Minhas Finanças

Um terço dos recém-casados desconhecem finanças do cônjuge

Cerca de 20% dos homens e 12% das mulheres mantêm contas bancárias sem contar para os parceiros, segundo levantamento


	Infidelidade financeira: apenas 40% dos entrevistados conheciam a situação financeira do cônjuge antes do casamento, segundo estudo feito nos EUA.
 (OcusFocus/Thinkstock)

Infidelidade financeira: apenas 40% dos entrevistados conheciam a situação financeira do cônjuge antes do casamento, segundo estudo feito nos EUA. (OcusFocus/Thinkstock)

DR

Da Redação

Publicado em 2 de maio de 2016 às 14h58.

Apesar de todas as promessas feitas no altar, os noivos raramente se comprometem a dizer ao novo companheiro qual é a situação de suas contas bancárias.

Como resultado, 33%dos recém-casados se surpreendem com a situação econômica do parceiro e 36% não sabem nada sobre os hábitos de despesas do companheiro, de acordo com uma pesquisa realizada recentemente pela empresa de monitoramento de crédito Experian com americanos.

Quando perguntados qual a quantia máxima que gastariam sem consultar previamente o cônjuge, os homens responderam US$ 1.259. As mulheres disseram US$ 383.

Os homens foram mais propensos a esconder dinheiro dos cônjuges: cerca de 20% tinham contas secretas sem o conhecimento do cônjuge, em comparação com 12% das mulheres.

A pesquisa com 1.002 adultos dos EUA que se casaram no ano passado foi realizada pela Experian pela internet de 21 de janeiro a 1º de fevereiro deste ano.

“Talvez as pessoas que têm um salário mais alto sejam as que o mantêm em segredo”, disse Michael Slepian, pesquisador pós-doutorado e especialista em sigilo da Faculdade de Administração de Columbia, nos EUA.

“Para mim, faz sentido que os homens mantenham esses detalhes financeiros em segredo mais do que as mulheres, porque acho que elas contam essas coisas mais para outras pessoas”.

Dos participantes da pesquisa, 49% se identificaram como homens e 51% como mulheres. A pesquisa não perguntou aos participantes se eles estavam em relacionamentos heterossexuais ou homossexuais.

Apesar da importância de um perfil de crédito saudável para decisões importantes na vida conjugal, como a compra de um carro para a família ou da primeira residência, apenas 40% conheciam o perfil de crédito do parceiro antes de se casarem.

Dos participantes, 56% concordaram com a seguinte afirmação: “Antes de me casar, pensei em como o perfil de crédito de um potencial cônjuge poderia afetar minhas finanças”.

Os perfis de crédito são uma fonte de problemas conjugais para 39% dos recém-casados e 19% precisaram de um fiador depois de se casar porque não tinham crédito suficiente.

As dívidas não tinham sido discutidas em detalhe antes do casamento e 31% dos participantes não sabiam qual era o saldo dos empréstimos estudantis dos parceiros.

Independentemente de a informação financeira mantida em sigilo pelo cônjuge se centrar em crédito, salário ou dívida, Slepian disse que esconder informações pode prejudicar o relacionamento dos recém-casados.

“As pessoas muitas vezes acham que revelar um segredo terá consequências negativas, mas mantê-lo e revelar mais tarde não melhorará a situação”.

Acompanhe tudo sobre:Casamentogastos-pessoais

Mais de Minhas Finanças

Bolsa Família paga hoje para quem tem NIS final 1

Pix com cartão de crédito: como funciona esta opção e quando é vantajoso usá-la

Receita Federal realiza leilão com iPhone 13 Pro Max 128 GB, Volkswagen Gol e mais

Nubank fora do ar? Aplicativo tem instabilidade e clientes não conseguem completar operações

Mais na Exame