Acompanhe:

O período que precede o término da faculdade pode ser definido como um momento de “planos”. Ao conseguir o primeiro emprego, diversos sonhos surgem: o carro que tanto sonhou, um imóvel para sair do aluguel, uma viagem que tanto quis fazer. Mas, tudo isso exige planejamento e, claro, dinheiro.

Para alcançar essas conquistas, é necessário se organizar financeiramente e o mundo dos investimentos pode ser um caminho. Entretanto, em algumas situações, é necessário estratégia e paciência. Para comprar um imóvel, por exemplo, o investidor precisará ter aplicações de médio/longo prazo, que tragam uma boa rentabilidade, ao mesmo tempo que não seja tão arriscado.

Pensando nessa situação, especialistas dão dicas e sugestões de como seria uma carteira de investimento ideal para esse momento: como juntar dinheiro para comprar um imóvel?

Duas ideias de carteira de investimento

Genial Investimentos

Em uma situação onde a pessoa é recém-formada e está começando agora no primeiro emprego, a compra do imóvel aconteceria em um futuro um pouco mais distante. Sendo assim, é considerado uma aplicação de médio/longo prazo.

Ao considerar um investidor com o perfil moderado, ou seja, que aceita tomar riscos, mas gosta de uma certa proteção, Luigi Wis, especialista em investimentos da Genial Investimentos, sugere a seguinte divisão:

O especialista explica que como é uma carteira de longo prazo, ou seja, o investidor irá atingir o objetivo depois de 5 anos ou mais, é possível ter uma parcela de renda variável maior na carteira. Como sugestão, Wis recomenda três classes de fundos: imobiliários, multimercado e de ações.

“Devemos ter uma Selic em queda até agosto e, depois, um período longo de estabilidade. Isso é bastante vantajoso para a classe de renda variável, tanto para FIIs, como para fundos de ações ou multimercado, já que, historicamente, em ciclos de queda de juros, ativos de renda variável se beneficiam. Nessas classes de ativos, enxergamos um retorno acima da Selic”, pontua o especialista.

Entretanto, ele complementa que somente os 10% em fundos de ações trazem uma volatilidade moderada a baixa, então é uma carteira que contém renda variável, mas sem desvirtuar o perfil do cliente. Somado a isso, também há a parcela em renda fixa pós-fixada ao CDI e ao IPCA, que protege a carteira, ao mesmo tempo que segue entregando rentabilidade.

Na parte de FIIs, Wis comenta que a classe de ativos está rendendo um dividend yield de 10% anual e ainda é isento de Imposto de Renda, o que torna a opção atrativa. “Em fundos imobiliários, o investidor também pode ganhar com a valorização da cota e ter ganhos superiores à Selic”, pontua.

CM Capital

Já Nilson Marcelo, analista quantitativo da CM Capital, trabalhou com um perfil arrojado de investidor e sugeriu o seguinte investimento para a mesma situação:

“Para um recém-formado interessado em investir para comprar um imóvel no médio a longo prazo, é importante considerar uma carteira que ofereça um equilíbrio entre retorno potencial e segurança. O Tesouro IPCA, por exemplo, oferece rendimento igual à variação da inflação mais uma taxa prefixada de juros. É o papel ideal para investimentos de longo prazo”, comenta Marcelo.

Já na parte de ações de empresas sólidas, o especialista explica que o investidor deve procurar papéis que tenham fundamentos financeiros estáveis e fortes. Ou seja, empresas que tendem a ter um histórico consistente de lucros, baixa dívida, fluxo de caixa saudável e uma posição competitiva sólida em seu setor. Como exemplo, Marcelo cita Banco do Brasil Seguridade (BBSE3), Porto (PSSA3), Weg (WEGE3) e Sanepar (SAPR4).

Segundo Marcelo, as ações de crescimento, chamadas em inglês de growth stocks, por sua vez, são ótimas oportunidades de investimentos, já que são empresas que se espera que cresçam a uma taxa acima da média do mercado.

Isso porque elas geralmente reinvestem a maior parte de seus lucros no negócio para expandir suas operações e aumentar seus ganhos. A exemplo, ele cita os BDR (brazilian depositary receipts) de Apple (AAPL34), Amazon (AMZN34), Microsoft (MSFT) e Google (GOGL34) como boas ótimas opções visando o futuro, podendo ser comprados sem necessidade de se abrir uma conta no exterior.

Confira as últimas notícias de Invest:

Créditos

Últimas Notícias

Ver mais
Luxo na capital do agro: Goiânia já é o terceiro maior mercado imobiliário do País em VGV
seloMercado imobiliário

Luxo na capital do agro: Goiânia já é o terceiro maior mercado imobiliário do País em VGV

Há um dia

Preço médio do aluguel no país sobe 3,75% no primeiro trimestre; veja valor por capital
seloMercado imobiliário

Preço médio do aluguel no país sobe 3,75% no primeiro trimestre; veja valor por capital

Há 2 dias

Comprei um imóvel: como passar o IPTU para meu nome? Quanto tempo tenho para fazer a transferência?
seloMercado imobiliário

Comprei um imóvel: como passar o IPTU para meu nome? Quanto tempo tenho para fazer a transferência?

Há 5 dias

Startup lança plataforma para tokenizar imóveis em 100 cidades do Brasil
Future of Money

Startup lança plataforma para tokenizar imóveis em 100 cidades do Brasil

Há 6 dias

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais