SoftBank quer uma aliança estratégica entre fabricantes de chips Arm e Samsung

O banco de investimento japonês comprou a fabricante de chips britânica por US$ 32 bilhões em 2016 e agora tenta uma estratégia para rentabilizar o investimento
SoftBank (Yuichi Yamazaki / Colaborador/Getty Images)
SoftBank (Yuichi Yamazaki / Colaborador/Getty Images)
Carlo Cauti
Carlo Cauti

Publicado em 22/09/2022 às 16:03.

Última atualização em 22/09/2022 às 16:16.

O CEO do SoftBank, Masayoshi Son, declarou nesta quinta-feira, 22, que está buscando uma “aliança estratégica” entre a fabricante de chips Arm, que é de propriedade do gigante japonês, e o conglomerado de tecnologia sul-coreano Samsung.

“Pretendo visitar a Coreia. Estou ansioso para visitar a Coreia pela primeira vez em três anos. Gostaria de conversar com a Samsung sobre uma aliança estratégica com a Arm”, informou Son em comunicado.

O SoftBank não forneceu detalhes sobre o que uma aliança estratégica implicaria, mas poderia marcar uma grande mudança na estratégia do CEO e sua visão para a Arm. A Samsung, por sua vez, também se recusou a comentar.

O SoftBank adquiriu a britânica Arm, uma das fabricantes de chips mais importantes do mundo, em 2016, US$ 32 bilhões, mas com o tempo não se mostrou uma boa vaca leiteira.

Desde então, mesmo que Son tenha deixado claro em várias ocasiões que as operações da Arm são fundamentais para a visão de longo prazo da empresa, à medida que mais e mais dispositivos se conectam à Internet, ele já tentou vender a subsidiária para a Nvidia, mas o negócio fracassou em fevereiro.

Agora, a estratégia parece ter mudado, após Son tentar empurrar a Arm para uma abertura de capital, de preferência com uma listagem em Nova York, mantendo uma participação majoritária na empresa. Todavia, o governo do Reino Unido quer que a Arm seja listada em Londres, e isso está criando problemas para a operação.

O vice-presidente da Samsung, Lee Jae-yong, declarou ao The Korea Herald que planeja se encontrar com Son quando ele visitar a Coreia do Sul.

Lee disse que Son “pode apresentar a proposta” em relação a Arm, mas admitiu que “não tem ideia do que se trate".

O encontro está previsto para ocorrer em outubro.

Arm produz processadores de smartphones

A arquitetura de chips da Arm está por trás de muitos dos processadores de smartphones do mundo, incluindo os da Apple (APPL34) e da Samsung.

Uma fusão ajudaria os esforços da Samsung para expandir suas operações além dos chips de memória, aumentando os recursos em áreas como o design de chips lógicos, onde o Arm se destaca.

Outras empresas também foram apontadas como interessadas em comprar uma participação na Arm. Cristiano Amon, CEO da fabricante de microprocessadores americana Qualcomm, manifestou a disponibilidade em adquirir as operações da Arm no começo do ano.

Existe a possibilidade da criação de um consórcio com várias empresas fazendo parte de um grupo que investiria na Arm.

As vendas globais de chips vão crescer menos do que esperado esse ano, 13,9% ante a previsão de 16,3% feita pela World Semiconductor Trade Statistics, com uma receita total que vai chegar por volta dos US$ 633 bilhões.

O SoftBank está sob pressão para monetizar a Arm depois que seu principal negócio de investimento em tecnologia, o Vision Fund, registrou perdas recordes no último ano.

Para tentar conter o prejuízo, o SoftBank vendeu o restante de sua participação no Uber (U1BE34) no segundo trimestre e reduziu suas participações no gigante chinês de comércio eletrônico Alibaba.