• BVSP 117.669,90 -0,5%
  • USD 5,6926 +0,0000
  • EUR 6,7616 +0,0000
  • ABEV3 15,43 -0,13%
  • BBAS3 29,27 +0,55%
  • BBDC4 25,25 +0,04%
  • BRFS3 23,91 -1,97%
  • BRKM3 43,57 -0,98%
  • BRML3 9,95 +1,95%
  • BTOW3 62,7 -0,85%
  • CSAN3 89,25 -0,45%
  • ELET3 35,45 -1,50%
  • EMBR3 16,02 -0,37%
  • Petróleo 59,31 +0,00%
  • Ouro 1.748,70 +0,00%
  • Prata 26,19 +0,00%
  • Platina 1.209,30 +0,00%

Na contramão do petróleo: Petrobras afunda 4% após saída de conselheiros

As ações da Petrobras (PETR3; PETR4) afundam cerca de 4% nesta quarta-feira, 3, na contramão dos preços do petróleo no exterior, após saída de quatro membros do conselho da companhia. Com o movimento, os papéis aparecem neste momento entre as maiores quedas do Ibovespa nesta tarde.

O pedido feito por quatro membros do conselho da empresa para que não sejam reconduzidos na próxima eleição do colegiado é "bastante negativo", avalia o estrategista-chefe da Guide Investimentos, Luis Sales.

Aprenda a operar opções para lucrar com o sobe-e-desce das cotações das ações. Clique aqui e saiba mais

"A saída é bastante negativa à medida que aumenta ainda mais as incertezas do mercado com relação a questões internas da companhia", comentou.

Ele acrescenta que esses conselheiros davam aos investidores maior segurança em relação à sequência da política de preços, portanto, o pedido agora é enxergado como mais um fator de risco para o investimento na empresa.

Ontem, a estatal informou que os conselheiros João Cox Neto, Nivio Ziviani, Paulo Cesar de Souza e Silva e Omar Carneiro da Cunha Sobrinho pediram para deixar os postos de conselheiros da companhia. Os quatro são indicados pelo governo, acionista controlador da petroleira.

O movimento dos papéis da Petrobras hoje vai em direção oposta aos preços do petróleo no mercado internacional. Os contratos do petróleo Brent, negociados em Londres e usados como referência pela estatal, subiam 1,26% nesta sessão, indo para 63,49 dólares a tonelada.

A alta ocorre em meio à notícia da Reuters de que os membros da Opep+ estão considerando, em reunião que teve início hoje e encerra amanhã, prorrogar os cortes na produção da commodity de março para abril, ao invés de elevar a oferta, enquanto sinais de progresso na vacinação contra o coronavírus nos Estados Unidos dão suporte adicional aos preços da commodity.

 

 

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.