Snapchat desaba 29% após admitir que não deverá cumprir guidance do 2º tri

Rede social revisou expectativas cerca de um mês após divulgar receita e Ebtida esperados para o período
Aplicativo da Snapchat (Thomas Trutschel/Getty Images)
Aplicativo da Snapchat (Thomas Trutschel/Getty Images)
Por Guilherme GuilhermePublicado em 24/05/2022 08:57 | Última atualização em 24/05/2022 09:09Tempo de Leitura: 2 min de leitura

As ações da Snap, da rede social Snapchat, despencam 29% no pré-mercado da Bolsa de Valores de Nova York (NYSE) desta terça-feira, 24. A reação negativa de investidores ocorre após a companhia informar que a receita e o Ebitda ajustado do segundo trimestre devem sair abaixo do mínimo estimado em guidance.

O  guidance da Snap para o segundo trimestre era de crescimento de receita entre 20% e 25% enquanto o Ebitda ajustado era de zero a US$ 50 milhões. As previsões foram divulgadas dentro do balanço do primeiro trimestre, em 21 de abril.

A proximidade do período entre a apresentação do guidance e o aviso de seu não cumprimento aumenta ainda mais as incertezas do mercado sobre a resiliência do negócio.

Assine a EXAME e fique por dentro das principais notícias que afetam o seu bolso. Tudo por menos de R$ 0,37/dia.

A revisão das estimativas, segundo a Snap, foi motivada pela deterioração do ambiente macroeconômico "maior e mais rápida que a prevista". A companhia, no entanto, disse estar "entusiasmada" com a oportunidade de expansão do negócio no longo prazo e de aumento de receita por usuário.

No primeiro trimestre do ano, a Snap apresentou prejuízo líquido de US$ 359,6 milhões, 25% superior ao prejuízo do mesmo período de 2021. Já a receita aumentou 38% na comparação anual para US$ 1,063 bilhão.

As ações do Snap acumulavam queda de 52% no ano, até o início do pregão desta terça. Considerando a queda do pré-mercado, as perdas no período aumentam para 66%.

As quedas são acompanhadas pelo maior pessimismo do mercado sobre a entrega de crescimento de empresas de tecnologia diante de taxas de juros mais altas e desaceleração da economia global.