Coronavírus: comportamento do consumidor pode mudar para sempre

Em entrevista exclusiva à Exame, Kristina Rogers, líder global de consumo da EY, comenta quais comportamentos já mudaram e os reflexos no futuro

A pandemia do novo coronavírus mudou os hábitos das pessoas ao redor do mundo e, consequentemente, suas práticas de consumo.

Mesmo com a reabertura dos negócios e dos países, é difícil prever uma retomada do consumo do mesmo modo como ocorria pré-pandemia. O desemprego, o distanciamento social e o aumento das compras online são alguns dos aspectos que ressaltam o debate, como mostra a última reportagem de capa de Exame.

Para Kristina Rogers, líder global de consumo da consultoria EY, a mudança da economia precisa ser acompanhada ao longo dos próximos meses para definir quais comportamentos do consumidor podem mudar para sempre e ser de fato duradouros. Sobre as tendências ela falou com exclusividade à Exame.

Quais tendências de consumo já são observadas? 

A pandemia acelerou as tendências de consumo. As pessoas têm buscado mais produtos locais e se acostumado a comprar online. A relação ficou mais virtual de modo em geral, até mesmo se pensarmos nas reuniões e no home office, por exemplo.

Muitas pessoas estão comprando online pela primeira vez, e parte delas não fará questão de voltar aos shoppings para comprar alguns itens. Os e-commerces e deliverys têm crescido e assim devem continuar.

Quais são as principais mudanças nas compras do consumidor? 

Temos acompanhado grandes mudanças, mas a questão é quais dessas vão se manter num período de "novo normal" ou pós-pandemia. Do que observamos, os consumidores estão gastando menos e não se incomodam de não comprar agora, por exemplo, roupas e cosméticos.

Em breve, precisamos entender também como fica a vida fora de casa, com hábitos como a utilização de veículos e a ida aos restaurantes.

Como a recessão econômica influencia na alteração dos padrões de consumo? 

Apenas 9% dos entrevistados na primeira fase da pesquisa de futuro do consumo afirmam que irão gastar mais. Outros pretendem manter o padrão ou gastar menos. As pessoas estão com medo do -- ou sofrendo com -- desemprego e a crise econômica em seus países.

Em nossa pesquisa, um quarto dos entrevistados diz que presta mais atenção no que consome e o impacto que isso tem. E, para elas, perceber o quanto foi economizado durante a pandemia ao priorizar apenas a compra de itens essenciais pode refletir drasticamente nas indústrias.

Muitas empresas continuam anunciando seus produtos, atrelados ao próposito da marca neste período. Qual impacto isto pode gerar? 

Na pesquisa, 62% dizem que teriam mais chances de comprar de empresas que acham que estão fazendo o bem para a sociedade. Mas, sabemos também que o preço ainda é um fator determinante na escolha do produto, ainda mais em um período de crise. De todo modo, é provável, que essas marcas tenham vantagens na hora da tomada de decisão. 

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também