Acompanhe:

Carro novo fica 14% mais caro em 2021: o que esperar no novo ano

Fenabrave divulga nesta quinta as vendas de modelos novos em dezembro e revela se a oferta começa a se normalizar, passo necessário para que os preços se estabilizem

Pátio da General Motors em São José dos Campos, no interior de São Paulo | Foto: Roosevelt Cassio/Reuters (Roosevelt Cassio/Reuters)

Pátio da General Motors em São José dos Campos, no interior de São Paulo | Foto: Roosevelt Cassio/Reuters (Roosevelt Cassio/Reuters)

D
Da Redação

6 de janeiro de 2022, 06h59

Esta reportagem faz parte da newsletter EXAME Desperta. Assine gratuitamente e receba todas as manhãs um resumo dos assuntos que serão notícia.

O aumento do preço de carros novos e usados foi um dos principais temas do orçamento do brasileiro no ano que passou. O reajuste foi da ordem de 14% e 16%, respectivamente, na taxa acumulada em 12 meses até novembro, dado mais recente do IPCA, índice oficial de inflação ao consumidor no país, calculado pelo IBGE.

A questão dos consumidores no ano que começa é se o fenômeno vai perder força, e o mercado, se normalizar. É uma resposta que depende de múltiplas variáveis e fontes. Uma das respostas será conhecida nesta quinta-feira, dia 6 de janeiro, com a divulgação dos emplacamentos de carros novos e das vendas de usados em dezembro e, por tabela, no ano fechado de 2021 pela Fenabrave, a entidade que reúne as distribuidoras de automóveis em todo o país.

Os dados serão divulgados a partir das 11h da manhã.

EXAME lança e-book gratuito com 30 formas práticas de ter renda extra: baixe agora mesmo.

Os números da Fenabrave conhecidos até novembro mostravam que, apesar da expectativa de recuperação em 2021, as vendas de carros (automóveis e comerciais leves, como picapes e furgões,) novos estavam em níveis praticamente iguais aos do ano anterior, que foi afetado em cheio pela primeira onda da pandemia do coronavírus.

Mais preocupante, os emplacamentos de autos e comerciais leves caíram 25% em novembro na comparação com o mesmo mês de 2020. Isso pode sinalizar uma tendência de forte desaceleração nas vendas, possivelmente ainda em razão da falta de componentes como semicondutores, um gargalo global que reduz a produção das montadoras.

A informação é fundamental para a formação dos preços por causa do equilíbrio (ou da falta dele) entre oferta e demanda. Até que a produção de carros novos seja normalizada, os preços devem continuar pressionados.