Invest

Nvidia pode valer US$ 10 trilhões em 2030: vale a pena investir? Veja

Enzo Pacheco, analista de ações internacionais da Empiricus, responde se a ação da Nvidia (NVDC34) é uma boa opção para investir agora

Empíricus
Empíricus

Conteúdo Promocional

Publicado em 14 de junho de 2024 às 09h51.

A Nvidia (NVDC34) pode valer US$ 10 trilhões em 2030. Essa foi a projeção feita por Beth Kindig, analista de tecnologia do I/O Fund, que é especializado em growth de empresas do setor de tecnologia, em entrevista à Bloomberg.

Para a analista, as estimativas para o mercado total endereçável de datas centers de IA (Inteligência Artificial) aumentarão para US$ 400 bilhões até o ano de 2027 e para US$ 1 trilhão até 2030. E serão, em grande parte, capturadas pela Nvidia.

A projeção vem após uma escalada impressionante das ações da multinacional. Neste ano, entre janeiro e maio, a ação NVDA teve uma valorização de 154%. Já o papel NVDC34, que representa a ação da empresa listada na bolsa brasileira, foi além e saltou 166% no período.

Com isso, o valor de mercado da Nvidia ultrapassou os US$ 2,9 trilhões e a empresa passou a ser a terceira maior do mundo, atrás da Microsoft, com US$ 3,1 trilhões de valor de mercado, e da Apple, com US$ 3 trilhões.

Diante do desempenho positivo, é natural que o investidor se questione se vale a pena investir e, mais do que isso, se ainda dá tempo de “surfar” na alta da ação.

Mas já te adianto que a resposta é não. Pelo menos é o que acredita Enzo Pacheco, analista de ações internacionais da Empiricus, casa de análise do grupo BTG Pactual.

Recentemente, ele divulgou um ranking com as 10 melhores ações internacionais para investir no mês de junho, e Nvidia não está entre elas

Na visão dele, existem ações mais atrativas – e com menos riscos – para investir agora e buscar lucros com empresas gringas.

VEJA AS 10 MELHORES AÇÕES INTERNACIONAIS PARA INVESTIR EM JUNHO AQUI

Por que a Nvidia não é uma das ações internacionais preferidas agora – e 10 melhores para comprar

Embora a Nvidia esteja inegavelmente em um bom momento agora, com resultados que superam as expectativas do mercado e alta de 600% no lucro no último trimestre, Enzo Pacheco avalia que é preciso ter cautela com a ação.

A razão disso é que é a companhia de chips, semicondutores, softwares e hardwares que vem sustentando os resultados do S&P 500 – principal indicador de ações americanas – nos últimos meses.

De acordo com um levantamento feito pela Statista, enquanto o S&P 500 registrou alta de 11% nos primeiros meses de 2024, as ações da Nvidia subiram 120% no mesmo período.

E não para por aí. Até a última sexta-feira (31), a Nvidia foi a principal responsável por cerca de 32% da performance do S&P 500. O segundo lugar ficou com a Microsoft, com 7% de influência sobre o índice. 

“Será que esse movimento será sustentável daqui pra frente? A gente já tem falado aqui que isso não tem impedido a ação de fazer novas máximas, mas até quando?”, questiona o analista da Empiricus.

A preocupação do analista é que, a partir do momento em que a empresa soltar um resultado que decepcione o mercado, ainda que seja um resultado bom, a realização em cima das ações pode derrubar o índice.

Nesse patamar de agora, é um papel arisco. É uma ótima empresa, eu não duvido da capacidade da Nvidia de ser uma boa empresa nos próximos 5 e 10 anos. Mas a gente sempre tem que ter um pouco de cuidado vendo essas valorizações astronômicas num curto espaço de tempo”. 

Diante disso, Enzo Pacheco preferiu deixar as ações da Nvidia fora da sua carteira recomendada com as 10 melhores ações internacionais para comprar em junho.

Para o mês, ele preferiu selecionar ações que, além de terem potencial de valorização agora, também estão baratas e em um ponto de entrada oportuno agora, como é o caso da Amazon (AMZO34), por exemplo.

“Eu gosto muito da Amazon nos níveis atuais. E quando você vê a parte de inteligência artificial, o segmento AWS é vencedor, mas ainda parece que o mercado não deu muito mérito para esse negócio dentro da Amazon”, explica.

Ele destaca, inclusive, que essa pode ser uma oportunidade para se posicionar em um outro case ligado à inteligência artificial de maneira menos óbvia, em uma ação que está barata e que o mercado está “ignorando”.

Mas essa é apenas uma das recomendações do analista agora. A seguir, você pode conhecer a carteira completa dele de ações internacionais de forma gratuita:

GRATUITO: CONHEÇA AS 10 MELHORES AÇÕES INTERNACIONAIS PARA JUNHO

Relatório gratuito: as 10 melhores ações internacionais para junho

Todos os meses, Enzo Pacheco “garimpa” as bolsas internacionais em busca das ações mais promissoras para investir. Em junho, ele selecionou 10 papéis de grandes empresas que, além de terem potencial de valorização, estão em um bom ponto de entrada.

As ações recomendadas, embora sejam de empresas gringas, podem ser compradas por qualquer investidor no Brasil e em reais. Isso porque elas são listadas na bolsa brasileira no formato de BDRs (certificados emitidos no Brasil que representam ações listadas no exterior).

E a boa notícia é que, agora, você pode conhecer todas as recomendações do analista de graça. Isso porque a Empiricus, casa de análise do grupo BTG Pactual, liberou o acesso ao relatório com todas as ações como cortesia.

Ou seja, você não precisa pagar nada e nem assumir nenhum tipo de compromisso com a casa de análise para poder conhecer as 10 melhores ações internacionais para junho.

Basta clicar no link abaixo e preencher os seus dados para receber o relatório completo e gratuito no seu e-mail. Você não vai pagar nada, mas pode ter muito a ganhar com todas as informações que vai encontrar:

GRATUITO: CONHEÇA AS 10 MELHORES AÇÕES INTERNACIONAIS PARA JUNHO

*Este conteúdo é apresentado por Empiricus.

Acompanhe tudo sobre:branded marketing

Mais de Invest

Conheça as vantagens do Cartão BTG Black e saiba como pedir o seu

Cenário é potencialmente o mais perigoso desde a 2ª Guerra, diz Jamie Dimon, CEO do J.P. Morgan

Bancos abrem temporada de balanços em queda nos EUA; Wells Fargo despenca 7%

Ibovespa opera em ligeira alta de olho em novos dados da economia americana

Mais na Exame