Minhas Finanças

Tenho R$ 4 mil na poupança. Onde invisto neste cenário de pandemia?

Especialista responde dúvida de leitor sobre investimentos. Envie você também a sua pergunta

 (Designed by Creativeart / Freepik/Creative Commons)

(Designed by Creativeart / Freepik/Creative Commons)

Karla Mamona

Karla Mamona

Publicado em 19 de abril de 2020 às 08h46.

Última atualização em 20 de abril de 2020 às 17h28.

Dúvida do leitor: "Tenho 4 mil reais na poupança, mas quero tirar e colocar em algum investimento que renda um pouco mais. Mas, como está tudo muito incerto com a pandemia, minha dúvida é: em qual?”

Resposta de: Letícia Camargo, CFP®

Os depósitos em poupança efetuados a partir de 04 de maio de 2012 estão rendendo cada vez menos e podem chegar a ter juros reais (aqueles acima da inflação) muito próximos de zero ou até negativos.

Isso ocorreu pois houve uma queda significativa dos juros, onde a Meta Selic foi de 14,25% em agosto de 2016 para 3,75% em março deste ano. E a rentabilidade desses depósitos é dada por 70% da Meta Selic mais a TR (que está zerada no momento), quando essa meta for igual ou menor do que 8,5% ao ano.

Vale ressaltar e aqui abro um parêntese, que para os depósitos na poupança anteriores à essa data, a rentabilidade ainda é dada por 0,5% ao mês mais a TR, o que atualmente é um ótimo rendimento para um investimento conservador.

Desta forma, já que os juros estão em patamares muito baixos e considerando que seus depósitos na poupança são recentes, faz-se relevante a necessidade de procurar novos investimentos para diversificar a sua carteira.

Porém, antes de mais nada, é preciso manter uma reserva de emergências de 3 a 12 vezes seus gastos mensais investidos em produtos de baixo risco que possam ser resgatados facilmente. Esses valores poderão ser investidos no Tesouro Selic ou em um Fundo DI com baixas taxas de administração, por exemplo, ou na própria poupança.

Se o caro leitor já possuir essa reserva, poderá começar a diversificar sua carteira com os recursos excedentes em outras classes de ativos com algum risco. Para isso, poderá investir nos outros títulos do Tesouro Direto, aplicando em Tesouro IPCA e/ou Tesouro Prefixado. Conforme for aumentando seu montante em investimentos, poderá alocar também em fundos multimercado, fundos imobiliários ou até em fundos de ações.

Mas, vale comentar que o momento agora é de bastante volatilidade devido à pandemia e, portanto, investimentos em produtos mais arriscados deverão ser efetuados com cautela e aos poucos, nunca de uma tacada só!

Por fim, essa alocação deverá estar de acordo com seus objetivos, seu perfil de risco e horizonte de investimento. Sugiro que preencha um questionário de API (Análise de Perfil do Investidor) para identificar se é mais conservador ou mais afeito ao risco.

Saiba que você está no caminho certo em já possuir uma reserva financeira e procurar diversificar sua carteira de uma forma adequada. Continue com sua disciplina em poupar e bons investimentos!

Letícia Camargo é planejadora financeira pessoal e possui a certificação CFP® (Certified Financial Planner), concedida pela Planejar - Associação Brasileira de Planejadores Financeiros. E-mail: leticia@leticiacamargo.com.br.

As respostas refletem as opiniões do autor, e não do site Exame ou da Planejar. O site e a Planejar não se responsabilizam pelas informações acima ou por prejuízos de qualquer natureza em decorrência do uso destas informações.

Envie suas dúvidas sobre investimentos para seudinheiro@exame.com

Acompanhe tudo sobre:CoronavírusInvestimentos-pessoaisPoupança

Mais de Minhas Finanças

Mega-Sena sorteia nesta quinta-feira prêmio acumulado em R$ 47 milhões

Caixa começa a pagar nesta quinta-feira o Bolsa Família de julho; veja calendário

Bolsa Família paga hoje para quem tem NIS final 1

Pix com cartão de crédito: como funciona esta opção e quando é vantajoso usá-la

Mais na Exame