Mercados

Setor financeiro é o queridinho entre as gestoras no Brasil, diz BTG

Em seguida aparecem no ranking de preferências, metais e mineração, saúde e utilities. Entre as ações, as favoritas são Vale, Magazine Luiza e Bradesco

Setor financeiro: Bradesco, Itaú e Banco do Brasil aparecem entre as 10 ações favoritas dos gestores (Chronis Jons/The Image Bank/Getty Images)

Setor financeiro: Bradesco, Itaú e Banco do Brasil aparecem entre as 10 ações favoritas dos gestores (Chronis Jons/The Image Bank/Getty Images)

NF

Natália Flach

Publicado em 20 de abril de 2020 às 12h52.

Última atualização em 20 de abril de 2020 às 12h59.

O setor financeiro é o queridinho do momento entre as gestoras que investem em ações brasileiras. Em seguida aparecem no ranking de preferências, os segmentos de metais e mineração, saúde e utilities - grupo que reúne empresas de água, saneamento e energia. Essa é a conclusão de uma pesquisa realizada pelo banco BTG Pactual (controlado pelos mesmos sócios da EXAME) com 100 gestores, de acordo com relatório escrito pelos analistas Carlos Sequeira e Osni Carfi e divulgado nesta segunda-feira.

Já os setores aéreo e de construção civil cujo foco são unidades residenciais estão no fim da lista de predileção dos especialistas.

Setores queridinhos dos gestores 

SetorVotos*
Setor financeiro50
Metais e mineração37
Saúde35
Utilities**34
Tecnologia24
Agronegócio22
Alimentos e bebidas22
Varejo20
Infraestrutura14
Aluguel de veículos12
Petróleo12

* Podiam votar em mais de um setor

** Água, saneamento e energia

Fonte: BTG Pactual

Apesar da queda de 32% do Ibovespa no ano, os brasileiros continuam investindo em renda variável. O levantamento mostra que 30% dos fundos pesquisados tiveram captação líquida (ou seja, entrada de dinheiro novo) em março contra apenas 13% que registraram resgates líquidos. No entanto, a maior parte dos investidores não mexeu em suas posições, por isso 45% dos fundos mantiveram seu patrimônio estável.

Em termos de alocação de recursos, 54% disseram que a maior parte do dinheiro está investido e têm até 10% de caixa. Já os mais pessimistas (17%) têm mais de 30% do dinheiro em caixa.

Entre as ações favoritas, aparecem as da mineradora Vale, seguidas pelos papéis da varejista Magazine Luiza e do Bradesco.

 

Ações favoritas dos gestores
EmpresaCódigoVotos*
Vale 
VALE3 
40
Magazine Luiza MGLU3 15
Bradesco BBDC4 12
JBS JBSS3 12
Equatorial EQTL3 12
Itaú ITUB4 9
Natura NTCO3 9
Banco do Brasil BBAS3 8
Suzano SUZB3 8
Rumo RAIL3 7

* Podiam votar em mais de uma empresa

Fonte: BTG Pactual

Macroeconomia

Quase 40% dos entrevistados esperam uma queda do produto interno bruto (PIB) em 2020 superior a 5%, enquanto 57% projetam uma contração que varia de 2% a 5%. O debate sobre cortes na taxa Selic continua sendo um dos mais acalorados. A maioria dos entrevistados (56%) espera que a Selic termine o ano entre 3% e 4% (agora está em 3,75% ao ano), enquanto 32% preveem uma taxa entre 2% e 3%. Apenas  9% acreditam que os juros poderiam ser menores do que 2%.

Quando se trata de antecipar o patamar do câmbio no fim do ano, não há consenso. A maioria (39%) espera que o dólar termine entre 5 e 5,20 reais, enquanto 29% dos gestores esperam que fique entre 5,20 e 5,50 reais (hoje está cotado a 5,29 reais). Outros acham que poderia ficar ainda mais fraco e negociar acima de 5,50 reais (13%).

Já no que se refere a reformas políticas, a maioria dos entrevistados (40%) não espera aprovações neste ano, enquanto 38% acreditam que as três propostas de emenda constitucional em discussão no Congresso destinadas a consolidar as contas fiscais serão aprovadas em 2020. Outros 13% esperam que a reforma administrativa possa ser aprovada ainda neste ano.

Acompanhe tudo sobre:AviaçãoBB – Banco do BrasilBradescoConstrução civilEquatorialItaúJBSMagazine LuizaMineraçãoNaturaRumo ALLsetor-financeirosuzanoVale

Mais de Mercados

Hapvida (HAPV3) vai investir até R$ 600 milhões em novos hospitais em SP e RJ

"O mundo está passando por um processo grande de transformação", diz André Leite, CIO da TAG

Ibovespa fecha em leve alta de olho em relatório bimestral de despesas; dólar cai a R$ 5,57

Ações da Ryanair caem quase 15% após lucro da empresa desabar

Mais na Exame