Exame logo 55 anos
Remy Sharp
Acompanhe:

Pânico mudou tudo nas aplicações de renda fixa

Economistas que esperavam uma nova alta de juros agora já cogitam uma queda; veja o que muda nos investimentos via Tesouro Direto

Modo escuro

Continua após a publicidade
BC: sem nenhum consenso sobre o futuro dos juros, especialistas recomendam a compra de títulos indexados à inflação para investidor com perfil de longo prazo (EXAME)

BC: sem nenhum consenso sobre o futuro dos juros, especialistas recomendam a compra de títulos indexados à inflação para investidor com perfil de longo prazo (EXAME)

J
João Sandrini

Publicado em 16 de agosto de 2011 às, 13h33.

São Paulo – Não foi apenas nas bolsas de valores globais que o pânico da semana passada deixou suas marcas. Nos investimentos em renda fixa, praticamente tudo mudou nos últimos dias. Em um curtíssimo espaço de tempo, a maioria dos analistas deixou de prever novas altas de juros no Brasil neste ano e passou a apostar na manutenção da Selic no atual patamar – sendo que mesmo o início de um novo ciclo de baixa já não é descartado para breve.

A situação da economia mundial, dizem os especialistas, será chave para desvendar para onde vão os juros. Muitos bancos de investimento e economistas renomados acreditam que os Estados Unidos e a Europa vão se juntar ao Japão e entrarão em uma nova recessão nos próximos meses. É óbvio que a desgraça alheia afetaria diretamente o Brasil. Como não se cansam de repetir os economistas, sempre que os EUA espirram, o resto do mundo pega gripe.

Apesar de nunca ser uma boa notícia para ninguém, uma recessão mundial é vista como uma possível oportunidade para o Brasil. O Banco Central poderia ter a chance de voltar a baixar os juros em breve devido ao efeito benéfico da recessão sobre a inflação. Tanto a redução no preço das commodities quanto a maior oferta de produtos importados no Brasil poderiam aliviar pressões específicas sobre os preços.

Apesar de a direção dos juros ainda ser incerta, já se formou um consenso no mercado sobre o resultado da próxima reunião do Copom, em 31 de agosto. Em entrevista ao editor Luís Artur Nogueira, de EXAME.com, o ex-diretor do BC e economista-chefe do Itaú Unibanco, Ilan Goldfajn, afirmou que o BC deverá interromper o ciclo de alta da Selic, mantendo a taxa em 12,5% ao ano. Essa é a aposta de praticamente todo o mercado neste momento.

A mudança de expectativas já teve reflexo nos preços dos títulos de renda fixa Os juros pagos pelo Tesouro Nacional nos últimos leilões mostram, entretanto, que o ajuste foi pequeno. Os títulos públicos prefixados (LTN), que pagavam até 12,70% ao ano há cerca de um mês, hoje oferecem 12,1% ao investidor. De qualquer forma, a chamada “curva de juros” mostra claramente que as especulações em relação ao próximo movimento do BC deixaram de ser de alta e passaram a ser de baixa.


Nesse cenário de possível queda de juros no médio e longo prazo, afirma Bruno Carvalho, especialista de renda fixa da XP Investimentos, o melhor que o investidor tem a fazer é comprar títulos prefixados, como as LTN (Letras do Tesouro Nacional).

Para se ter uma ideia de quanto o investidor poderia ganhar ao se posicionar dessa forma, o Barclays Capital divulgou na semana passada uma estimativa de queda de juros caso o cenário recessivo na Europa e nos EUA se materialize. Em relatório, o analista Marcelo Salomon afirmou que o BC brasileiro poderia ter a chance de cortar a Selic em 3 pontos percentuais, para 9,5%, se o pior acontecer. O investidor que tem em mãos uma LTN que paga 12,1% ao ano em um cenário como esses ganharia, portanto, um bom dinheiro.

O problema é que nem o Barclays, nem a XP nem a maior parte do mercado acreditam ser muito provável um cenário catastrófico nos EUA e Europa. O gerente de investimentos da Lecca, Georges Catalão, por exemplo, não vê espaço para fortes quedas de juros no Brasil em um futuro próximo. Ele lembra que o IPCA está acima do teto da meta e deve retroceder lentamente nos próximos meses. Sua projeção para 2012 é de 5,2% - ainda acima do centro da meta de 4,5%.

Catalão diz que a inflação não cai rápido porque as maiores fontes de pressão sobre os preços estão no setor de serviços. Esse segmento está muito mais sujeito a oscilações no valor dos aluguéis ou do custo da mão de obra do que aos preços das commodities no mercado internacional. Com a expectativa de aumento do salário mínimo de quase 13% no próximo ano e com os reajustes salariais elevados que diversas categorias deverão receber nos próximos meses, uma eventual trégua internacional não seria suficiente para reduzir as pressões inflacionárias. É por esse motivo que ele recomenda aos clientes preferir uma exposição em LFT (Letras Financeiras do Tesouro, que seguem a taxa Selic) ao invés de LTN.

Se não há nenhum tipo de consenso entre especialistas sobre o futuro dos juros, uma aposta sensata para o momento parece ser a compra de títulos indexados à inflação. As NTN-B pagam atualmente IPCA mais uma taxa de juros de 6,4% ao ano. Se a inflação de pouco mais de 6% esperada pelo mercado para os próximos 12 meses se materializar, o investidor levaria para casa uma remuneração anual de cerca de 13% ao ano. Na visão dos especialistas da Lecca e da XP, essa é, neste momento, a melhor opção para o investidor que planeja deixar os recursos aplicados no longo prazo.

Últimas Notícias

Ver mais
PIS 'esquecido': herdeiros podem sacar dinheiro de trabalhador falecido; saiba como

seloMinhas Finanças

PIS 'esquecido': herdeiros podem sacar dinheiro de trabalhador falecido; saiba como

Há 3 horas

Após a morte do meu marido, não posso manter meu plano de saúde. Sou obrigada a contratar um novo?

seloMinhas Finanças

Após a morte do meu marido, não posso manter meu plano de saúde. Sou obrigada a contratar um novo?

Há 4 horas

Bolsa Família de dezembro: pagamento começa na segunda-feira; veja quem recebe

seloMinhas Finanças

Bolsa Família de dezembro: pagamento começa na segunda-feira; veja quem recebe

Há 4 horas

Mega-Sena Concurso 2666: Aposta de Minas Gerais ganha sozinha o prêmio e leva mais de R$ 30 milhões

seloMinhas Finanças

Mega-Sena Concurso 2666: Aposta de Minas Gerais ganha sozinha o prêmio e leva mais de R$ 30 milhões

Há 5 horas

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Lead Energy quer reduzir R$ 1 bi na conta de luz dos brasileiros até 2027

Lead Energy quer reduzir R$ 1 bi na conta de luz dos brasileiros até 2027

Ceará deve se tornar um dos maiores produtores do combustível do futuro

Ceará deve se tornar um dos maiores produtores do combustível do futuro

“O número de ciberataques tem crescido 20% ao ano”, diz a Huawei

“O número de ciberataques tem crescido 20% ao ano”, diz a Huawei

“A geração de energia caminha lado a lado com o desenvolvimento econômico”, diz Paulo Câmara

“A geração de energia caminha lado a lado com o desenvolvimento econômico”, diz Paulo Câmara

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais