Invest

Saudi Aramco anuncia lucro recorde de US$ 161 bilhões em 2022

O resultado da Saudi Aramco foi impulsionado pelo aumento dos preços após a invasão da Ucrânia pelas tropas da Rússia

Saudi Aramco: é o maior lucro da empresa desde sua entrada na bolsa (Kostas Tsironis/Bloomberg)

Saudi Aramco: é o maior lucro da empresa desde sua entrada na bolsa (Kostas Tsironis/Bloomberg)

AFP
AFP

Agência de notícias

Publicado em 12 de março de 2023 às 17h51.

O grupo de petróleo Saudi Aramco anunciou neste domingo um lucro recorde 161,1 bilhões de dólares (834 bilhões de reais) em 2022, resultado impulsionado pelo aumento dos preços após a invasão da Ucrânia pelas tropas da Rússia.

A empresa, controlada pelo Estado saudita, registrou aumento de 46% no lucro líquido no ano passado, em comparação aos US$ 110 bilhões de 2021, segundo um comunicado enviado à Bolsa de Riad.

Este é o maior lucro da empresa desde sua entrada na Bolsa.

IPO histórico

A Saudi Aramco introduziu 1,7% de suas ações na Bolsa saudita em dezembro de 2019 e conseguiu 29,4 bilhões de dólares, o maior IPO (oferta pública inicial) da história.

"A Aramco conseguiu um desempenho financeiro recorde em 2022, com o aumento dos preços do petróleo devido ao crescimento da demanda no mundo", afirmou o CEO da empresa, Amin Nasser.

Assim como outros grandes grupos do setor de petróleo, incluindo Shell, Chevron, ExxonMobil, TotalEnergies e BP, que registraram lucros recordes, superando 150 bilhões de dólares, a Aramco aproveitou a forte recuperação da demanda de petróleo após a pandemia e o aumento dos preços provocado pela guerra na Ucrânia.

Apesar da queda dos preços do petróleo após os recordes de 2022, os valores devem permanecer elevados este ano, apoiados principalmente pelo corte da produção aprovado em outubro pela OPEP+, a aliança de países exportadores liderada por Riad e Moscou.

A decisão foi criticada na época pelo governo dos Estados Unidos.

Diversificar a economia

Nos últimos anos, as instalações da Aramco sofreram ataques com drones e mísseis, reivindicados pelos rebeldes huthis apoiados pelo Irã no conflito do Iêmen.

Mas o restabelecimento das relações diplomáticas entre Riad e Teerã, anunciado na sexta-feira após sete anos de ruptura, pode reduzir os riscos nos próximos meses.

As receitas da Aramco alimentaram o crescimento econômico do reino do Golfo, que registrou aumento de 8,7% do PIB em 2022, segundo estimativas oficiais, a maior taxa entre os países do G20.

A Arábia Saudita, maior exportadora de combustível do mundo, que busca diversificar sua economia para reduzir a dependência do petróleo, comemorou na quinta-feira o aumento das atividades fora do setor de hidrocarbonetos no quarto trimestre de 2022, a 6,2% em ritmo anual, segundo a agência saudita de estatísticas.

Mas este crescimento foi impulsionado pelos gastos públicos que "sempre estarão vinculados, de alguma forma, às receitas do petróleo", disse Justin Alexander, diretor da consultoria Khalij Economics, que destacou o papel central da Aramco na maior economia do mundo árabe.

A Arábia Saudita se comprometeu a alcançar a neutralidade de carbono até 2060, sem abrir mão dos investimentos nas energias fósseis. A aspiração é vista com ceticismo pelas organizações ambientais.

Acompanhe tudo sobre:PetróleoSaudi Aramco

Mais de Invest

Hapvida (HAPV3) vai investir até R$ 600 milhões em novos hospitais em SP e RJ

Ministério da Justiça realiza leilão de 54 quilos de ouro; veja como participar

5 frases que todo investidor precisa saber

"O mundo está passando por um processo grande de transformação", diz André Leite, CIO da TAG

Mais na Exame