Invest

Usiminas (USIM5) paga R$ 1,2 bilhão em dividendos nesta segunda-feira; veja se você tem direito

Confira a data de corte dos dividendos da Usiminas (USIM5)

usiminas (GLADSTONE CAMPOS/VEJA)

usiminas (GLADSTONE CAMPOS/VEJA)

Publicado em 24 de junho de 2024 às 11h56.

Última atualização em 25 de junho de 2024 às 11h35.

A Usiminas (USIM5) paga nesta segunda-feira, 24 de junho de 2024, dividendos no valor total de R$ 1,2 bilhão. Os acionistas que têm ações na data de corte, 25 de abril de 2024, são elegíveis para receber a remuneração, que equivale a R$ 0,28305796 por ação.

O que são dividendos?

Os dividendos são uma parcela do lucro das empresas que é distribuída aos seus acionistas, proporcionando a eles um rendimento extra. Quando uma empresa têm bons resultados, geralmente, ela distribui dividendos. Trata-se de um indicativo de que a companhia é bem administrada e pode ser uma opção de investimento interessante.

Qualquer investidor que compra uma ação ou um conjunto de ações está, na prática, se tornando sócio de uma empresa. Por ter aplicado parte de seu patrimônio na estrutura daquele negócio, o investidor passa a ter direito a receber parte dos lucros gerados em determinado período.

Como funcionam os dividendos?

pagamento de dividendos está sujeito à aprovação do conselho de administração de cada empresa, responsável por avaliar o crescimento, lucro, fluxo de caixa, força da indústria e formular a política de dividendos, determinar o valor, se houver, a ser distribuído aos acionistas.

Portanto, uma vez anunciada a distribuição de dividendos, o valor é determinado por ação e deve ser pago igualmente a todos os acionistas de uma mesma classe (ordinárias, preferenciais, etc.), detentores do ativo até determinada data, conhecida como Data-Com. 

Acompanhe tudo sobre:DividendosUsiminas

Mais de Invest

Mega-Sena sorteia prêmio de R$ 15 milhões neste sábado; veja como apostar

Renda passiva: veja como fazer o dinheiro trabalhar por você

Casal que ganhou R$ 324 milhões em loteria americana perde fortuna com investimentos mal-sucedidos

INSS volta a exigir perícia médica para prorrogar 'auxílio-doença'; entenda

Mais na Exame