O plano do Bradesco e de uma empreendedora para levar finanças às massas

Stéphanie Fleury vendeu a fintech DinDin para ao 2º maior banco privado. Agora planeja dar escala ao plano de ampliar o acesso de serviços financeiros

Levar serviços financeiros digitais para a base da pirâmide, com a expertise de quem está há quatro anos lidando com as dores d0 público de entrada. Assim pode ser definida a estratégia do Bradesco com a incorporação da fintech DinDin, um negócio que traz para dentro do segundo maior banco privado do país a admissão de que há muito a ser feito para que serviços e produtos se tornem verdadeiramente acessíveis no país.

Ganha pouco, mas gostaria de começar a guardar dinheiro e investir? Aprenda com a EXAME Academy

“Ainda estamos patinando na educação financeira. Isso vai do pequeno empresário que não entende que a taxa da maquininha ou o valor da TED influencia o valor final que ele cobra pelo produto ou serviço até crianças e adolescentes que não recebem qualquer educação sobre finanças em uma fase em que poderiam começar a assimilar tais hábitos”, afirmou Stéphanie Fleury, sócia-fundadora e presidente da DinDin, à EXAME Invest.

A DinDin será incorporada pelo Bitz, nome da nova carteira digital e da conta de pagamentos do Bradesco. Um dos propósitos da fintech é oferecer serviços financeiros básicos, mais acessíveis, ao público da classe C e D. “Não existe espaço para cobrar desse público, ao menos na entrada”, diz a empreendedora, citando que o primeiro produto do Bitz veio com cashback, uma ferramenta importante para esse cliente.

O negócio, anunciado há dois meses, ainda depende da aprovação do Banco Central. Mas já causa impacto na fintech, em linha com um dos motivos que levaram Fleury e os sócios a aceitar a proposta de aquisição integral pelo Bradesco, por valor não revelado.

“Como CEO da DinDin, eu tinha que correr atrás de clientes e provar que tinha condições de entregar o que as pessoas queriam. E então elas passam te procurar, algumas a partir do comunicado do negócio. O banco tem uma força descomunal em áreas fundamentais como a capacidade de distribuição”, diz Fleury, que se destaca como uma empreendedora à frente de uma fintech em um segmento com predomínio masculino em cargos de liderança.

O DinDin foi fundado em 2016 por Fleury e três amigos, Juliana Furtado, Renato Avila e Brunna Beccaro. A ideia original era oferecer uma plataforma de envio de dinheiro entre amigos, mas o modelo mudou para uma carteira e, depois, uma conta digital para pessoas físicas e jurídicas, com diferentes funcionalidades, a maioria gratuita. 

Um dos principais produtos é uma mesada digital voltada para crianças e adolescentes, em linha com a preocupação expressada pela empreendedora.

A sócia da fintech não abre números do aumento de downloads da fintech, reforçando que o objetivo da parceria vai além dos números.

Estudiosa e especialista em educação financeira, Fleury avalia que o aumento do acesso da população a serviços financeiros digitais é um fenômeno que ganhou tração e só vai aumentar com o uso crescente da tecnologia aplicada a serviços financeiros.

“O Pix vai levar a uma revolução para o varejo e vão surgir muitas fintechs com novos modelos de negócios. E com o open banking, ainda mais”, diz.

A carteira digital vai incorporar o Pix, bem como o open banking, na medida em que ele entrar em operação. “Hoje o garçom passa na mesa e fala ‘quer paga com QR Code? Está na mesa’. São novos hábitos que a pandemia acelerou”, afirma.

Conheça a EXAME Invest, o novo canal de investimentos da EXAME

Os planos, divulgados à época do anúncio da aquisição, são ambiciosos. “Planejamos em três anos conquistar de 20% a 25% do mercado (de carteiras digitais). Nós não viemos para ser o quarto ou quinto colocado. Queremos ser o primeiro ou segundo em três anos e depois encabeçar o mercado”, conta Fleury, que vai assumir como head comercial da Bitz, cuidando de distribuição e parcerias, quando o negócio tiver obtido as devidas aprovações.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 15,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Atenção! A sua revista EXAME deixa de ser quinzenal a partir da próxima edição. Produziremos uma tiragem mensal. Clique aqui para saber mais detalhes.