Calculadora: quanto poupar para formar minha reserva de emergência?

Economia ideal varia segundo o custo de vida, a rentabilidade e o tempo pretendido para cada investidor
Para a maioria dos analistas financeiros, a reserva de emergência é o primeiro passo na jornada de independência financeira para qualquer investidor (iStock/Abril Branded Content)
Para a maioria dos analistas financeiros, a reserva de emergência é o primeiro passo na jornada de independência financeira para qualquer investidor (iStock/Abril Branded Content)
V
VITREO - UM CONTEÚDO PROMOCIONALPublicado em 21/04/2022 às 10:00.

Este conteúdo é patrocinado e apresentado por Vitreo.

Para a maioria dos analistas financeiros, a reserva de emergência é o primeiro passo na jornada de independência financeira para qualquer investidor. Ter um dinheiro guardado em uma aplicação que reúna segurança e liquidez (facilidade para resgatar quando quiser) é essencial para evitar apuros nem cair em um descontrole nas finanças.

Assim, caso você passe por uma eventualidade, como a perda do emprego, uma necessidade de saúde ou um acidente de carro, poderá contornar essa situação sem ter que recorrer às dívidas que irão prejudicar sua construção de patrimônio.

Mas qual seria o tamanho ideal para esta reserva? É claro que cada um sabe sobre sua vida, mas, em geral, planejadores financeiros recomendam que a reserva seja capaz de cobrir seu custo de vida por um período entre 6 e 12 meses.

E o caminho fica mais fácil quando você investe esse dinheiro. Afinal, ele não fica parado perdendo valor, mas vai ganhando com os juros compostos, o que acelera a sua construção de patrimônio.

Mas quanto poupar todos os meses? Bem, isso vai depender de uma série de fatores, entre eles o tempo de sua reserva de emergência e o seu custo de vida mensal.

Para facilitar sua vida, nós elaboramos uma calculadora gratuita que mostra automaticamente quanto você precisa poupar para fazer seu “pé de meia” para emergências.

Abaixo, explicaremos como ela funciona. Para baixá-la agora, basta clicar no botão abaixo:

DOWNLOAD GRATUITO: ACESSE A CALCULADORA DE RESERVA DE EMERGÊNCIA

Entenda como funciona a calculadora e comece a poupar agora

A calculadora conta com seis campos, cinco dos quais você deve preencher:

  • Duração da sua reserva: insira quantos meses do seu custo de vida sua reserva irá cobrir (lembrando que a recomendação dos especialistas é um valor entre 6 e 12 meses);
  • Custo de vida: insira quanto você gasta por mês;
  • Quanto você tem guardado: você já tem algum dinheiro para colocar na reserva de emergência? Então coloque esse valor. Se vai começar agora, insira “0”.
  • Tempo para construir a reserva: insira aqui em quantos meses você quer construir a sua reserva. Lembrando que não é o tempo que sua reserva cobre seus gastos, mas sim por quanto tempo você está disposto a poupar para formar sua reserva. Quanto menor o tempo, mais você terá de guardar todos os meses.
  • Taxa Selic: insira aqui a rentabilidade do investimento em que você vai alocar sua reserva. Como a sugestão de especialistas é a de aplicar em produtos de baixo risco, indicamos colocar a taxa Selic, que, no momento, está em 11,75% a.a.

O único campo que não pode ser alterado é o que está escrito “Quanto poupar todo mês”, pois ali aparecerá justamente o resultado buscado pelo investidor, ou seja, o valor que deve ser investido todo mês. Se alterar o conteúdo da célula, a fórmula poderá ser corrompida.

Você poderá simular e trocar o tempo da sua reserva, o tempo de poupar e até mesmo seu custo de vida para encontrar uma combinação que seja viável para você.

Não perca mais tempo: baixe agora sua planilha gratuita e dê mais um passo rumo à sua independência financeira.

BAIXAR CALCULADORA GRATUITA DE RESERVA DE EMERGÊNCIA

Este conteúdo é patrocinado e apresentado por Vitreo.

Veja Também

Saques da poupança atinge maior retirada da história
Minhas Finanças
Há um dia • 2 min de leitura

Saques da poupança atinge maior retirada da história

Financiamento imobiliário recua 6% no primeiro semestre deste ano
Mercado imobiliário
Há 2 dias • 3 min de leitura

Financiamento imobiliário recua 6% no primeiro semestre deste ano