Mercado secundário de fundos imobiliários deve crescer 50%, estima XP

As taxas de juros básicas baixas no Brasil tem estimulado investidores de varejo a buscar produtos de maior rendimento como os FIIs
 (efrederiksen/Getty Images)
(efrederiksen/Getty Images)
C
Cristiane Lucchesi, da Bloomberg

Publicado em 14/12/2020 às 12:49.

Última atualização em 14/12/2020 às 12:50.

(Bloomberg) O volume de negócios no mercado secundário de fundos de investimento imobiliário (FIIs) no Brasil pode aumentar 50% nos próximos 12 a 24 meses à medida que os grandes investidores vendidos entrem no mercado, de acordo com a XP Investimentos.

Garanta uma renda mensal aprendendo a investir em fundos imobiliários

“Mais fundos de ações, multimercado, fundos de pensão e seguradoras começarão a participar e aumentar o volume”, disse Giancarlo Gentiluomo, chefe de distribuição dos fundos imobiliários da XP, em uma entrevista.

Os fundos imobiliários negociados em bolsa são novos no Brasil, com um volume de 44 bilhões de reais no mercado secundário até outubro, de acordo com a bolsa de valores do país, B3. A bolsa começou a permitir aluguel de cotas no mês passado, em um esforço para aumentar o volume.

“Muitos grandes investidores não podiam realmente entrar no mercado antes, porque eles só participam quando podem negociar em ambos os lados, construindo posições compradas e vendidas”, disse Gentiluomo.

Os ganhos de volume serão graduais porque os investidores de varejo, que detêm 74% das cotas desses fundos, precisam de tempo para se familiarizar com o processo de alugar essas cotas, disse Gentiluomo.

As taxas de juros básicas baixas no Brasil tem estimulado investidores de varejo a buscar produtos de maior rendimento, como fundos imobiliários. Mas o mercado ainda totalizava cerca de 110 bilhões  de reais outubro, uma pequena fração do total da indústria de fundos de 5,7 trilhões de reais.

Os fundos imobiliários tiveram um desempenho ruim este ano, com preços distorcidos pela falta de liquidez em meio a vendas estimuladas pela pandemia. O IFIX, índice que acompanha os fundos, caiu mais de 13% neste ano, ante queda de 1% do índice de ações Ibovespa.