Alan Greenspan admite que errou ao confiar nos bancos

Para o ex-presidente do Fed, euforia dos últimos 20 anos levou instituições a ignorar a segurança das operações

Em depoimento ao Congresso americano, o ex-presidente do banco central dos Estados Unidos, o mitológico Alan Greenspan, admitiu que errou ao confiar na capacidade do sistema financeiro de se auto-regular. “”Eu errei ao presumir que o interesse próprio das organizações, especialmente dos bancos, era tal que eles eram os mais indicados para proteger seus acionistas”, afirmou nesta quinta-feira (23/10).

No segundo de dois dias de tensas audiências no Congresso, Greenspan foi acusado por parte dos parlamentares de ser um dos responsáveis pela atual crise financeira – cuja gravidade é comparada à crise de 1929, quando a bolsa de Nova York quebrou e criou as condições para mergulhar os Estados Unidos em uma profunda recessão nos anos seguintes. O presidente da Câmara, Henry Waxman, afirmou que a gestão de Greenspan propagou “a atitude que prevalece em Washington… a de que o mercado sempre sabe o que é melhor”.

De acordo com o jornal britânico Financial Times, o ex-presidente do Federal Reserve admitiu que a crise representa “uma falha” em seu pensamento, mas afirmou que uma regulamentação mais pesada – algo que, segundo alguns críticos, poderia ter evitado os atuais problemas – comprometeria o crescimento da economia americana. Greenspan descreveu os últimos 20 anos como “um período de euforia” que encorajou os participantes do sistema financeiro a menosprezar os critérios de segurança.

Greenspan também admitiu que errou ao pensar que as instituições poderiam supervisionar adequadamente o risco de suas contrapartes, como os tomadores de empréstimo. “Por 40 anos, tive considerável evidência de que isso funcionava bem”, afirmou.

Às vésperas da eleição presidencial americana, republicanos e democratas também trocaram acusações durante a audiência. Os republicanos refutaram críticas do partido rival, e afirmaram que a estatização das companhias hipotecáricas Freddie Mac e Fannie Mae também deveria ser apontada como uma das causas da crise. “Não foi a falta de regulamentação que levou à crise. Foi o desencontro de leis e reguladores”, afirmou o republicano Tom Davis.

Ao se pronunciar sobre a necessidade de maior supervisão do sistema, Greenspan afirmou que, enquanto esteve à frente do Fed, seguiu o desejo do Congresso, ao não apoiar a regulamentação dos derivativos conhecidos como credit default swaps (CDS, culpados pela deterioração da crise).

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?

Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?

Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 15,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 44,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa quinzenal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Apoie a Exame, por favor desabilite seu Adblock.