Corretora Robinhood (HOOD) corta 23% dos funcionários após divulgação dos resultados do 2T22

O CEO culpou a “deterioração do ambiente macro, com a inflação em sua máxima de 40 anos acompanhada por uma ampla queda no mercado de criptomoedas”
Corretora Robinhood (HOOD) (Omar Marques/SOPA Images/LightRocket via/Getty Images)
Corretora Robinhood (HOOD) (Omar Marques/SOPA Images/LightRocket via/Getty Images)
Carlo Cauti
Carlo Cauti

Publicado em 02/08/2022 às 17:44.

Última atualização em 02/08/2022 às 17:50.

A corretora americana Robinhood (HOOD) informou nesta terça-feira, 2, que vai reduzir o número de seus funcionários em aproximadamente 23%.

Segundo o CEO da Robinhood, Vlad Tenev, as demissões serão principalmente nas áreas de operações, marketing e gerenciamento de programas.

Em comunicado, Tenev culpou a “deterioração do ambiente macro, com a inflação em sua máxima de 40 anos acompanhada por uma ampla queda no mercado de criptomoedas”.

Em abril a Robinhood já havia demitido 9% de sua força de trabalho.

O CEO salientou como a empresa enxugaria sua estrutura organizacional para dar aos novos gerentes gerais ampla responsabilidade por seus negócios.

Ele também disse que os funcionários afetados receberiam um e-mail e uma mensagem do Slack informando se estavam sendo demitidos ou ainda tinham um emprego, imediatamente após uma reunião geral para discutir a mudança na quinta-feira.

“Quero reconhecer o quão perturbadores são esses tipos de mudanças”, escreveu Tenev.

A informação sobre os cortes chegou no dia em que a Robinhood divulgou seus resultados do segundo trimestre do ano.

A corretora registrou uma receita de US$ 318 milhões, abaixo das previsões do mercado que indicavam um faturamento de US$ 321 milhões, e em queda de 44% em relação ao mesmo período de 2021, quando tinha sido de US$ 565 milhões.

A empresa registrou prejuízo de R$ 295 milhões, em queda de 41% em relação ao prejuízo de US$ 502 milhões registrado no mesmo período do ano passado.

O relatório também mostrou queda de quase 2 milhões nos usuários ativos mensais e ativos sob custódia, que caíram 31%.

A empresa viu o crescimento reverter à medida que o boom da pandemia no trading on line perdeu força.

A Robinhood abriu seu capital em julho de 2021 a US$ 38 por ação, e seus papéis saltaram para US$ 85 por ação em seu primeiro mês de negociação.

No entanto, as ações da Robinhood caíram 48% no acumulado do ano e fecharam em US$ 9,23 por ação nesta terça-feira.

Corretora foi o centro do caso GameStop

A Robinhood ficou no centro da saga da GameStop, quando um grupo de investidores se organizaram na rede social Reddit para tentar fazer o preço da ação subir e realizar um "short squeeze" com investidores que estavam apostando na queda do papel.

Entretanto, após sofrer pressão dos órgãos de regulamentação do mercado financeiro, a Robinhood decidiu limitar a negociação de ações da GameStop, causando indignação nos pequenos investidores e até do Congresso dos Estados Unidos, que chegou a criticar a decisão.

A polêmica foi tamanha que a Robinhood foi forçada a voltar atrás e permitir novamente a livre negociação das ações.

Robinhood multado por violar regras de lavagem de dinheiro

Nesta terça-feira foi divulgada a notícia que regulador financeiro do Estado de Nova York multou o braço de criptomoedas da Robinhood em US$ 30 milhões por supostas violações das regras de combate a lavagem de dinheiro, segurança digital e proteção ao consumidor.

Segundo o Departamento de Serviços Financeiros do Estado de Nova York (NYDFS), a Robinhood Crypto não dedicou recursos suficientes para lidar com os riscos de conformidade e segurança eletrônica.

Segundo Cheryl Crumpton, diretora jurídica da Robinhood, “estamos satisfeitos que o acordo em princípio alcançado no ano passado e divulgado anteriormente em nossos registros públicos agora seja final”.

A executiva salientou como a Robinhood fez “progressos significativos” na construção de seus programas jurídicos, de conformidade e segurança digital.