• AALR3 R$ 20,21 -0.44
  • AAPL34 R$ 67,12 -0.36
  • ABCB4 R$ 16,61 -0.24
  • ABEV3 R$ 14,02 -0.78
  • AERI3 R$ 3,58 -0.83
  • AESB3 R$ 10,77 1.41
  • AGRO3 R$ 30,87 -0.77
  • ALPA4 R$ 20,36 -2.26
  • ALSO3 R$ 18,82 -1.00
  • ALUP11 R$ 27,15 -0.59
  • AMAR3 R$ 2,35 -2.08
  • AMBP3 R$ 29,72 -1.91
  • AMER3 R$ 22,55 -1.44
  • AMZO34 R$ 63,90 0.20
  • ANIM3 R$ 5,32 -0.75
  • ARZZ3 R$ 78,93 -1.09
  • ASAI3 R$ 15,66 -1.51
  • AZUL4 R$ 20,28 -1.98
  • B3SA3 R$ 11,88 -1.16
  • BBAS3 R$ 37,49 -0.82
  • AALR3 R$ 20,21 -0.44
  • AAPL34 R$ 67,12 -0.36
  • ABCB4 R$ 16,61 -0.24
  • ABEV3 R$ 14,02 -0.78
  • AERI3 R$ 3,58 -0.83
  • AESB3 R$ 10,77 1.41
  • AGRO3 R$ 30,87 -0.77
  • ALPA4 R$ 20,36 -2.26
  • ALSO3 R$ 18,82 -1.00
  • ALUP11 R$ 27,15 -0.59
  • AMAR3 R$ 2,35 -2.08
  • AMBP3 R$ 29,72 -1.91
  • AMER3 R$ 22,55 -1.44
  • AMZO34 R$ 63,90 0.20
  • ANIM3 R$ 5,32 -0.75
  • ARZZ3 R$ 78,93 -1.09
  • ASAI3 R$ 15,66 -1.51
  • AZUL4 R$ 20,28 -1.98
  • B3SA3 R$ 11,88 -1.16
  • BBAS3 R$ 37,49 -0.82
Abra sua conta no BTG

Planos de saúde devem ser mais transparentes em reajuste, diz Procon-SP

Segundo o Procon-SP, a ANS deve cumprir o papel de supervisionar as operadoras dos planos de saúde e exigir mais transparência em relação aos preços
Planos de saúde: "atualmente ninguém sabe quais os critérios técnicos que motivaram as operadoras a fazerem reajustes superiores a 200%", alerta o Procon-SP (Getty Images/Rapeepong Puttakumwong)
Planos de saúde: "atualmente ninguém sabe quais os critérios técnicos que motivaram as operadoras a fazerem reajustes superiores a 200%", alerta o Procon-SP (Getty Images/Rapeepong Puttakumwong)
Por Karla MamonaPublicado em 08/09/2021 16:08 | Última atualização em 08/09/2021 16:08Tempo de Leitura: 3 min de leitura

O Procon-SP determinou que a Agência Nacional de Saúde (ANS) tome providências para garantir mais transparência nos reajustes anuais aplicados pelas operadoras de planos de saúde. A decisão ocorreu após a entidade de defesa do consumidor se reunir com Marcelo Queiroga, ministro da Saúde e com o Conselho de Saúde Suplementar (Consu ) – órgão deliberativo do Ministério da Saúde. 

A determinação foi definida por meio da publicação da Resolução CONSU nº1 de 2 de setembro, que dispõe sobre a Política Nacional de Saúde Suplementar para o enfrentamento da Covid-19 e estabelece um prazo de 60 dias para o órgão regulador adotar as medidas.

Sobre a decisão, Fernando Capez, diretor-executivo do Procon-SP, afirmou que nas duas oportunidades em que encontrou o ministro em Brasília, o Procon-SP pleiteou para que a ANS cumprisse o papel de supervisionar as operadoras dos planos de saúde e exigisse mais transparência, principalmente, no momento de aplicar os reajustes nas mensalidades dos consumidores. 

“Atualmente ninguém sabe quais os critérios técnicos que motivaram as operadoras a fazerem reajustes superiores a 200%. Finalmente o CONSU acolheu o pleito do Procon-SP e determinou o dever da ANS de exigir mais transparência do setor”, disse.

Ele acredita que o resultado da medida será uma diminuição no valor das mensalidades. “O consumidor vai descobrir que os reajustes não se justificam nos patamares atuais e que muito do que é pago hoje diz respeito a taxas de administração e corretagem”, acrescenta.  

Planos coletivos e reajustes

Os planos de saúde coletivos são aqueles em que uma empresa ou entidade de classe (sindicato, associação etc.) contrata a operadora de plano de saúde em benefício de seus funcionários ou associados, ou seja, trata-se de um contrato entre duas pessoas jurídicas. Os reajustes de preço dessa modalidade não são regulados pela ANS, diferente dos individuais que têm os reajustes controlados.

Segundo o Procon-SP, os planos de saúde coletivos sofreram reajustes em percentuais elevados e muito superiores aos índices aplicados a planos individuais sem que houvesse justificativa técnica para se chegar a esses percentuais.

Falsos coletivos

O órgão de defesa do consumidor alerta ainda que estão sendo oferecidos no mercado planos de saúde supostamente coletivos, em que pessoas físicas (consumidor) são induzidas a constituírem uma empresa (pessoa jurídica) – necessária essa modalidade de contrato – apenas para conseguirem fazer um plano de saúde. “Trata-se de uma falsa coletivização dos planos de saúde, que tem como objetivo evitar a fiscalização da ANS, oferecendo um preço inicialmente mais atrativo, mas cujo reajuste anual não é.”

Veja Também

Quem tem direito ao seguro-desemprego?
Conta em dia
Há 3 horas • 3 min de leitura

Quem tem direito ao seguro-desemprego?

O movimento liderado pela ABB por mais eficiência energética
Apresentado por ABB
Há 3 horas • 5 min de leitura

O movimento liderado pela ABB por mais eficiência energética

INSS paga a segunda parcela do 13º salário a partir desta quarta-feira
Minhas Finanças
Há 3 horas • 2 min de leitura

INSS paga a segunda parcela do 13º salário a partir desta quarta-feira