Como escolher ativos no exterior? Fintech Nomad aposta em robô advisor

Recomendação de portfólios com ETFs e ações no mercado externo é feita com uso de machine learning a partir do perfil do investidor; aplicação mínima é de 100 dólares
Lucas Vargas, CEO do Nomad: banco digital voltado a brasileiros no exterior passa a oferecer carteiras de investimentos (Leandro Fonseca/Exame)
Lucas Vargas, CEO do Nomad: banco digital voltado a brasileiros no exterior passa a oferecer carteiras de investimentos (Leandro Fonseca/Exame)
Por Marcelo SakatePublicado em 22/04/2021 06:15 | Última atualização em 22/04/2021 10:39Tempo de Leitura: 5 min de leitura

Uma das principais dificuldades para o investidor brasileiro que decide diversificar a sua carteira no exterior é saber escolher os ativos mais adequados ao seu perfil e ao horizonte de tempo. Apenas nas bolsas americanas existem cerca de 6.000 companhias listadas. São mais de 2.200 ETFs (os fundos de índice). E por aí vai na oferta à disposição.

De olho na "dor do investidor", a fintech Nomad, voltada para dar acesso a brasileiros que moram no país a serviços financeiros diversos nos Estados Unidos, começou a oferecer portfólios montados com o uso de modelos com robôs advisors (assessores) e machine learning. A tecnologia foi adquirida de uma startup de ex-alunos do MIT e de Stanford.

Quer investir em papéis das maiores empresas do mundo? Veja como com a EXAME Invest Pro

"Entendemos que há uma dor do investidor brasileiro, pessoa física, de alta renda, que passou anos bem atendido pela renda fixa. Esse investidor está ávido por alternativas que possam ajudá-lo a gerenciar o seu portfólio", afirmou Lucas Vargas, CEO da Nomad, à EXAME Invest. Ele faz menção ao diagnóstico já difundido da necessidade de buscar outras classes de ativos para rentabilizar o patrimônio em tempos de juros mais baixos.

"Há investidores que não possuem nem tempo nem dinheiro para fazer trade de ações no exterior por meio de corretoras", complementa o executivo em relação à proposta da fintech de oferecer recomendação por meio de algoritmos, com a supervisão de um CIO (executivo-chefe de investimentos).

O algoritmo gera possíveis portfólios com diferentes alocações de ativos adequadas a três perfis de risco: um mais conservador, outro mais moderado e um terceiro mais agressivo. A definição dos perfis ocorre de maneira semelhante à do mercado brasileiro, a partir de respostas a questões que incluem a tolerância a risco e a expectativa de duração do investimento.

A oferta de carteiras recomendadas aos três perfis representa, por sua vez, a porta de entrada da fintech ao segmento de investimentos no exterior, em particular nos Estados Unidos. Os portfólios são compostos por ETFs dos mais variados temas -- como small caps e commodities -- e ações.

Mais produtos estão por vir, diz Vargas, antecipando que serão lançados portfólios temáticos em um segundo momento. Os dois primeiros foram decididos a partir da demanda dos próprios clientes: tecnologia e ESG.

Quando faz menção ao varejo de alta renda que está na base da Nomad, o executivo diz que é o investidor que em média tem cerca de 130 mil reais já alocados em aplicações financeiras. Mas faz a ressalva de que o valor de entrada é mais baixo, a partir de 100 dólares.

O depósito pode ser feito diretamente na conta de investimentos aberta nos EUA, o que se traduz em uma alíquota de IOF (Imposto sobre Operações Financeiras) de 0,38%. É abaixo do 1,1% cobrado de transferência para conta bancária. Tudo por meio do aplicativo da fintech.

O uso de algoritmos, por sua vez, permite à fintech cobrar uma taxa de administração de 0,5% ao ano, um custo mais baixo em relação aos 2% que são padrão em fundos brasileiros que investem no exterior.

No perfil mais conservador, o portfólio tem uma parcela maior de ETFs de renda fixa no exterior para reduzir o risco dos ativos. No mais agressivo, essa composição prevê uma fatia reduzida desses ativos mais conservadores.

Vargas ressalta que a proposta da Nomad é que o brasileiro tenha uma parte do seu patrimônio no exterior, o que significa que o risco do dólar -- uma eventual desvalorização da moeda, por exemplo -- é atenuado no prazo mais dilatado. "O risco é em dólar, mas a conta é em dólar, a carteira também, está tudo lá fora", afirma.

Segundo ele, o capital dos clientes da Nomad alocado no exterior atende em geral a dois propósitos: um de curto prazo, como despesas de viagens programadas ao exterior. E outro é a construção de patrimônio de longo prazo, o que significa que o cliente está de certa forma protegido da volatilidade de curto prazo nas cotações da moeda americana.

Banco de brasileiros em dólar

A oferta de investimentos é mais um passo dentro da trajetória acelerada da Nomad. A fintech fundada pelos experientes empreendedores seriais Eduardo Haber, Marcos Nader e Patrick Sigrist entrou em operação comercial no fim de 2020.

Em menos de seis meses, a fintech superou a marca de 10.000 clientes brasileiros não-residentes nos Estados Unidos. A meta é chegar ao fim de 2021 com 100 mil clientes.

A Nomad nasceu com uma conta corrente digital em dólar voltada para não-residentes, em parceria com um banco americano, além de um cartão de débito virtual na moeda americana. A parceria garante aos clientes a cobertura de depósitos até 250 mil dólares pelo Federal Deposit Insurance Corporation (FDIC), equivalente ao Fundo Garantidor de Créditos.

A conta de investimentos, por sua vez, é segurada pelo SIPC (Securities Investors Protection Corporation), que oferece mecanismo de proteção de até 500 mil dólares.

Também é oferecida atualmente a remessa para o exterior. O atendimento sobre produtos e serviços é feito em português, o que é apresentado pelos sócios como um dos diferenciais da fintech. O principal é a "oferta transversal" de produtos para o cliente, afirmam.

"Queremos ser o banco dos brasileiros em dólar", afirmou Sigrist, um dos fundadores do iFood, à EXAME Invest em novembro passado.

O objetivo mais ambicioso de Sigrist, Haber e Nader é tornar a Nomad um hub de serviços financeiros nos Estados Unidos para brasileiros. Isso significa que, uma vez com recursos na conta americana, o cliente terá acesso a produtos disponíveis em todo o mercado, e daí o passo importante dado agora com investimentos.