Warren Buffett: o que esperar da carta anual aos investidores

Investidores leem a carta de Buffett todo ano para entender a sua estratégia para dirigir a Berkshire Hathaway, avaliada em mais de US$ 690 bilhões
A Berkshire Hathaway ampliou sua presença em ações de tecnologia com a aposta na Activision Blizzard (Getty Images/Christopher Goodney/Bloomberg)
A Berkshire Hathaway ampliou sua presença em ações de tecnologia com a aposta na Activision Blizzard (Getty Images/Christopher Goodney/Bloomberg)
Por BloombergPublicado em 25/02/2022 06:27 | Última atualização em 24/02/2022 21:57Tempo de Leitura: 3 min de leitura

O negócio que Warren Buffett transformou de operação têxtil em conglomerado empresarial passou 2021 marchando silenciosamente para o futuro.

A Berkshire Hathaway ampliou sua presença em ações de tecnologia com a aposta na Activision Blizzard, acelerou a recompra de ações e anunciou que Greg Abel era o principal candidato a suceder Buffett, de 91 anos. Na carta anual que divulgará neste sábado, dia 26, Buffett terá a oportunidade de explicar como esses movimentos incrementais farão com que sua holding de investimentos continue avançando.

Esta reportagem faz parte da newsletter EXAME Desperta. Assine gratuitamente e receba todas as manhãs um resumo dos assuntos que serão notícia

“Olhando para os múltiplos, tudo está perfeitamente em sincronia com a estratégia de longo prazo de não pagar demais pelos ativos”, disse Meyer Shields, analista da Keefe Bruyette & Woods.

A decisão sobre a Activision, tomada por um subordinado de Buffett, mostra “que eles têm liberdade de investir no mar de ações que compreendem e que nem tudo precisa necessariamente passar por Warren Buffett e, pelo menos conceitualmente, é isso o que devemos esperar à frente”.

Investidores leem a carta de Buffett todo início de ano para entender a sua estratégia para dirigir o conglomerado avaliado em mais de US$ 690 bilhões — e para se deleitar com a sabedoria popular do bilionário sobre a vida e os investimentos.

Essa tarefa se complicou nos últimos anos. Ativos com múltiplos caros atrapalham uma das vias favoritas de Buffett para usar o capital: aquisições. E a Berkshire não tem conseguido empregar seu capital com tanta rapidez.

A situação levou a algumas mudanças. Buffet e seu parceiro de longa data, o vice-presidente do conselho, Charlie Munger, chegaram às ações de tecnologia “como um recém-nascido que é arrastado para isso”, disse Munger em entrevista ao Yahoo! Finance.

Mas hoje em dia a Apple configura como maior aposta da Berkshire no mercado acionário. Essa participação na Apple valia US$ 157,5 bilhões no final de 2021, aproximadamente 3,5 vezes o valor de seu segundo maior investimento, no Bank of America.

Os principais subordinados de Buffett nas decisões de investimento -- Todd Combs e Ted Weschler -- também expandiram os horizontes da Berkshire. O investimento na Activision foi feito poucos meses antes de a Microsoft acertar a compra da fabricante de games.

Houve uma “tremenda mudança em direção às ações de tecnologia e de serviços de comunicação”, disse Jim Shanahan, analista da Edward Jones. “Isso nunca teria acontecido sem aqueles dois.”

Buffett flexibilizou a política de recompra da Berkshire para conseguir dar uso a um caixa de quase US$ 150 bilhões. A empresa sediada em Omaha, no estado americano de Nebraska, recomprou US$ 20,2 bilhões em ações durante os primeiros nove meses de 2021.

O ritmo pode ter diminuído no quarto trimestre, quando as ações Classe A subiram quase 10%. Junto com a carta, a Berkshire anunciará os resultados trimestrais no sábado de manhã, incluindo detalhes sobre a recompra de papéis.