TUPY3 dispara 8,5% após aquisição da MWM. Vale apostar na small cap?

Negócio abre novas avenidas de crescimento para a fabricante de blocos e cabeçotes de motores, segundo analistas do BTG Pactual
Linha de produção de montadora, uma das clientes da Tupy: novas avenidas de crescimento (Germano Lüders/Exame)
Linha de produção de montadora, uma das clientes da Tupy: novas avenidas de crescimento (Germano Lüders/Exame)
Por Da RedaçãoPublicado em 18/04/2022 20:11 | Última atualização em 18/04/2022 20:11Tempo de Leitura: 2 min de leitura

A aquisição da MWM do Brasil pela Tupy (TUPY3) movimentou o mercado de small caps nesta segunda-feira, dia 18 de abril. As ações dispararam 8,47% na B3, saltando de R$ 16,76 para R$ 18,18. A notícia foi divulgada pela manhã.

"Nós acreditamos que o negócio gera valor estratégico para a Tupy, aumentando a exposição para a descarbonização e o mercado de reposição, além de integrar o seu portfólio ao segmento de motores", apontaram em relatório os analistas Lucas Marquiori, Fernanda Recchia e Aline Gil, da equipe de Equity Research do BTG Pactual.

A Tupy, empresa líder global na fabricação de blocos e cabeçotes de motores, pagará R$ 865 milhões pela MWM do Brasil.

Conheça as recomendações do BTG Pactual para as small caps mais promissoras do mercado

Na avaliação dos analistas, o negócio abre três avenidas de crescimento para a Tupy, entre elas a de negócios envolvendo a tendência global de descarbonização.

Marquiori, Recchia e Gil apontam que os portfólios de produtos na indústria automotiva da Tupy e da MWM são "altamente sinergéticos" e que, portanto, reforçam de forma significativa o posicionamento estratégico da companhia combinada na relação com fabricantes de equipamentos originais.

A MWM do Brasil é uma referência global na fabricação de motores para terceiros, com contratos com empresas líderes na produção de equipamentos para caminhões no Brasil, na América do Norte e na Europa.

"A transação viabiliza a entrada da Tupy no setor de Energia & Descarbonização, fornecendo grupos geradores de eletricidade para o agronegócio e outras aplicações", disse a Tupy em comunicado ao mercado.

“O uso de biogás e biometano para geração de eletricidade e como combustível para frotas de caminhões, ônibus e tratores agrícolas é a principal rota para a descarbonização da indústria nacional e exportadora de proteínas, laticínios, açúcar e etanol [...] Ele também será utilizado, em grande medida, como combustível para a produção de eletricidade em propriedades rurais através de geradores elétricos desenvolvidos e fabricados pela MWM”, disse José Eduardo Luzzi, CEO da MWM do Brasil, em comunicado.

Os analistas do maior banco de investimento da América Latina mantiveram a recomendação de compra para a ação, com preço-alvo que embutia um upside (potencial de valorização) da ordem de 25% antes da forte alta no pregão.