Invest

Cartão de crédito ou conta internacional? Entenda qual é a melhor opção para gastar no exterior

Desde o dia 2 de janeiro, o Imposto sobre Operações Financeiras (IOF) que incide sobre movimentações internacionais de crédito reduziu para 4,38%

Compras internacionais: com redução no IOF, gastar no exterior ficou mais barato (Adam Gault/Getty Images)

Compras internacionais: com redução no IOF, gastar no exterior ficou mais barato (Adam Gault/Getty Images)

Rebecca Crepaldi
Rebecca Crepaldi

Repórter de finanças

Publicado em 19 de janeiro de 2024 às 16h40.

Última atualização em 22 de janeiro de 2024 às 10h38.

Para quem é consumidor de produtos e serviços internacionais, entender a dinâmica das formas de pagamento pode auxiliar a economizar. Desde o dia 2 de janeiro de 2023, a  alíquota do Imposto sobre Operações Financeiras (IOF) está menor. O imposto foi reduzido de 5,38% para 4,38% - e ainda cairá mais. A expectativa é que tenha uma redução anual até zerar em 2028.

Essas novas regras impactam diretamente o bolso do consumidor, já que o IOF incide sobre diversas operações que envolvem o câmbio. O movimento pode impulsionar compras neste formato de pagamento, mas será que é a melhor modalidade? EXAME Invest conversou com especialistas para entender este novo cenário e ver quais opções de compra são mais vantajosas.

O que é o IOF?

O IOF foi criado pela Lei nº 5.143, de 1966, em substituição ao Imposto sobre transferência para o exterior. Inicialmente, o tributo era cobrado sobre qualquer transferência financeira nacional ou internacional.

“Na década de 80, esse imposto federal passou por várias alterações e passou a incidir também sobre operações de crédito, câmbio, seguros, títulos e valores mobiliários. O IOF é pago pelas pessoas físicas e jurídicas e varia de acordo com o valor e o tipo da operação financeira”, diz Sergio Brotto, diretor-executivo da Dascam Corretora de Câmbio.

Por que o IOF reduziu?

A mudança do IOF para compras no cartão de crédito internacional obedece ao decreto nº 10.997, de 15 de março de 2022, que estabelece a redução gradual da alíquota até zerar em 2028. Antes de entrar em vigor as novas regras, o IOF era de 6,38%. Agora, ele reduz 1% todo dia 2 de janeiro a cada ano, sendo: 6,38% (2022), 5,38% (2023); 4,38% (2024); 3,38% (2025); 2,38% (2026); 1,38% (2027); 0% (2028).

O decreto altera o anterior de nº 6.306, de 14 de dezembro de 2007. O objetivo principal em zerar a alíquota foi atender a uma exigência da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), para garantir a entrada do Brasil na entidade. Além da redução gradual em 1% a cada ano para operações internacionais em cartões de crédito, o decreto também alterou o IOF sobre empréstimos realizados no exterior, que era 6% na ocasião, e foi zerado.

o IOF-Câmbio, que incide sobre o envio de remessas internacionais e a compra e venda de moeda estrangeira em espécie, se manteve em 1,1%. Entretanto, há uma previsão normativa que ele seja reduzido a zero a partir de 2 de janeiro de 2029. Além destas medidas, o Governo Federal também anunciou outras, como a criação de uma nova plataforma eletrônica para operações de câmbio e a simplificação dos procedimentos para a abertura de contas correntes em moeda estrangeira.

“Tudo isso deve contribuir para o aumento da transparência e do desenvolvimento do mercado cambial brasileiro”, comenta André Galhardo, consultor econômico da Remessa Online.

Com as mudanças, qual é a melhor opção de pagamento?

Apesar de pequena, a redução já impacta o bolso do consumidor quando se trata de compras internacionais. Na prática, segundo João Manuel Campanelli Freitas, vice-presidente executivo do Travelex Bank, um IOF menor significa que o consumidor terá uma despesa menor ao gastar em dólar no exterior, utilizando seu cartão de crédito.

“De modo geral, os mais impactados são os consumidores, que passam a ver menos impostos em suas faturas e contam com um estímulo extra para consumir produtos e serviços do exterior, enviar e receber divisas, além de fazer mais investimentos em moeda estrangeira”, diz André Galhardo, consultor econômico da Remessa Online.

Entretanto, apesar da redução do IOF, a alíquota para transações no crédito ainda existirá nos próximos anos. Sendo assim, para quem tem o dinheiro já à vista e quer comprar algo no exterior ou para quem vai viajar e realizar pagamentos in loco, a abertura de uma conta internacional é a melhor opção.

Essa modalidade, chamada disponibilidade, consiste na pessoa física transferir de uma conta em seu país para outra conta própria no exterior. Ao fazer isso, a alíquota cobrada é de 1,10%. Caso a pessoa opte por fazer movimentações no cartão de crédito, a alíquota vigente em 2024 é de 4,38%.

“Criar uma conta no exterior é muito mais vantajoso e é mais barato [as operações dessa forma]. É 1,10% contra 4,38% e ponto final”, comenta Brotto.

Para o especialista, uma série de empresas do segmento financeiro estão surfando nessas vantagens e cada vez mais ofertam benefícios para a abertura de contas. Tanto que, atualmente, a pessoa consegue abrir de maneira rápida e simples uma conta internacional por meio dos aplicativos. Contudo, segundo ele, é necessário também se atentar a outros fatores, como a variação cambial, a legislação tributária interna daquela empresa, além de declarar o Imposto de Renda de Pessoa Física (IRPF).

Mais ofertas de produtos

Freitas também pontua que a redução do IOF impulsiona a criação de mais produtos, soluções e serviços, o que beneficia o consumidor e aquece o mercado. Isso porque um IOF menor gera mais competição, e as empresas tendem a querer se destacar.

“É uma mudança que favorece as movimentações financeiras com gastos no exterior e envolve, principalmente, os setores de comércio e turismo. A menor incisão do imposto sobre operações financeiras pode incentivar um consumo maior no exterior, o que naturalmente aquece esses setores, que possuem relação, direta ou indireta, com o mercado de câmbio”, diz.

O especialista Galhardo também pontua que, de um ponto de vista macro, a mudança no IOF facilita a abertura do mercado brasileiro para o comércio internacional, amplia a atração de investidores internacionais e facilita que empresas e investidores brasileiros façam negócios e investimentos no exterior.

Tarifas de contas internacionais

Em parceria com a EXAME Invest, a plataforma de soluções financeiras, Melhor Dinheiro, analisou dez contas internacionais com cartão de débito para usar em viagens fora do Brasil, e listou os serviços inclusos, tarifas e vantagens de cada opção.

Conta Avenue

  • Taxa de adesão, manutenção ou inatividade: adesão e manutenção são grátis; há cobrança de US$ 0,50 por mês após três meses de inatividade
  • Tarifa de conversão: câmbio comercial + 1,1% de IOF + taxa de spread variável de 1,4% a 2%, que pode ser acrescido em 0,5% para câmbio instantâneo para transações em outras moedas estrangeiras
  • Tarifa de pagamento com cartão: grátis
  • Tarifa de envio de dinheiro: grátis entre contas Avenue e contas bancárias dos EUA
  • Tarifa de recebimento de dinheiro: grátis
  • Tarifa de saque: US$ 2 + taxas regionais nos EUA; ou 3% + taxas regionais no Brasil
  • Saldo mínimo: R$ 200
  • Cartão de débito internacional: emissão virtual e física gratuitas
  • Bandeira: Mastercard

BS2 GO!

  • Taxa de adesão, manutenção ou inatividade: grátis
  • Tarifa de conversão: câmbio comercial + 1,1% de IOF para compra de dólar ou 0,38% de IOF para venda + taxa de spread de 2%
  • Tarifa de pagamento com cartão: grátis
  • Tarifa de envio de dinheiro: grátis entre contas BS2 GO!; ou US$ 12 por operação para contas bancárias do exterior
  • Tarifa de recebimento de dinheiro: US$ 12 por operação
  • Tarifa de saque: US$ 5 por saque
  • Saldo mínimo: US$ 30
  • Cartão de débito internacional: emissão virtual e física gratuitas; US$ 9,9 pela segunda via do cartão
  • Bandeira: Mastercard

Conta BTG Pactual Internacional

  • Taxa de adesão, manutenção ou inatividade: adesão grátis; isenção de mensalidade para clientes com investimento ou recursos no BTG Pactual
  • Tarifa de conversão: câmbio comercial + 1,1% de IOF compra no exterior ou 0,38% para venda + taxa de spread da BTG
  • Tarifa de pagamento com cartão: grátis
  • Tarifa de envio de dinheiro: transferências domésticas USA de US$ 10
  • Tarifa de recebimento de dinheiro: transferências domésticas USA isentas; transferências internacionais de US$ 10
  • Tarifa de saque: variável, pois depende da ree ATM utilizada
  • Saldo mínimo: não há
  • Cartão de débito internacional: ofertam
  • Bandeira: Mastercard

O BTG Pactual (grupo controlador da EXAME) informa que não cobra tarifa de transferência entre conta bancária e conta investimento. Também não há a necessidade de instalar um aplicativo adicional, já que o acesso às contas internacionais é integrado aos aplicativos locais do BTG Pactual já utilizados pelos clientes. Segundo o BTG, as contas internacionais BTG são compostas por conta banking e conta investimento, em abertas simultaneamente com onboarding integrado aos aplicativos locais do BTG Pactual.

C6 Conta Global

  • Taxa de adesão, manutenção ou inatividade: adesão grátis para clientes Carbon e US$ 30 para clientes Standard; manutenção grátis ou US$ 10 por mês para contas inativas há mais de 1 ano
  • Tarifa de conversão: câmbio comercial + 1,1% de IOF + taxa de spread de 2% para conta Global Dólar ou 2,5% para Global Euro
  • Tarifa de pagamento com cartão: grátis
  • Tarifa de envio de dinheiro: grátis da conta C6 do Brasil para conta Global de mesma titularidade; ou US$ 30 por operação para contas bancárias do exterior
  • Tarifa de recebimento de dinheiro: US$ 15 por operação
  • Tarifa de saque: US$ 5 para conta Global Dólar e € 5 para conta Global Euro
  • Saldo mínimo: US$ 20 para a C6 Conta Global Dólar e de € 20 para a C6 Conta Global Euro
  • Cartão de débito internacional: emissão virtual e física gratuitas; US$ 10 pela segunda via do cartão
  • Bandeira: Mastercard

Conta Easy/BB Americas

  • Taxa de adesão, manutenção ou inatividade: grátis
  • Tarifa de conversão: câmbio comercial + 1,1% de IOF para compra dólar ou 0,38% para venda + taxa de spread de 2%
  • Tarifa de pagamento com cartão: grátis
  • Tarifa de envio de dinheiro: grátis entre a conta do BB Brasil e a conta do BB Americas; ainda não realiza transferências internacionais, exceto BB Remessa
  • Tarifa de recebimento de dinheiro: US$ 15
  • Tarifa de saque: saques gratuitos em caixas da BB Americas Bank, Allpoint e Presto, limitado a US$ 500 por dia; US$ 3 por saque fora da rede conveniada
  • Saldo mínimo: US$ 100
  • Cartão de débito internacional: emissão virtual gratuita; taxa variável para entrega da versão física entre US$ 15
  • Bandeira: Visa

A Conta Easy é oferecida pelo Banco do Brasil Américas nos Estados Unidos para pessoas físicas, correntistas do BB no Brasil e que não tenham sido clientes do BB Américas nos 12 meses anteriores.

Inter Global Account

  • Taxa de adesão, manutenção ou inatividade: grátis
  • Tarifa de conversão: câmbio comercial + 1,1% de IOF + 0,99% de taxa de spread
  • Tarifa de pagamento com cartão: grátis
  • Tarifa de envio de dinheiro: grátis entre contas Global do Inter e contas externas dos EUA; ou US$ 15 no caso de envio de dinheiro via Wire Doméstico
  • Tarifa de recebimento de dinheiro: grátis
  • Tarifa de saque: gratuitos na rede Allpoint
  • Saldo mínimo: US$ 50
  • Cartão de débito internacional: emissão virtual gratuita, mas pode ser cobrada uma taxa de US$ 20 para entrega em endereços brasileiros
  • Bandeira: Mastercard

Conta Nomad

  • Taxa de adesão, manutenção ou inatividade: grátis
  • Tarifa de conversão: câmbio comercial + 1,1% de IOF + taxa de serviço da Nomad de até 2%, podendo chegar a 1% de acordo com o nível no Nomad Pass, programa de fidelidade da Nomad que garante benefícios como redução da taxa de serviço
  • Tarifa de pagamento com cartão: grátis no uso de moedas disponíveis na conta Nomad; caso contrário, é aplicada a taxa de conversão por operação
  • Tarifa de envio de dinheiro: grátis entre contas Nomad e contas externas dos EUA; ou US$ 10 no caso de envio de dinheiro via Wire Doméstico*
  • Tarifa de recebimento de dinheiro: grátis
  • Tarifa de saque: ilimitados e gratuitos na rede MoneyPass; US$ 5 por saque fora da rede a partir do terceiro saque
  • Saldo mínimo: R$ 500
  • Cartão de débito internacional: emissão virtual gratuita com envio gratuito da versão física para endereços nos EUA ou para clientes no Brasil que tenham realizado operações de câmbio acima de US$ 1.000
  • Bandeira: Visa

*Na transferência via Wire o dinheiro vai diretamente de uma conta para a outra em até um dia útil. Por ser mais rápida, a Wire é mais cara, variando de US$ 10 a US$ 50.

Conta Revolut

  • Taxa de adesão, manutenção ou inatividade: grátis
  • Tarifa de conversão: câmbio comercial + 1,1% de IOF + taxa de spread variável de 1% em horário comercial no Brasil, 0,5% fora do horário comercial ou 1% aos finais de semana
  • Tarifa de pagamento com cartão: grátis
  • Tarifa de envio de dinheiro: grátis entre contas Revolut ou no mesmo país; taxa variável para cada moeda*
  • Tarifa de recebimento de dinheiro: grátis
  • Tarifa de saque: 5 saques gratuitos por mês ou de até R$ 1.600; depois, 2% do valor sacado ou R$ 1,00, o que for maior
  • Saldo mínimo: isento
  • Cartão de débito internacional: emissão virtual gratuita; taxa variável para entrega da versão física a depender da localização
  • Bandeira: Mastercard

*As transferências da real para euro têm uma taxa fixa de 0,50% + taxa variável de R$ 1 a R$ 600. O mesmo se aplica para transferências de real para libra.

Conta Select Global

  • Taxa de adesão, manutenção ou inatividade: grátis
  • Tarifa de conversão: câmbio comercial + 1,1% de IOF para compra de dólar ou 0,38% de IOF para venda; tarifa variável na conversão de dólar para demais moedas
  • Tarifa de pagamento com cartão: grátis
  • Tarifa de envio de dinheiro: grátis da conta Santander do Brasil para conta Select Global; ainda não realiza transferências internacionais
  • Tarifa de recebimento de dinheiro: -
  • Tarifa de saque: grátis em caixas eletrônicos do Santander
  • Saldo mínimo: -
  • Cartão de débito internacional: emissão virtual e física gratuitas
  • Bandeira: Mastercard

A Select Global está disponível para clientes Especial, Van Gogh, Select e Private do Santander. Os correntistas do banco que não atenderem aos requisitos de renda e investimento mínimos dos programas podem se tornar clientes Select ao pagar R$ 99,95 por mês para aproveitar as vantagens do programa que oferece a conta internacional.

Conta Wise

  • Taxa de adesão, manutenção ou inatividade: adesão e manutenção são grátis; US$ 2 por mês após 6 meses de inatividade
  • Tarifa de conversão: câmbio comercial + 1,1% de IOF + taxa de serviço da Wise a partir de 0,43%
  • Tarifa de pagamento com cartão: grátis no uso de moedas disponíveis na conta multimoeda da Wise; caso contrário, é aplicada a taxa de conversão por operação
  • Tarifa de envio de dinheiro: grátis entre contas Wise de mesma moeda; transferências para contas do exterior tem taxa variável*
  • Tarifa de recebimento de dinheiro: grátis
  • Tarifa de saque: 2 saques gratuitos por mês até R$ 1.400; depois, taxa de 1,75% + R$ 6,50 por saque
  • Saldo mínimo: € 20 ou o equivalente em outra moeda
  • Cartão de débito internacional: versões virtual e física gratuitas no Brasil
  • Bandeira: Visa ou Mastercard

*As transferências entre contas Wise com conversão de moeda apresentam cobrança de uma taxa fixa + taxa variável a partir de 0.43% por operação. Por exemplo, para enviar um valor em dólar americano para uma conta Wise, pagando em reais, é necessário cobrir a taxa fixa de R$ 1,92 + taxa variável de 1,92% (1,1% do IOF incluso).

As transferências para outras contas bancárias exigem taxas diferentes e mais altas. O custo de enviar um valor em dólar americano, pagando em reais, para uma conta do exterior pela Wise tem custo fixo de R$ 2,45 + taxa variável de 1,96% (1,1% do IOF incluso).

      Confira as últimas notícias de Invest:

      Acompanhe tudo sobre:IOFCartões de créditogastos-pessoais

      Mais de Invest

      Dólar em queda e bolsa em alta: as primeiras reações no mercado após desistência de Biden

      Mega-sena acumula de novo e prêmio vai para R$ 61 milhões

      Veja o resultado da Mega-Sena concurso 2751: prêmio acumulado é de R$ 51,9 milhões

      Realização de lucros? Buffett vende R$ 8 bilhões em ações do Bank of America

      Mais na Exame