Vale tem 8ª alta em 9 pregões, Ânima dispara 14% e CVC salta 10%

CVC lidera ganhos do Ibovespa, após elevação de rating pela Standard & Poor's; Usiminas e PetroRio, que sobe 35% nos últimos 5 pregões, vêm na sequência

Em sua terceira sessão seguida de ganhos, o Ibovespa superou os 110 mil pontos nesta quarta-feira, 25, o seu maior patamar desde o final de fevereiro. Entre as maiores contribuições positivas em pontos para o índice, apareceram as ações da Vale (VALE3), que teve sua oitava alta em nove pregões e renovou mais uma vez seu recorde histórico na Bolsa, Natura (NTCO3) e B3 (B3SA3). Do outro lado, as maiores pressões vieram dos bancos, com Itaú (ITUB4) e Bradesco (BBDC4), que realizaram lucros após forte valorização nas últimas semanas, e Ambev (ABEV3).

Em variação, as três maiores altas ficaram com CVC Brasil (CVCB3), Usiminas (USIM5) e PetroRio (PRIO3), com ganhos entre 9,79% e 5,96%. Equatorial (EQTL3), que teve aprovado reajuste tarifário da Equatorial Piauí, e Natura vieram na sequência. Do outro lado, Cogna (COGN3), Ambev (ABEV3) e Yduqs (YDUQ3) marcaram as maiores perdas, entre 2,79% e 1,73%. Em seguida, Telefônica Brasil (VIVT3) e Bradesco ON (BBDC3), com quedas de 1,70% e 1,61%, respectivamente.

É hora de investir em Vale ou CVC? Conte com a assessoria e plataformas exclusivas do BTG Pactual Digital para descobrir.

Fora do índice, chamou atenção a alta dos papéis da Ânima Educação, com avanço de 14,41% com grandes investidores ancorando a oferta de ações da companhia, segundo apurou a EXAME IN. Outro papel com alta expressiva também foram os da OSX Brasil (OSXB3), que subiram 157% após a companhia informar, por meio de fato relevante, que a Justiça encerrou seu processo de recuperação judicial.

Abaixo, os principais destaques de ações do pregão:

Equatorial 

As ações da Equatorial (EQTL3) subiram 4,54% após a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) aprovar reajuste de 3,48% nas tarifas da Equatorial Piauí, em reunião extraordinária realizada ontem. 

Segundo analistas da Genial Investimentos, a notícia é positiva, uma vez que: um, reduz a incerteza sobre essa questão — a revisão tarifária extraordinária da Equatorial Piauí foi estabelecida desde o momento de sua aquisição; e dois, porque os valores foram muito acima dos números que tinham como estimativa. A base de remuneração regulatória estabelecida foi de 1,6 bilhão de reais, contra 1,4 bilhão de reais das projeções da corretora. Além disso, a parcela B aprovada atingiu 875 milhões de reais, considerando receitas irrecuperáveis, frente às estimativas de 616 milhões de reais, comentam. 

Banner do BTG Pactual de fundo azul com letras brancas sobre investir melhor

 (BTG Pactual Digital/Divulgação)

PetroRio

Seguindo a alta dos preços do petróleo, as ações da PetroRio avançaram 5,96% nesta sessão. Nos últimos 5 pregões, os papéis da companhia acumulam ganhos de 35%. O movimento recente foi puxado em grande parte pelo anúncio, na última quinta-feira, de contrato com a BP Energy do Brasil para a aquisição  das participações de 35,7% no campo de Wahoo e de 60% no Itaipu, na região do pré-sal. Segundo fato relevante, o campo de Wahoo tem potencial para produzir mais de 140 milhões de barris.

Petrobras 

Depois de dispararem cerca de 5% ontem, em meio ao rali dos preços de petróleo e elevação de recomendação para compra pelo Bank of America, as ações ordinárias e preferenciais da Petrobras (PETR3; PETR4) fecharam entre leves perdas e ganhos. O movimento foi na contramão da commodity, que teve mais um pregão de forte alta no exterior, com expectativa de que uma vacina contra covid-19 possa impulsionar a demanda de combustível.

Os contratos do petróleo Brent, negociados em Londres e usados como referência pela estatal, subiram 1,92%, cotado em 48,78 dólares o barril, depois de terem avançado quase 4% na véspera. Com valorização recente, a commmodity figura em seu maior patamar desde março.

Ainda no radar da Petrobras, a companhia informou ontem que iniciou, no fim de outubro, negociações para venda do campo de Papa-Terra, na Bacia de Campos, com a Starboard Asset, gestora de fundos que possuem participação relevante na 3R OG Petroleum. Segundo a estatal, o valor ofertado pela Starboard é de cerca de 90 milhões de reais, considerando pagamentos firmes e contingentes, e não há prazo para o término das negociações.

Segundo analistas da Exame Research, essa é uma transação de menor porte, mas que, ainda assim, possui implicações positivas para a Petrobras, que dá continuidade ao seu plano de desinvestimentos. No entanto, comentam que o grande fator de influência para as ações da companhia continua sendo a onda de valorização do petróleo.

Bancos

Na mesma linha de Petrobras, as ações dos grandes bancos, que subiram forte ontem, tiveram dia de realização de lucros. Banco do Brasil (BBAS3) caiu 0,28%, enquanto Itaú (ITUB4) e Bradesco (BBDC4) recuaram 1,18% e 1,29%, respectivamente. A exceção foi Santander (SANB11), que virou para alta esta tarde e subiu 0,30%.

No radar, o Banco do Brasil (BBAS3) informou ontem que o vice-presidente de gestão financeira e de relações com investidores, Carlos Hamilton Vasconcelos Araújo, renunciou ao cargo na terça-feira. Para o lugar, o conselho de administração do banco elegeu Carlos André, que hoje está no comando da BB DTVM, com posse prevista para o dia 1° de dezembro. 

Ânima

As ações da Ânima Educação (ANIM3) dispararam 14,41%. Segundo informou a EXAME IN nesta tarde, a companhia tem dentro de casa garantia de 400 milhões de reais a 500 milhões de reais para a oferta pública de ações que colocou na rua na terça-feira, 24. A empresa pretende levantar entre 800 milhões de reais e 1,1 bilhão de reais com a oferta, que será usado em parte para financiar a aquisição dos ativos brasileiros do grupo Laureate.

B3

As ações da B3 (B3SA3) subiram 1,63% nesta sessão. Ontem, a Bolsa informou que encerrou outubro com 3.178.780 investidores ativos no segmento de ações, avanço de 106,9% frente ao mesmo período do ano passado. Na comparação com setembro, houve aumento de 2,6%. O volume financeiro médio diário ficou 28,482 bilhões de reais no mês, alta de 71,4% na comparação anual e elevação de 1,7% frente ao mês anterior. Na média diária, foram negociados 2,978 milhões de contratos por dia, avanço de 86,8% frente ao mesmo mês de 2019 e 5,6% superior a setembro. A receita por contrato caiu 6,8% ano contra ano, mas subiu 5,6% na base mensal. 

A B3 encerrou outubro com 404 empresas listadas, frente a 381 companhias um ano antes e 401 empresas em setembro, com o valor de mercado das empresas atingindo 4,183 trilhões de reais, queda de 1,2% frente a outubro de 2019, mas alta de 0,5% contra o mês anterior. 

NotreDame Intermédica

As ações da NotreDame Intermédica (GNDI3) avançaram 2,49% após a companhia informar que fechou na terça-feira, por meio de sua subsidiária Clinipam, a compra de 100% do grupo Hospitalar do Coração de Londrina por 170 milhões de reais. Segundo a companhia, o valor equivale a 700 mil reais por leito. O montante será pago em dinheiro à vista, descontado o endividamento líquido não informado pela empresa.

Segundo analistas da Exame Research, essa é mais uma movimentação estratégica por parte da NotreDame Intermédica, que segue expandindo via aquisições pelo Sul e Sudeste do país. “O grupo adquirido tem dois hospitais de alta complexidade e dois centros clínicos, em toda a região de Londrina, no Paraná — assim, há um potencial ganho de sinergia com os ativos da empresa na região, especialmente as operações da Clinipam”, comentam.

Oi

Amanhã, acontece o leilão de data centers e torres de telefonia móvel da Oi (OIBR3; OIBR4), em recuperação judicial. Segundo o Valor Econômico, até ontem, havia apenas uma proposta, a da Highline do Brasil, pelo conjunto de 637 torres de telefonia móvel da companhia e mais 222 pontos de infraestrutura passiva instalados em shoppings, hotéis e outros locais. A Highline já fez uma proposta de 1,06 bilhão de reais pelos ativos. 

Os analistas da Exame Research comentam que, por mais que, até o momento, apenas a Highline tenha manifestado interesse pelas torres, a realização do leilão tem implicações positivas para a companhia. “A proposta recebida é interessante e, mais importante que isso: o certame marca o início da venda de ativos e da redução de endividamento, crucial para o processo de recuperação judicial da companhia. Outros leilões, como o da unidade de telefonia móvel e parte da rede de fibra ótica, vão movimentar cifras bem mais relevantes”, comentam.

Nesta sessão, as ações ordinárias da operadora de telefonia subiram 6,45%, enquanto as preferenciais avançaram 5,34%.

CVC

As ações da CVC (CVCB3) lideraram os ganhos do do Ibovespa, com alta de 9,79%, após a agência de classificação de risco Standard and Poor’s (S&P) elevar a nota da companhia de brCCC- para brB, com perspectiva em desenvolvimento. A S&P atribuiu a elevação da nota à conclusão do processo de reestruturação da dívida por parte da CVC.

“O fato de a CVC ter concluído as negociações com credores, reduz os riscos de default. Porém, a empresa continua dependente de eventos positivos como os esperados aumentos de capital no valor de até R$ 800 milhões que devem ou não ocorrer entre janeiro e setembro de 2021, para fazer frente aos seus próximos vencimentos de dívida. Acreditamos que os sinais de recuperação da indústria de viagens e lazer doméstica deve possibilitar uma retomada das operações da CVC e recuperação de suas vendas nos próximos meses”, informou a S&P em comunicado.

OSX

Fora dos principais índices da bolsa, os papéis da OSX, do empresário Eike Batista, subiram 157% após a empresa ter informado por meio de fato relevante que encerrou o processo de recuperação judicial. Na esteira, a MMX, também ligada ao Batista, avançou 81,08%.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 15,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Atenção! A sua revista EXAME deixa de ser quinzenal a partir da próxima edição. Produziremos uma tiragem mensal. Clique aqui para saber mais detalhes.