflete a cultura de transformação da Embelleze."

Nas redes sociais a marca ainda não se posicionou, apesar dos comentários negativos das seguidoras nas últimas publicações de redes como o Instagram. A opinião pessoal do dono da empresa também não foi comentada. E a página do blogueiro, na qual aconteceu a live, não está disponível.

Negócios

A Embelleze é dona das marcas Maxton, Novex e Natucor e tem produtos específicos para cabelos crespos e cacheados. 

No Instagram, a página Meus Cachos by Embelleze, tem 217 mil seguidores, e a maior parte das publicações com modelos negras.

A meta da empresa para este ano era atingir o faturamento de 1 bilhão de reais. A Embelleze é a quinta empresa em participação de mercado no seu segmento, com 7,3%, e atrás da L'oreal, Unilever, Procter & Gamble e Coty.

Veja abaixo o vídeo republicado pelo portal Todos Negros do Mundo.

Acompanhe tudo sobre:CosméticosPolêmicasRacismo

Mais de Marketing

Os times de futebol mais valiosos do Brasil e do mundo em 2024

As 10 marcas mais inclusivas do mundo, segundo pesquisa; Google lidera ranking

Igor Puga é o novo CMO da Zamp, dona do Burger King e Popeyes

Disputa pelas listras: Adidas luta com grife Thom Browne pelo monopólio da marca

Mais na Exame