Nubank acelera integração com Easynvest para oferta de investimentos

Banco digital vai manter as operações separadas, mas já iniciou fase de testes com fundos multimercados; plano é ampliar gradualmente a oferta de produtos de investimento
O Nubank acaba de atingir a marca de 38 milhões de clientes, dos quais 35 milhões no Brasil | Foto: Divulgação (Nubank/Divulgação)
O Nubank acaba de atingir a marca de 38 milhões de clientes, dos quais 35 milhões no Brasil | Foto: Divulgação (Nubank/Divulgação)
D
Da Redação

Publicado em 02/06/2021 às 16:15.

Última atualização em 02/06/2021 às 16:18.

O Nubank anunciou nesta quarta-feira, 2 de junho, que concluiu os procedimentos legais para a incorporação da Easynvest, em negócio anunciado em setembro do ano passado. Cumprida essa etapa, o banco digital acelera os passos da integração, que vai reforçar a área de investimentos, hoje com variedade limitada de produtos.

O CEO da Easynvest, Fernando Miranda, vai liderar a área de investimentos do Nubank. Uma das primeiras medidas será visual: a corretora passa a se apresentar com o logo que traz Easynvest by Nubank. A nova marca será incorporada em todos os pontos de contato dos mais de 1,6 milhão de clientes da corretora.

"A missão é diversificar e desenvolver outras opções de investimento e entregar a melhor experiência nas duas plataformas para ajudar ao máximo os diferentes perfis de clientes”, afirmou Fernando Miranda.

Em um primeiro momento, as duas marcas continuam separadas, com experiências, aplicativos e equipes de atendimento em estruturas diferentes.

O Nubank atingiu a marca de 38 milhões de clientes, dos quais 35 milhões no Brasil. Os demais 3 milhões estão nas novas operações no México e na Colômbia.

O CEO do Nubank, David Vélez, afirmou em ocasiões passadas que não vê necessidade nem faz parte dos planos uma integração imediata com ampla oferta de produtos hoje disponíveis na plataforma da Easynvest para os clientes do banco. O objetivo é ampliar o cardápio de produtos gradualmente.

No fim de 2020, o Nubank passou a oferecer seguros, para se juntar aos CDBs e RDBs já disponíveis. Mais recentemente, passou a oferecer três fundos multimercados em fase de testes.

“Aumentar a prateleira de produtos é importante para virar, cada dia mais, relevante para o ponto de vista do nosso cliente. O cliente não vai ter 3, 4 ou 5 relações bancárias. Vai ter uma ou duas. Ter muitos produtos é importante não só para rentabilizar como principalmente para atender as necessidades dos clientes”, afirmou Vélez à EXAME Invest em janeiro deste ano.