Invest

Vale responde carta de renúncia de conselheiro e diz que escolha de CEO segue estatuto

Em carta, José Luciano Duarte Penido havia afirmado que o processo sucessório do comando da empresa 'vem sendo conduzido de forma manipulada'

A Vale anunciou que o atual CEO da companhia terá seu mandato estendido até dezembro (Germano Lüders/Exame)

A Vale anunciou que o atual CEO da companhia terá seu mandato estendido até dezembro (Germano Lüders/Exame)

Estadão Conteúdo
Estadão Conteúdo

Agência de notícias

Publicado em 12 de março de 2024 às 21h22.

A Vale afirmou na noite desta terça-feira, 12, em comunicado, que a atuação de seu conselho no processo de definição do presidente da companhia "está rigorosamente em conformidade com o estatuto social" e com o "regimento interno e políticas corporativas".

O posicionamento da companhia faz referência à carta de renúncia do membro do conselho de administração José Luciano Duarte Penido. Segundo o documento, ao qual o Estadão/Broadcast teve acesso, o conselheiro diz que o processo sucessório do comando da Vale "vem sendo conduzido de forma manipulada, não atende ao melhor interesse da empresa, e sofre evidente e nefasta influência política".

A empresa diz ainda que seu conselho de administração seguirá "desempenhando as ações previstas nos processos de governança" e "executando sua missão de forma diligente".

O conselho da Vale decidiu na semana passada estender o mandato do atual CEO, Eduardo Bartolomeo, que vencia em maio, até dezembro deste ano. Até lá uma lista tríplice será formada para a escolha de um novo presidente para a mineradora, e Bartolomeo ajudará na transição. Sua saída era desejada pelo governo federal, que tentou inicialmente emplacar o ex-ministro da Fazenda Guido Mantega para o cargo, mas recuou após as repercussões negativas.

Ao renunciar, Penido afirmou que, "no conselho se formou uma maioria cimentada por interesses específicos de alguns acionistas lá representados, por alguns com agendas bastante pessoais e por outros com evidentes conflitos de interesse". O processo, continuou, tem sido operado por frequentes, detalhados e tendenciosos vazamentos à imprensa, em claro descompromisso com a confidencialidade.

Ele afirmou ainda não acreditar mais "na honestidade de propósitos de acionistas relevantes da empresa no objetivo de elevar a governança corporativa da Vale ao padrão internacional de uma corporation (companhia sem controle definido)".

Seu mandato ia de maio de 2023 a abril de 2025. "Minha atuação como conselheiro independente se torna totalmente ineficaz, desagradável e frustrante", termina.

A carta foi enviada a Daniel Stieler, presidente do conselho, a Gustavo Pimenta, diretor Financeiro e de Relações com Investidores, e a Luiz Gustavo Gouvea, diretor de Governança Corporativa.

Penido é bacharel em Engenharia de Minas e tem longa carreira em grandes projetos de mineração. Foi presidente do conselho de administração da Vale antes de Sieler e diretor-executivo da Samarco de 1992 a 2003, além de ter comandado o conselho da Fibria Celulose por dez anos.

Acompanhe tudo sobre:Vale

Mais de Invest

Mega-Sena sorteia neste sábado prêmio acumulado em R$ 86 milhões

Meu sogro doou 'terras da fazenda' em vida e os irmãos dele não concordaram. E agora?

Quina de São João sorteia prêmio de R$ 220 milhões neste sábado; veja como jogar e fazer bolão

Mega-Sena acumulada: quanto rendem R$ 86 milhões na poupança

Mais na Exame