Ultrapar negocia venda da Oxiteno com Advent em negócio de R$ 5,3 bi

Operação pode dar prosseguimento ao plano de readequação do portfolio de ativos de um dos maiores grupos industriais do país

Indústria química pode passar por movimento de consolidação com venda da Oxiteno pela Ultrapar | Foto: Bloomberg (Oliver Bunic-Bloomberg/Bloomberg)

Indústria química pode passar por movimento de consolidação com venda da Oxiteno pela Ultrapar | Foto: Bloomberg (Oliver Bunic-Bloomberg/Bloomberg)

B
Bloomberg

20 de maio de 2021, 10h16

A empresa americana Stepan Company e o fundo de private equity Advent Capital Management estão em negociações para comprar a divisão de produtos químicos da Ultrapar (UGPA3), disseram pessoas a par do assunto à Bloomberg.

A Oxiteno, uma das maiores e mais tradicionais empresas de produtos químicos do país e da América Latina e com operação nos Estados Unidos, pode ser avaliada em cerca de 1 bilhão de dólares (5,3 bilhões de reais ao câmbio da quarta-feira), disseram as pessoas, pedindo para não serem identificadas pois as discussões não são públicas.

No primeiro trimestre, a Oxiteno registrou um Ebitda (geração de caixa operacional) de 226,9 milhões de reais, um avanço de 87% na comparação anual. As receitas líquidas ficaram em 1,436 bilhão de reais (+30%).

A Advent pode formar um consórcio com a Stepan, mas pode ter outras empresas como sócias, disseram as pessoas.

As fábricas químicas da Oxiteno há muito tempo estão no radar de rivais americanos e europeus. Além de produzir defensivos agrícolas e produtos químicos usados em detergentes, a Oxiteno fabrica óxido de etileno, matéria-prima fundamental na indústria.

A Advent tem um escritório em São Paulo e em abril do ano passado contratou Fernando Musa, ex-presidente da empresa química brasileira Braskem (BRKM5), para analisar oportunidades.

Representante da Ultrapar e da Stepan não responderam a pedidos de comentários. A Advent não quis comentar.

A Ultrapar, também conhecida como Grupo Ultra, passa por um processo de desinvestimentos e de readequação do portfolio de ativos: nesta semana, acertou a venda da rede farmácia Extrafarma para a Pague Menos (PGMN3) por 700 milhões de reais.

(Com a Redação)