Startups: número de investidores em crowdfunding salta 139% em um ano

Investimentos em startups tem ampliação no limite de captação por rodada
Aprovada hoje, 27, a Resolução CVM 88, considera como pequenas empresas aquelas com faturamento em até R$ 40 milhões e também amplia o limite para rodadas de captação (oxygen/Getty Images)
Aprovada hoje, 27, a Resolução CVM 88, considera como pequenas empresas aquelas com faturamento em até R$ 40 milhões e também amplia o limite para rodadas de captação (oxygen/Getty Images)
Por Fernanda BastosPublicado em 28/04/2022 07:05 | Última atualização em 27/04/2022 19:02Tempo de Leitura: 2 min de leitura

O crowdfunding vem se popularizando no Brasil e o número de investidores mais que dobrou, saindo de 8,2 mil em 2020 para 19,7 mil em 2021, com um crescimento 139%. 

Levando a tendência de alta em consideração, a CVM (Comissão de Valores Mobiliários) aprovou na quarta-feira, 27, um novo limite de receita bruta para empresas de pequeno porte. Dados do CVM afirmam que o valor médio de captação por oferta atingiu R$ 1,6 milhão. 

A mudança, implementada pela Resolução 88, considera como pequenas empresas aquelas com até R$ 40 milhões de faturamento e amplia também o limite para rodadas de captação, podendo alcançar até R$ 15 milhões. 

A decisão pode modificar a lógica de investimentos recebidos por startups na regulamentação do crowdfunding, que vem crescendo desde 2017. Segundo dados da CVM, o volume captado pelo crowdfunding cresceu 123%, passando de R$ 84 milhões em 2020 para R$ 188 milhões em 2021.

“O resultado é uma regra mais robusta, porém ainda possibilitando o dinamismo esperado nesse tipo de mercado”, afirmou, em nota, Antonio Berwanger, superintendente de desenvolvimento de mercado da CVM.

Assine a EXAME e fique por dentro das principais notícias que afetam o seu bolso. Tudo por menos de R$ 0,37/dia.

O que é o crowdfunding?

Crowdfunding (do inglês, financiamento coletivo) é uma modalidade que dá ao investidor de varejo a possibilidade de investir em empresas em etapa de estruturação. Pequenos investidores se juntam para investir no negócio via mercado privado – possibilidade que antes era restrita aos grandes investidores.

Funciona assim: a startup faz uma oferta pública em uma plataforma e os interessados podem adquirir participação societária do negócio. Os investimentos acontecem em rodadas. Através do crowdfunding não é necessário esperar uma startup assumir um posto de renome para levantar capital realizando uma oferta na bolsa. Dessa forma, antecipa-se o acesso à participação nos lucros e outros benefícios dos sócios.