Auxílio emergencial: nascidos em março devem atualizar cadastro no app

Segundo a Caixa, mais de 1,6 milhão de beneficiários já fizeram a atualização no aplicativo Caixa Tem
Caixa: a atualização é feita pelo celular, não sendo preciso ir até uma agência do banco (Marcello Casal Jr/Agência Brasil)
Caixa: a atualização é feita pelo celular, não sendo preciso ir até uma agência do banco (Marcello Casal Jr/Agência Brasil)
Karla Mamona
Karla MamonaPublicado em 18/03/2021 às 06:34.

Os trabalhadores nascidos em março que receberam o auxílio emergencial devem atualizar os seus dados cadastrais a partir desta quinta-feira, 18. Segundo a Caixa, mais de 1,6 milhão de beneficiários já fizeram a atualização no Caixa Tem.

A atualização é feita pelo celular, não sendo preciso ir até uma agência do banco. No aplicativo do Caixa Tem, o usuário deve acessar a conversa “Atualize seu cadastro” no aplicativo e enviar a documentação solicitada: foto (selfie) e um documento de identificação (RG ou CNH). O envio é feito totalmente pelo celular, sem necessidade de ir até uma agência.

A atualização cadastral está sendo realizada de forma escalonada, seguindo o mês de nascimento dos clientes. No sábado, dia 20, será a vez dos nascidos em abril. A atualização segue até o dia 31 de março, com os nascidos em dezembro.

Veja calendário:

Data para atualização Mês de nascimento
A partir do dia 14/03 Janeiro
A partir do dia 16/03 Fevereiro
A partir do dia 18/03 Março
A partir do dia 20/03 Abril
A partir do dia 22/03 Maio
A partir do dia 23/03 Junho
A partir do dia 24/03 Julho
A partir do dia 25/03 Agosto
A partir do dia 26/03 Setembro
A partir do dia 29/03 Outubro
A partir do dia 30/03 Novembro
A partir do dia 31/03 Dezembro

Nova rodada

O Congresso Nacional promulgou na última segunda-feira,15, a PEC Emergencial, que, além de trazer gatilhos para a contenção de despesas em caso de crise fiscal, abre caminho para a concessão de auxílio emergencial aos vulneráveis atingidos pela pandemia de covid-19 até um limite total de 44 bilhões de reais.

A liberação do benefício depende de operacionalização do Poder Executivo e, segundo o jornal O Estado de S. Paulo apurou, os pagamentos só devem começar de fato em abril. Na nova rodada, o desenho prevê quatro parcelas mensais de 150 reais para famílias de uma pessoa só, 250 reais para a média das famílias e 375 reais para mulheres que são únicas provedoras da família.